Topo

Filmes e séries


Sessão de "Nada a Perder" vira culto evangélico com mensagem de Edir Macedo

Petrônio Gontijo e Day Mesquita em cena de "Nada a Perder" - Divulgação
Petrônio Gontijo e Day Mesquita em cena de "Nada a Perder" Imagem: Divulgação

Felipe Branco Cruz

Do UOL, em São Paulo

29/03/2018 15h50

O filme "Nada a Perder", que conta a história do bispo Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus e dono da TV Record, estreou nesta quinta-feira (29) em 1.108 salas de cinema do país --número que corresponde a aproximadamente 1/3 de todo o circuito nacional.

A reportagem do UOL acompanhou uma das primeiras exibições, às 11h30, no Shopping Frei Caneca, na região central de São Paulo. A sessão, que tinha 172 ingressos vendidos, foi vista por 76 pessoas na sala. A grande maioria era crianças e adolescentes que vieram em duas excursões lideradas por obreiros da igreja. A sessão seguinte, das 13h50, já tinha uma grande fila formada pelos corredores do cinema, também com outras duas excursões.

Já dentro do cinema, a exibição das 11h30 se transformou em uma espécie de culto. Em determinado momento do filme, o bispo Edir Macedo (vivido por Petrônio Gontijo) canta em um coreto a música "Segura na Mão de Deus". Os espectadores, que conhecem o hino cristão, cantaram junto.

Ao final da projeção, em uma cena à parte do filme, o verdadeiro Edir Macedo surge na telona para pedir ao espectador para que faça uma oração junto à ele. Um lencinho com a prece --uma passagem de Atos 19:11-12-- foi distribuído por obreiros dentro da sala para aqueles que não o tinham (algumas pessoas já chegaram ao local com o lencinho em mãos, em um saquinho plástico que continha junto o ingresso).

Enquanto o bispo orava, fiéis colocavam o lencinho no peito e levantavam as mãos. Ao final, o filme foi aplaudido de pé.

Lencinho entregue por obreiros da Igreja Universal durante sessão do filme "Nada a Perder" - Felipe Branco Cruz/UOL
Lencinho entregue por obreiros da Igreja Universal durante sessão do filme "Nada a Perder"
Imagem: Felipe Branco Cruz/UOL

Leia mais

Os ingressos para "Nada a Perder" já estavam praticamente esgotados na maioria das salas de cinema do Brasil uma semana antes da estreia --foram cerca de 4 milhões de entradas comercializadas em pré-venda. No Shopping Frei Caneca, nas sessões das 11h30, 13h50, 16h20, 18h50 e 21h20, só sobraram os lugares mais próximos da tela.

O UOL também acompanhou a exibição no Shopping Eldorado, na zona oeste de São Paulo, em que fiéis se manifestaram junto à oração de Edir Macedo. A sessão das 11h30 tinha ingressos vendidos em quase sua totalidade e foi vista por mais da metade da sala --cenário diferente do que aconteceu na estreia de "Os Dez Mandamentos", em 2016, quando as sessões tinham entradas esgotadas e as salas, vazias.

O filme

"Nada a Perder" é baseado no livro homônimo que conta a história do bispo evangélico. O filme foi dividido em duas partes, e a segunda será lançada no dia 18 de abril de 2019.

Durante 2 horas e 10 minutos, a primeira parte do filme acompanha Macedo da adolescência ao momento de sua prisão em 1992, quando foi acusado de charlatanismo e estelionato. A compra da Record, em 1989, um dos maiores negócios no setor de comunicação do país (e um dos mais controversos), tem destaque no roteiro.

O foco do segundo filme ficará no que a biografia de Macedo chama de "perseguição global", quando o episódio do "chute na santa" e o vídeo em que o bispo aparece supostamente dando aulas de como cooptar dizimistas tomam conta do noticiário da TV Globo.

De acordo com os produtores, o filme foi todo feito com dinheiro privado. Apesar de não revelar valores, especula-se que cada filme sobre a vida de Macedo esteja orçado em cerca de R$ 16 milhões. A média de produções nacionais comerciais gira em torno dos R$ 7,5 milhões.

"Nada a Perder" deverá ser lançada também em outros países da América Latina, Angola e África do Sul. Três meses após a exibição nos cinemas, o filme também será exibido na Netflix, que comprou os direitos de exibição.