PUBLICIDADE
Topo

Zumbis de 'Reality Z' são como haters de reality show, diz Sabrina Sato

Ana Carolina Silva

Do UOL, em São Paulo

10/06/2020 04h00

Se você ainda não comparou a pandemia do coronavírus a um apocalipse zumbi, a série "Reality Z", que chega hoje na Netflix, pode mudar um pouquinho a sua forma de ver as coisas.

Em um apocalipse zumbi, devemos sobreviver e impedir que os próximos se tornem zumbis. Em primeiro lugar, obviamente, porque se eles virarem zumbis, vão nos devorar. Mas porque toda potência humana pode ser aproveitada pela existência de todos - Anna Hartmann, atriz e pesadelo de zumbis

Anna ("Me Chama de Bruna") interpreta Nina, uma das protagonistas de "Reality Z". O elenco também conta com Sabrina Sato e Guilherme Weber.

sabrina sato reality z - Suzanna Tierie/Netflix - Suzanna Tierie/Netflix
Imagem: Suzanna Tierie/Netflix

A produção brasileira foi inspirada na minissérie britânica "Dead Set", criada pelo autor de "Black Mirror" em 2008 (e exibida no Brasil pelo Multishow), mas a história ganhou ares contemporâneos de 2020 de uma forma que nenhum dos envolvidos poderia prever durante as gravações.

E, sim, isso é "muito Black Mirror".

O coronavírus trouxe à tona a questão do isolamento, da convivência, do perigo do contágio e da atitude de cada um diante do próximo. Essas questões são fáceis de comparar com uma catástrofe zumbi. Diante do apocalipse, o ser humano evolui e amadurece. Todos mudam. Isso está acontecendo no mundo agora. Somos testemunhas e participantes dessa distopia que se abateu sobre a Terra - Cláudio Torres, o diretor

Sabrina de volta ao 'Big Brother'?

sabrina reality z - Suzanna Tierie/Netflix - Suzanna Tierie/Netflix
Imagem: Suzanna Tierie/Netflix

Você deve se lembrar que Sabrina Sato é uma das ex-participantes mais célebres do "BBB", certo? Pois em "Dead Set", a casa do "Big Brother" se tornou o refúgio mais seguro do mundo em meio a um apocalipse zumbi —brincadeira que foi feita com o "BBB 20" quando a pandemia da covid-19 estourou e nos deixou tão confinados aqui fora quanto os brothers lá dentro.

Na série da Netflix, a mesma Sabrina Sato vive a personagem Divina, apresentadora de "Olimpo", também um reality show. Já no primeiro episódio, ela anuncia que a noite terá sangue e um "sacrifício", como são chamados os paredões. O que era para ser o bordão do programa acaba servindo como premonição para o que vem depois.

Já imaginou Sabrina virando zumbi?

E quando uma festa do lado de fora do "Olimpo" termina numa carnificina zumbi, um dos participantes na casa, sem saber o que está rolando e pensando se tratar apenas de farra, resmunga:

Esse é o nosso público, animais

Nós sabemos que no "BBB" de verdade —e sem zumbis— um cara que criticasse reality shows veria sua popularidade despencar. Mas é como se Sabrina tivesse viajado do "BBB" de 2003 para o "fim do mundo" de 2020.

Reality show é um gênero muito consumido e repercutido pelos fãs e pela mídia. Acredito ter sido essa a maior crítica social do Charlie Brooker em 'Dead Set', na qual 'Reality Z' foi baseada. Acho que os nossos zumbis representam os haters, pessoas movidas pelo ódio - Sabrina Sato, a personagem Divina

sabrina 3 - Suzanna Tierie/Netflix - Suzanna Tierie/Netflix
Sim, Sabrina Sato será zumbi em "Reality Z"
Imagem: Suzanna Tierie/Netflix

Mas por que o 'Big Brother' de 'Dead Set' virou 'Olimpo'?

"No Brasil, a série não foi inspirada nesse ou naquele reality show. A proposta da Netflix era criar um reality mais brasileiro. Invocamos novamente a geleia geral tropicalista e misturamos Carnaval com zumbis. O 'Olimpo' acabou sendo uma metáfora e a razão de ser da série", explicou Cláudio.

A tal "geleia tropicalista" se assemelha também ao que vimos em "Bacurau", filme de Kléber Mendonça Filho.

Inspiração em videogames

Os participantes do "Olimpo" usam trajes e posam em cenários dignos da Grécia Antiga. Imagine a surpresa (e a alegria) da reportagem ao descobrir que a inspiração visual partiu do videogame "God of War", clássico da PlayStation, do qual Claudio é fã.

