Topo

Filmes e séries

"Westworld" voltou! O que você precisa lembrar para ver a nova temporada

Divulgação
Dolores (Evan Rachel Wood) e Teddy (James Marsden) em cena da segunda temporada de "Westworld" Imagem: Divulgação

Beatriz Amendola

Do UOL, em São Paulo

22/04/2018 04h00

Este abril de 2018 pode não ter “Game of Thrones” --cuja oitava e última temporada estreia só no próximo ano--, mas tem “Westworld”. A outra superprodução da HBO retorna para sua segunda temporada neste domingo (22) após um hiato de um ano e meio, e está ainda mais intrigante (se é que isso é possível).

Com produção executiva de J.J. Abrams (de “Lost” e “Star Wars: O Despertar da Força”), a série criada por Jonathan Nolan e Lisa Joy sobre o parque ao estilo velho-oeste povoado por androides, os “anfitriões”, retoma a história no ponto em que a primeira temporada parou: os seres artificiais agora têm consciência de sua realidade e não obedecem mais aos comandos humanos.

Leia mais


No primeiro dos novos episódios, que o UOL viu a convite da HBO, a história segue como um grande quebra-cabeça. Ainda que o final da temporada anterior tenha deixado explícito ao espectador que a série acompanhava duas linhas temporais distintas, os mistérios lançados em cada uma continuam se acumulando, enquanto algumas perguntas são respondidas. A diferença é que, desta vez, não há tanto tempo separando as narrativas, pelo menos no capítulo inicial.

Aos poucos, “Westworld” vai reconstruindo os acontecimentos que se seguiram imediatamente após Dolores (Evan Rachel Wood) matar o Dr. Robert Ford (Anthony Hopkins) com um tiro, e dar início a uma verdadeira revolução. Quem ganha um papel ainda mais central nesse momento, porém, é Bernard, a pessoa mais próxima do idealizador do parque – e também a que mais tem a esconder.

Se você não se lembra de tudo o que aconteceu na série, não se preocupe. Listamos os momentos mais importantes para você se preparar.

O labirinto era para os anfitriões

O labirinto tão procurado pelo Homem de Preto (Ed Harris) não era literal. Na verdade, ele representava a jornada dos anfitriões em direção à tomada de consciência – o que foi atingido por personagens como Dolores e Maeve (Thandie Newton).

William é o Homem de Preto

A teoria mais popular entre os fãs se confirmou quando foi revelado que o inocente William (Jimmi Simpson) e o Homem de Preto são a mesma pessoa, separados por 30 anos. E a versão mais velha, implacável e violenta, pareceu ter gostado de ver os anfitriões tomarem as rédeas.

Bernard é uma reencarnação robótica de Arnold

Arnold foi o braço direito de Robert na criação do parque. Ele, porém, acreditava que os anfitriões poderiam se tornar conscientes e tentou convencer o amigo a cancelar a abertura do parque. Sem sucesso, Arnold fundiu a personalidade de Dolores com a de um agressivo anfitrião em desenvolvimento chamado Wyatt, e a programou para matar a todos os outros androides – e a ele mesmo. Anos depois, Ford criou uma nova versão de Arnold em Bernard.

Ford estava por trás de tudo

Divulgação
Imagem: Divulgação

Foi o criador do parque que instalou nos anfitriões as atualizações que permitiram a eles se libertarem das amarras da programação. Sua nova narrativa, “jornada à escuridão” é o que dá o pontapé na revolução, iniciada no momento em que ele é morto por Dolores.

Maeve foi atrás da filha

A cafetina estava determinada a escapar do parque. Quando estava prestes a entrar no trem, porém, ela decidiu ficar para procurar a menina que foi sua filha em uma das várias narrativas do parque. 

Alguns personagens estão desaparecidos

Elsie (Shannon Woodward), que era braço direito de Bernard, foi vista pela última vez sendo atacada pelo chefe – e não sabemos se ela está viva ou morta. E Stubbs (Luke Hemsworth), o chefe de segurança do parque, teve em sua última cena um encontro infeliz com a Nação Fantasma, uma tribo de androides conhecida pela violência. Já Logan (Ben Barnes), que era o então futuro cunhado de William, surgiu pela última vez amarrado a um cavalo, nu. O que se passou com ele e se ele ainda está vivo no presente, não sabemos.