PUBLICIDADE
Topo

Música

Como 'O Feitiço do Tempo' fez Mike Shinoda colocar fãs em seu novo disco

Mike Shinoda - Getty Images
Mike Shinoda Imagem: Getty Images

Leonardo Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

10/07/2020 04h00

Quando a quarentena começou em Los Angeles, o guitarrista e vocalista Mike Shinoda, do Linkin Park, se viu tomado por um sentimento exasperante enquanto produzia seu segundo álbum solo, "Dropped Frames, Vol. 1", lançado por ele hoje. Absorto na composição e produção das músicas, Mike se viu em um grande e infinito "loop". Como se os dias fossem todos iguais.

Lembra do Bill Murray no filme "O Feitiço do Tempo"? Era assim que ele se sentia

Quem nunca?

Pensei: 'Meu Deus! Que coisa louca! Tudo sempre igual. Quando isso vai acabar?' Eu senti que precisava fazer alguma coisa
Mike Shinoda ao UOL

Fãs, cheguem mais!

O que ele fez para não pirar: abriu as portas (virtuais) de seu estúdio e convidou seguidores para participar do processo de produção e composição de uma das músicas, intitulada "Open Door" (porta aberta), a única não instrumental do disco. Ouça abaixo como ficou.

Mas como Mike fez isso?

Primeiro, ele começou a mostrar trechos da música para os fãs nas redes sociais e a pedir sugestões. A partir das primeiras trocas, teve a ideia de escolher um fã para cantar o refrão da música. Sete finalistas foram escolhidos, mas ele gostou tanto dos arquivos enviados que decidiu deixar todo mundo junto.

Uma rede sociável

Aliás, todo esse processo seria conduzido via Instagram, mas Shinoda resolveu mudar de ares e partir para o Twitch, plataforma baseada em transmissões ao vivo. O site permite trocar áudios em alta qualidade e, nas palavras dele, é "uma rede mais positiva e civilizada". Ele abre lives diariamente com os fãs, em um grande "brainstorm" criativo.

Aprendendo e ensinando

Eu usei esse projeto para compartilhar dicas e coisas que eu sei de produção. Sei que existem pessoas interessadas em criar músicas em casa, ou que já criam. Acho que pude ajudar e também ensinar pessoas a experimentar

E fãs brasileiros podem aguardar. Mais colaborações virão por aí!

Mike não escolheu o nome "Dropped Frames, Vol. 1" por acaso. O álbum ganhará outros dois volumes em breve. O segundo ele diz já ter concluído, com novas colaborações. O terceiro está em processo de produção, ainda sem previsões de lançamento. Ficamos curiosos.

Mas, Mike, por que você decidiu lançar um disco instrumental afinal?

Acho que o mundo está tão barulhento e caótico atualmente. Acabei percebendo que estava ouvindo mais músicas instrumentais e chillout [gênero de música de base eletrônica e relaxante]. Acho que estamos gritando muito nas redes sociais e na internet. É bom ter algo para quebrar esse fluxo

Diferença entre compor no Linkin Park e compor solo

Nas palavras do músico, trabalhar sozinho é "totalmente diferente". A decisão final é sempre dele. E Mike ainda cita aspectos técnicos. Sozinho em estúdio, ele pode experimentar e usar vários softwares diferentes, não apenas o tradicional "Pro Tools". Assim, ele ganha agilidade no processo, "como se estivesse criando uma trilha de um filme".

Para finalizar: Mike, como está sendo sua quarentena?

As transmissões consomem quatro horas do meu dia. O resto ainda estou trabalhando em outras coisas. Outras músicas. Passo tempo com minha família, filhos. Raramente saio. É como se estivesse em um período de transição, experimentando coisas que nunca tentei. Está sendo fascinante

É verdade que ele vai seguir os passos de Kanye West e se candidatar à Presidência dos Estados Unidos?

Ele te enganou com o post acima, né?

Até que seria divertido. Mas, não, gente, foi só uma piada para divulgar o novo disco. O negócio dele é a música.

Música