PUBLICIDADE
Topo

Morre Florian Schneider, fundador do Kraftwerk, aos 73 anos

A banda Kraftwerk em show em 2004: Ralf Huetter, Fritz Hilpert, Henning Schmitz e Florian Schneider - Stefan M. Prager/Redferns
A banda Kraftwerk em show em 2004: Ralf Huetter, Fritz Hilpert, Henning Schmitz e Florian Schneider Imagem: Stefan M. Prager/Redferns

Do UOL, em São Paulo

06/05/2020 12h24

Florian Schneider, um dos fundadores do Kraftwerk, morreu aos 73 anos. A informação foi confirmada pela revista Billboard, embora a causa da morte ainda não tenha sido informada.

Schneider criou o influente grupo eletrônico nos anos 1970 ao lado de Ralf Hutter. Com discos como "Autobahn" (1974), "Trans Europe Express" (1977) e "The Man Machine" (1978), os alemães foram pioneiros da música eletrônica, influenciando vários gêneros, como o hip-hop e o rock.

Multi-instrumentista, Schneider tocava sinterizadores, vocoder, flauta, sax, percussão, violino, guitarra, bateria e ainda fazia vocais para a banda. O músico deixou o Kraftwerk em 2008, depois de quatro décadas —seu último show com a banda foi em 2006, na Espanha.

Ele, portanto, não se apresentou ao lado dos ex-companheiros de banda nos shows que o Krafwerk fez no Rio e em São Paulo em 2009, abrindo a turnê do Radiohead no Brasil. Seu posto foi ocupado por Stefan Pfaffe.

Originalmente, o instrumento principal de Schneider era a flauta, cuja sonoridade ele alterava usando efeitos eletrônicos, ecos, modulações e até wah-wah, transformando numa espécie de baixo. Anos mais tarde, ele viria a criar sua própria flauta eletrônica. A influência de Schneider para a música é tanta que David Bowie intitulou a instrumental "V-2 Schneider", do álbum "Heroes" (1977), em homenagem ao músico.

Estudei música seriamente até um certo nível, depois achei tudo chato; procurei outras coisas, achei que a flauta era muito limitadora ... Logo comprei um microfone e depois alto-falantes. Depois um eco, depois um sintetizador. Muito depois, joguei a flauta fora; era uma espécie de processo

Com Schneider, o grupo lançou dez álbuns de estúdio, incluindo o aclamado "Autobahn", de 1974, que chegou a ocupar o quinto lugar nas paradas da Billboard mesmo com seu som vanguardista e inovador. Em 2014, a banda foi premiada com um Grammy pelo conjunto da obra.