Topo

Filmes e séries


"Você Radical": Bear Grylls abusa da interatividade, mas aventura fica artificial

Bear Grylls em cena de "Você Radical" - Divulgação
Bear Grylls em cena de "Você Radical" Imagem: Divulgação

Osmar Portilho

Do UOL, em São Paulo

11/04/2019 04h00

Fãs do extinto programa "À Prova de Tudo", da Discovery Channel, agora irão se deparar com a cara do aventureiro Bear Grylls na página de abertura da Netflix. "Você Radical" tem uma proposta interativa: o telespectador faz escolhas para o aventureiro.

No mesmo molde do filme "Bandersnatch", a história é pausada em momentos cruciais para que você tome as decisões no lugar de Bear Grylls. Encurralado por um jacaré em uma trilha, você recebe duas opções: tentar assustá-lo para sair de seu caminho ou passar pela água sem ser notado.

A interação é realmente um ponto positivo para atração que propõe um formato inovador, mas alguns elementos acabam tornando "Você Radical" artificial e pouco espontâneo, o que pode deixar fãs de "À Prova de Tudo" um pouco desapontados.

Assista ao trailer de "Você Radical"

UOL Entretenimento

Cadê a espontaneidade?

O reality show que consagrou Bear Grylls no Discovery Channel enfrentou sua cota de críticas. Como programa de TV, algumas cenas eram forçadas demais ou ensaiadas para ficarem legais na câmera. "Desmascarar" o aventureiro se tornou obsessão de alguns nas redes sociais.

Justamente por oferecer várias possibilidades e seguir um roteiro de ficção, "Você Radical" tem pouca intenção de te convencer de aquele evento surpreendeu o aventureiro. Em uma conta rápida, há pelo menos quatro opções para Bear se livrar do jacaré na cena que falamos anteriormente, ou seja, quatro vídeos foram feitos. O jacaré apareceu espontaneamente ou foi colocado lá pela produção?

Roteiro manjado

Nos dois primeiros episódios, Bear Grylls precisa encontrar uma médica desaparecida na selva e levar remédios para uma vila remota na América Central. No seguinte, a busca é por uma cadela se resgate perdida nos Alpes Suíços. No capítulo 5, um avião de carga desaparece no deserto. É compreensível a ideia de criar um enredo para justificar a aventura do protagonista. Mas entrar na selva sozinho para resgatar uma médica desaparecida soa muito mais como um enredo de videogame do que um reality show.

O próprio Bear Grylls ajudou a consagrar os programas de sobrevivência ao se colocar em perigo sem nenhuma necessidade a não ser entreter o telespectador. A iniciativa de inventar uma historinha para justificar as atitudes do aventureira é acaba sendo desnecessária para quem já acompanha o gênero e é fã do britânico.

A premissa da sobrevivência já era suficiente para telespectador. Em "Você Radical", Bear Grylls repete uma cena icônica sua: comer uma larva onde toda a gosma do inseto explode em sua boca. Mas se ele estava indo em uma missão de resgate, por que não levou mantimentos? Quando o aventureiro se colocava em uma situação bizarra como justificativa para manutenção de sua vida todo o enredo era mais crível. Dentro dessa historinha não faz sentido.

Divulgação
Imagem: Divulgação

Interação e episódios curtos

"Você Radical" pode não ser o substituto de "À Prova de Tudo", mas vale pelo entretenimento. Ao todo, são oito episódios que não vão tomar muito do seu tempo: a duração vai de 14 a 26 minutos.

A ferramenta interativa da Netflix no melhor estilo "Você Decide" também veio pra ficar. Em vez de ser somente um adereço decorativo, as escolhas do telespectador realmente impactam no enredo de "Você Radical".

Talvez o grande trunfo do programa, cuja criação é assinada por Rob Buchta, Delbert Shoopman e o próprio Bear Grylls, seja essa mentalidade emprestada dos games. Ao fim dos capítulos você fica com uma pulga atrás da orelha pensando o que teria acontecido se tivesse tomado decisões diferentes.

Ao fim do episódio, o sistema te dá mais uma opção: ir adiante ou repetir a história e quem sabe testar novas escolhas. Com certeza muita gente vai repetir várias e várias vezes até esgotar todas as opções de aventura de Bear Grylls.

Filmes e séries