Topo

Música


Anitta critica modelo de agropecuária, e não tem medo de ser morta por isso

Colaboração para o UOL

21/08/2019 23h24

Anitta soltou o verbo em seus Stories, hoje, para falar sobre o desmatamento da Amazônia. Depois de defender que a floresta seria melhor administrada na mão de índios, ela disse que pessoas ligadas à agropecuária ganham dinheiro com a destruição do bioma.

Citando Dorothy Stang, assassinada em 2005 em razão do ativismo ambiental, a cantora disse que não tem medo de perder patrocinadores ou até ser morta por falar sobre a questão.

"As pessoas que lucram, que ganham dinheiro com o desmatamento, com a questão da agropecuária, eles não podem deixar que isso fique tão claro para a nossa massa porque daí eles perdem o lucro deles", opinou a artista.

"A galera da agropecuária e da agronomia tem muito dinheiro. Então, têm dinheiro o suficiente para fazer uma redoma de informações, para que as pessoas daquela região acreditem que aquilo não impacta a vida de maneira negativa".

"Quando você é muito rico, você tem dinheiro para criar matérias, tem dinheiro para comprar um canal de televisão que só vai falar coisas que você está a fim. Vai fazer acreditar que aquilo é muito bom para a gente", argumentou.

Ela falou, ainda, sobre o papel dos ambientalistas. "As pessoas que tentam lutar para que isso acabe, como a Dorothy Stang, são assassinadas. Nesses lugares, a polícia e a fiscalização não são tão fortes (...) Muitas vezes, os artistas que tentam lutar por essas causas perdem patrocínios, perdem apoiadores. Fica muito complicado para eles exercerem a profissão e continuarem lutando pelo movimento".

"Se a gente perder (patrocinadores), eu estou disposta, e eu não tenho medo. Queria dizer à minha equipe (...) que eu estou super a par disso e que pode ser que aconteça, faz parte da vida. Não é meu medo".

"Se vier um matador de aluguel tentar me matar porque eu estou me metendo e falando que essa agropecuária precisa mudar e é um câncer para a natureza, pode vir, não estou nem aí", concluiu.