PUBLICIDADE
Topo

Filmes e séries


Antes de Rocketman: Como Elton John estreou no cinema cantando The Who

Elton John em cena de "Tommy", musical de 1975 - Reprodução/Youtube
Elton John em cena de "Tommy", musical de 1975 Imagem: Reprodução/Youtube

Eduardo Pereira

Do UOL, em São Paulo

08/06/2019 04h00

Com quase 60 anos de carreira e uma impressão indelével deixada na história da música pop e do rock internacional, Elton John não poderia ter passado incógnito, também, pelo cinema e pela televisão. Não à toa, o músico inglês acumula mais de 600 créditos de composição, e outros 122 de atuação em filmes, curtas, videoclipes e séries de TV que marcaram época - e encontram seu apogeu no filme biográfico "Rocketman".

"Simpsons", "South Park", "Kingsman 2", e até o pavoroso longa protagonizado pelas "Spice Girls" são algumas das produções que não só tomaram emprestadas músicas de Elton, mas também o incumbiram de atuar frente às câmeras (ainda que como ele mesmo), ou dando vida a uma versão animada. Mas o divisor de águas nesse quesito data de 1975: um papel tão breve quanto icônico no musical de ópera rock "Tommy", idealizado pelos conterrâneos da lendária banda de rock The Who.

Recusa inicial e atrito com Rod Stewart

"Tive muito sucesso escrevendo músicas e trilhas sonoras para filmes, mas nunca me senti muito confortável me vendo na tela grande", confidenciou Elton em texto escrito para o The Guardian. Foi com esse pensamento que, no início dos anos 1970, ele recusou o papel de protagonista no clássico "Ensina-me a Viver", sobre a paixão entre uma idosa cheia de vida e um jovem lúgubre. "Amei o roteiro, mas não me parecia a coisa certa, à época".

De fato, Elton já tinha o bastante para se preocupar com sua carreira musical. Saindo do sucesso do álbum conceitual Tumbleweed Connection (que chegou ao quinto lugar nas paradas dos EUA), a então estrela em ascensão trabalhava em sua estreia na composição de trilhas sonoras, ao lado do parceiro de composições Bernie Taupin, com o indicado ao Globo de Ouro Amigos e Amantes. Também gestava sua obra quintessencial, que o sedimentaria como um ícone do glam rock e da música pop: Goodbye Yellow Brick Road.

A celebrada bolacha já tinha quase um ano de idade (e um total de dois meses nos topos das paradas mundiais) quando o músico recebeu uma ligação dos produtores do musical Tommy que mudaria esse cenário. A produção independente adaptava o álbum conceitual homônimo de 1969 da banda britânica The Who com a história de um garoto aparentemente deficiente que, dada uma habilidade incomum no pinball, era convertido em um líder religioso. Elton daria vida ao "Garoto Local": um extravagante personagem que desafiaria o protagonista a um desafio no jogo, entoando uma versão então inédita do hit Pinball Wizard.

Apesar de Elton John não ser o único nome de peso na mira da produção - além de todos os membros da The Who (em especial o vocalista Roger Daltrey, que deu vida ao próprio Tommy), o filme contou com Eric Clapton, Tina Turner, Jack Nicholson, Ann-Margret, e Oliver Reed - era uma oferta prestigiosa: não só viver um personagem central à jornada do protagonista, como também poder bombar nas paradas recriando um dos maiores hits da banda de rock britânica. Elton a recusou mesmo assim.

"Eles então entraram em contato com Rod Stewart, mas eu disse para ele recusar também [o que o colega fez]. 'Eu não relaria nisso', disse", revelou o músico. Mas quando o líder da The Who em pessoa, Pete Townshend, ligou para reforçar a oferta, o agora já estelar cantor teve de aceitar: "Rod ficou absolutamente furioso: 'Sua vadia! Você fez isso de propósito'". Elton, entretanto, garante: "Foi acidental".

Sucesso nas telas e nas paradas

O resultado do "sim" foi um Elton John caracteristicamente extravagante, se equilibrando em botas de dois metros de altura e vociferando contra Roger Daltrey uma Pinball Wizard mais enérgica e dançante, repleta do piano magistral que marca sua obra. A cena é visualmente icônica, e somada à interpretação de Elton para o hit (tão viva e honesta quando a original) acaba por ser uma das mais cativantes do filme.

Não foi surpresa, então, quando o "cover de luxo" bombou nas paradas da Terra da Rainha: convertida em single em 1976, a música ficou entre as 10 mais ouvidas no Reino Unido, atingindo até a sétima colocação - feito que, na carreira de Elton, havia acontecido antes só com outro cover, da música Lucy in the Sky With Diamonds, dos Beatles.

Embora apareça acompanhado dos membros do The Who durante a cena em Tommy, foi com sua própria banda de apoio que Elton John assinou Pinball Wizard. "Foi uma revelação observar o quão rápido e eficiente Elton e sua banda eram, fechando uma faixa com solos variados, guitarra-base e guitarra-solo, vocal principal e backing vocals em menos de quatro horas", elogiou o próprio Pete Townshend em sua autobiografia Who I Am.

"Eu acho que foi meu único papel famoso em filmes, embora não envolvesse muita atuação, só evitar cair usando um par de sapatos gigante", define o próprio Elton sobre o que fez em "Tommy". Mas se só isso foi o bastante para essa lenda viva fazer ainda mais história, o que rolou desde então, de Spice Girls até Rocketman, foi lucro nosso.

Filmes e séries