PUBLICIDADE
Topo

Em São Paulo, Tom Morello explica por que pediu justiça para Marielle

Guitarrista Tom Morello pede justiça para Marielle em show em Porto Alegre - Reprodução/Twitter/@carlitocorrea
Guitarrista Tom Morello pede justiça para Marielle em show em Porto Alegre Imagem: Reprodução/Twitter/@carlitocorrea

Mauricio Dehó

Do UOL, em São Paulo

16/09/2018 17h57

O guitarrista Tom Morello, do Prophets of Rage, Audioslave e Rage Against the Machine, fez show solo neste sábado (15) dentro do festival Samsung Best of Blues, no Anfiteatro Pôr do Sol, em Porto Alegre (RS), e pediu "Justiça para Marielle" ao mostrar um cartaz colado atrás de sua guitarra.

Neste domingo (16), em São Paulo, onde se apresenta de graça no Ibirapuera para o mesmo projeto, o músico explicou o que o motivou a falar sobre o assassinato da vereadora do PSOL e do motorista dela, Anderson Gomes, ocorrido há seis meses. Ele repetiu o mesmo protesto do dia anterior, na parte externa do Auditório do Ibirapuera:

Tom Morello

UOL Entretenimento

"Como no meu país, os Estados Unidos, o Brasil vive um momento de crise democrática. O assassinato sem solução da Marielle é um exemplo que mostra isso. Eu quis mostrar meu apoio e solidariedade aos brasileiros que lutam pelos pobres, pelos trabalhadores, pelo meio ambiente e contra o fascismo. É por isso que eu toco e é esta mensagem que estou levando ao palco hoje", disse aos jornalistas, antes de subir ao palco.

O artista descartou concorrer a qualquer cargo político em seu país. "Cheguei a trabalhar um tempo no escritório do senador Alan Cranston, que é um cara bem progressista, mas vi como o dinheiro manda na política. E eu não quero estar próximo disso. Eu quero ser eu mesmo, e não puxar o saco dos outros", explicou.

Disco solo

Morello também adiantou o que os fãs podem esperar do álbum "The Atlas Underground", com lançamento marcado para o próximo mês.

"Quero que ele seja um híbrido de rock e EDM. O EDM não costuma ser uma músicas política, mas não sou um cara tradicional. A ideia é levar minha música de protestos para os moshs e para a pista", concluiu.