Confesso que bebi do game 'God of War' (para o visual), da série 'The Walking Dead' (as temporadas da prisão), de 'Fúria de Titãs' e do longa 'Extermínio' (para a velocidade dos zumbis). Talvez um pouco de Asterix. Criar o Olimpo foi uma forma de estabelecer um símbolo de civilização e acabou se transformando no grande fio condutor da série.

Por se tratar de um programa de televisão de enorme audiência que não pode ter falhas, a casa do "Olimpo", também localizada no Rio, se transforma no refúgio ideal durante o apocalipse zumbi, com antena de comunicação própria e autossuficiência em energia e água.

O personagem Kratos, de "God of War", odiaria zumbis.

Mas o pior está dentro da propriedade:

O lugar se torna uma fortaleza ameaçada pelos zumbis do lado de fora e, dentro de suas muralhas, pela vil natureza humana.

E, no Rio de Janeiro, a politicagem corrupta e as milícias podem atrapalhar.

sabrina 2 - Suzanna Tierie/Netflix - Suzanna Tierie/Netflix
Imagem: Suzanna Tierie/Netflix

'Jogos Vorazes' e 'Battle Royale' em versão morta-viva

Logo no primeiro episódio de "Reality Z", o UOL notou algumas semelhanças com "Jogos Vorazes" e o clássico japonês "Battle Royale". É claro que o reality show nestes dois títulos consiste em matança deliberada e televisionada —e o derramamento de sangue não estava previsto para ocorrer no Olimpo—, mas os símbolos estão ali.

Vivido por Guilherme Weber, Brandão tem cabelos brancos e é o "Big Boss" do Olimpo. Um produtor que sacrifica quem e o que precisar para se dar bem, e isto vai desde dirigir o reality com frieza (e nicotina) até usar um cadeirante como escudo humano para escapar de um zumbi.

guilherme weber em reality z - Suzanna Tierie/Netflix - Suzanna Tierie/Netflix
Imagem: Suzanna Tierie/Netflix

Não é difícil notar semelhança com o Presidente Snow (Donald Sutherland), personagem de "Jogos Vorazes", mas Guilherme Weber assegurou que foi mera coincidência:

Acho que você pensou nisso pela semelhança física, tirando a diferença de idade entre mim e o Donald [risos]. Mas Snow e Brandão guardam semelhanças no poder que têm, ou acreditam ter. O Brandão é o típico diretor arrogante e vaidoso que circulava na televisão nos anos 1980 e 1990.

Mas e as maldades do Brandão, Guilherme?

"Brandão é um personagem que já começa em alta voltagem emocional e vai se tornando cada vez mais selvagem e perdendo a humanidade. Por isso, usar um cadeirante ou um armário de escudo dá no mesmo para ele" - Guilherme Weber, que interpreta o "Big Boss" do Olimpo

Alô, fãs de 'The Walking Dead'

Além do diretor Cláudio Torres, que confirmou a influência de "The Walking Dead", Anna Hartmann admitiu, despreocupada, que não vê como escapar desta inspiração em uma série que envolva zumbis:

Eu, pessoalmente, adoro a 'Walking Dead' e me inspirei muito na força feminina de Michonne, Andrea e Maggie para compor a Nina. Mas criamos uma história muito brasileira.

Sabrina é outra que pira na série da Fox, que está em sua décima temporada:

Eu, como fã de The Walking Dead (vi todas as temporadas duas vezes), posso falar que 'Reality Z' superou todas as minhas expectativas em qualidade, elenco, efeitos, trilha, ritmo, em todos os quesitos

Mas não dá medo?

Bom, "Reality Z" é para maiores de 18 anos. Tem sangue, zumbi, referências sexuais e elementos que pessoas de estômago fraco podem considerar nojentos, como tripas e intestinos devorados.

zumbis reality z - Suzanna Tierie/Netflix - Suzanna Tierie/Netflix
Imagem: Suzanna Tierie/Netflix

Aliás, dá para gravar uma série como essa sendo medroso? Sabrina responde:

Sempre gostei, assisto a todos os filmes e séries do gênero. Tinha vontade de interpretar um zumbi [risos]. Fiquei muito feliz e honrada com o convite para fazer a primeira série brasileira de zumbi da Netflix, com essa mega produção e um elenco que admiro. Confesso que ali, na hora de filmar, foi tenso ficar cara a cara com tripas e zumbis