Livros e HQs

Defesa de Roberto Carlos não vai se opor a biografia não autorizada no STF

Cláudio Augusto/Photo Rio News
29.abr.2014 - Roberto Carlos brinda ao lançar biografia oficial em shopping de São Paulo Imagem: Cláudio Augusto/Photo Rio News

Felipe Branco Cruz
Mariane Zendron

Do UOL, em São Paulo

10/06/2015 06h00

As biografias não autorizadas terão um destino definitivo no Brasil a partir das 14h desta quarta-feira (10). Os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) vão julgar a ação movida em 2012 pela Anel (Associação Nacional dos Editores de Livros) contra liminares que proíbem a publicação dos livros sem permissão. Hoje, dois artigos do Código Civil obrigam a autorização prévia do biografado ou de seus herdeiros, prática questionada pela entidade.

Roberto Jayme/UOL
O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay Imagem: Roberto Jayme/UOL

Parte interessada no julgamento, o Instituto Amigo, do cantor Roberto Carlos, será representado pelo advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que defenderá no STF o direito à intimidade e à privacidade. Em entrevista ao UOL, o advogado do artista disse que não vai se opor à obra sem autorização prévia. "O que nós defendemos é que, após a publicação do livro, se sair um capítulo falso ou injurioso, o biografado tenha o direito de entrar na Justiça para que aquele ponto específico seja retirado", explicou Kakay. 

A afirmação do advogado demonstra uma nova postura de Roberto Carlos em relação à polêmica das biografias não autorizadas --em 2007, o cantor conseguiu que "Roberto Carlos em Detalhes", biografia escrita por Paulo Cesar Araujo, fosse retirada das livrarias. Na época, durante o julgamento do caso, os advogados de Roberto se apoiaram no trecho da lei que proíbe que sejam publicadas informações pessoais de biografados em situações que "lhe atingirem a honra, a boa fama ou a respeitabilidade". 

Embora ainda não fosse advogado de Roberto Carlos naquele caso, Kakay afirmou que, independentemente da decisão do STF, o livro "Roberto Carlos em Detalhes" não poderá ser publicado porque a decisão ocorreu após um acordo entre a editora e o músico. "A decisão do STF não tem nada a ver com o livro. Esse caso está enterrado. O acordo judicial foi feito com a editora e tem que ser cumprido".

Efeito Roberto Carlos

A retirada da biografia de Roberto Carlos das livrarias causou impacto no mercado editorial. Para o jornalista Vitor Nuzzi, autor de "Uma Canção Interrompida", sobre a história de Geraldo Vandré, as editoras ficaram com receio de publicar obras que não fossem autorizadas. "Eu ofereci a biografia do Vandré para seis editoras, e todas negaram. Duas delas disseram explícitamente que não publicariam se a biografia não fosse autorizada", contou Nuzzi ao UOL. O livro, lançado há dois meses, foi lançado com recursos próprios do autor, que bancou a impressão de 100 exemplares. "Foi o que o meu dinheiro deu para fazer".

"Acho que, após a decisão do STF, muitos projetos que estão engavetados finalmente serão publicados, porque as editoras não terão mais motivos para temer", afirmou Nuzzi. "Existem muitos biógrafos com excelentes trabalhos e que estão enfrentando as mesmas dificuldades que eu enfrentei."

Anel está otimista

Apesar de o processo se arrastar desde 2012, o advogado da Anel, Gustavo Binenbojm, se diz esperançoso pela liberação das obras não-autorizadas. "De 2008 para cá, o STF construiu uma jurisprudência bastante favorável à liberdade de expressão, como o humor nas eleições e a marcha da maconha", disse ao UOL

Segundo Gustavo, outro ponto à favor da liberação é que esse tipo de autorização prévia se converte na prática como poder de veto. "Isso tem um efeito equiparável a uma censura. Não mais uma censura do Estado, mas uma censura privada. Liberdade de expressão assegura o livre pensamento de liberdade intelectual. Quem é livre não pode estar sujeito à autorização prévia de ninguém. Esse é um argumento que me parece muito poderoso."

Para o advogado, a publicação de biografias não atende apenas ao direito subjetivo do autor ou do produtor, mas atende também a um direito coletivo de toda a sociedade à informação. "As obras biográficas no mundo inteiro têm uma contribuição muito importante para o direito à memória. A biografia nada mais é do que contar uma história sob a ótica de um personagem."

Quem defende a liberação das obras não autorizadas também quer impedir que os biografados criem um monopólio do gênero. "Essas obras têm um espaço no mercado editorial como a voz dos protagonistas. O que se quer é criar um ambiente plural, diversificado."

Em entrevista ao site do jornal "Folha de S.Paulo", Gilmar Mendes, ministro do STF, afirmou que a tendência é de que o tribunal libere a publicação das biografias não autorizadas. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

UOL Jogos
EFE
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
AFP
Página Cinco
EFE
AFP
BBC
Página Cinco
UOL Jogos
UOL Jogos
Página Cinco
AFP
Página Cinco
do UOL
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
BBC
Página Cinco
AFP
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
do UOL
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
do UOL
Página Cinco
do UOL
do UOL
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
UOL Jogos
do UOL
AFP
BBC
BBC
Página Cinco
Página Cinco
Topo