PUBLICIDADE
Topo

Johnny Depp alega ter novas provas de que não agrediu Amber Heard

Johnny Depp e Amber Heard - Kevin Winter/Getty Images/AFP e Chris Delmas/AFP Photo
Johnny Depp e Amber Heard Imagem: Kevin Winter/Getty Images/AFP e Chris Delmas/AFP Photo

Rodolfo Vicentini

Do UOL, em São Paulo

22/01/2019 18h55

Johnny Depp apresentou novos documentos na justiça alegando que tem provas de que nunca agrediu a atriz Amber Heard, sua ex-mulher.

Segundo o TMZ, os documentos foram registrados no Reino Unido, onde o ator já tem um processo contra o tabloide inglês "The Sun" por difamação. O periódico afirmou que Depp era um "espancador de esposa".

Heard diz que o ator jogou, no dia 21 de maio de 2016, um celular em seu rosto e ainda a agrediu. A atriz tem fotos do incidente, em que aparece com o lado direito do rosto machucado.

Os novos documentos apresentados por Depp incluem testemunhas, que dizem que viram Amber saindo do apartamento deles no dia da suposta agressão e ela não apresentava ferimentos.

Inclusive, uma das testemunhas garante que não viu sinais no rosto da atriz até seis dias após o caso. Johnny Depp ainda lembra que dois policiais atenderam o caso e não perceberam nenhum machucado no rosto da atriz.

A atriz Amber Heard alega que foi agredida por Johnny Depp - Reprodução - Reprodução
A atriz Amber Heard alega que foi agredida por Johnny Depp
Imagem: Reprodução

Relembre o caso

Os depoimentos da dupla foram relevados pela primeira vez apenas em janeiro deste ano. "Johnny e eu nos referimos à sua outra personalidade, a parte dele que está presente quando ele me bate, como 'o monstro'. Há anos usamos este termo. Eu tinha muito medo do monstro", disse a atriz em em uma deposição de agosto de 2016.

Foi pouco após o começo da briga, segundo Heard, que sua amiga Raquel Pennington chegou no local. Pennington, que morava por perto, recebeu uma mensagem de Heard pedindo ajuda, e testemunhou frente aos advogados que ouviu Depp gritando dentro do apartamento.

A gritaria fez com que os seguranças do próprio Depp entrassem no local, convencendo-o a ir embora. Pennington testemunhou que tirou "dúzias de fotos" de hematomas e machucados infligidos por Depp em Heard durante o relacionamento dos dois, incluindo na fatídica noite da separação.

Quando perguntada pelos advogados de Depp se já havia, ela mesmo, agredido o então marido, Heard respondeu que "fazia o melhor que podia para se defender" dele. A atriz apontou que Depp é maior e fisicamente mais forte do que ela.

O relato também mostra versões conflituosas dos policiais que apareceram no apartamento pouco após a briga do casal. Segundo a oficial de polícia Melissa Saenz, Heard se recusou a dizer o seu nome, de forma que ela não a reconheceu. Além disso, não havia cacos de vidro no chão, e o rosto da atriz não aparentava hematomas.

Heard disse que não falou com os policiais de forma mais aberta na ocasião por recomendação de seu advogado. Pennington, a amiga da atriz, testemunhou que os policiais viram o dano causado ao apartamento por Depp, e que nada foi limpo antes deles chegarem.

O próprio Depp aparece nos documentos, dizendo em um testemunho que Heard era a pessoa abusiva no relacionamento. Segundo ele, a atriz o deu "dois socos no rosto" na noite de 21 de abril de 2016, quando ele se atrasou para um jantar comemorando o seu aniversário.

Depp e Heard se casaram em 2015 e acabaram se divorciando após dois anos.