PUBLICIDADE
Topo

Cunha deveria assistir a "aula" de história do Brasil, diz Wagner Moura

O ator Wagner Moura, na Flip, evento literário em Paraty (RJ) - Zanone Fraissat/Folhapress
O ator Wagner Moura, na Flip, evento literário em Paraty (RJ) Imagem: Zanone Fraissat/Folhapress

Rodrigo Casarin

Do UOL, em Paraty (RJ)

03/07/2015 15h19

O ator Wagner Moura acompanhou o debate entre Heloisa Starling e Lilia Schwarcz, realizado na tarde desta sexta-feira (3) na Flip (Festa Literária Internacional de Paraty). As professoras são coautoras de "Brasil - Uma Biografia", obra recém-lançada, que tem como objetivo repassar 500 anos de história do país, do descobrimento até os dias atuais.

Abordado pela reportagem do UOL na saída do debate, o ator, que está na cidade em férias, afirmou que a mesa - praticamente uma aula de história sobre o Brasil, passando por temas como escravidão e as diversas fases de nossa política - foi a que mais lhe agradou no evento até agora.

"Esse livro é fundamental para o país. A gente tem que entender muito da escravidão, porque ela é fundamental para entender a história do Brasil", disse o ator, que se declarou "evidentemente contra" a redução da maioridade penal, proposta aprovada nesta semana após manobra do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

"O Eduardo Cunha tinha que estar assistindo [ao debate de Starling e Schwarcz]", protestou o intérprete do Capitão Nascimento, antes de ser arrastado pelas ruas de Paraty por uma multidão de fãs que parecia mais interessada em selfies e autógrafos do que discutir política com o ator.