Entretenimento

Conheça artistas que encaram o desafio de substituir estrelas de musicais

Luna D'Alama

Do UOL, em São Paulo

20/04/2015 06h00Atualizada em 21/04/2015 13h21

Para ver de perto os atores do musical “Mudança de Hábito”, em São Paulo, principalmente a protagonista Deloris Van Cartier, vivida pela atriz e cantora Karin Hils (ex-Rouge), muita gente paga até R$ 260 por uma cadeira na plateia premium aos finais de semana. Mas, na sexta-feira do dia 10 de abril, a atriz principal teve uma gripe e precisou ser substituída nas cinco apresentações seguintes, o que demandou a escalação da “segunda goleira”, a mineira Josi Lopes, 27 anos. “Quando teve o áudio avisando [a troca], no sábado (11), o público fez: ‘Aaaaaaaaaaah’. Aí pensei: ‘Ih, rapaz, e agora?’ Mas fiz com todo o amor e, no final do segundo ato, todo mundo bateu palma e saiu falando bem”, lembra a cover (nome técnico dos substitutos) de Karin.

Josi diz que entende a reação dos espectadores, pois ela mesma já passou por isso, no lugar da audiência: “Fui assistir ao musical da Elis querendo ver a Laila [Garin, atriz baiana que atualmente está na novela ‘Babilônia’] e, quando cheguei lá, era a outra moça [a paulistana Lílian Menezes]. Fiquei decepcionada, mas, no decorrer da peça, ela foi me ganhando pela história, pelo todo, e não me arrependi. Saí feliz e satisfeita”, revela.

Lílian fazia as sessões vespertinas nos dias em que “Elis, a Musical” tinha duas apresentações seguidas, entre o fim de 2013 e o início de 2015, e também assumiu o papel da protagonista quando Laila se ausentou por um mês e meio, em 2014, por conta de um problema de saúde que prejudicou sua voz. “Esse ‘Uuuuuuuh’ e os murmúrios do público nunca me incomodaram. Se eu fosse ao teatro para ver alguém e soubesse na hora que quem iria fazer era outra pessoa, possivelmente também ficaria com um pé atrás”, afirma Lílian, 37 anos.

Danilo de Moura

  • Caio Gallucci

    A galera reclamava muito [da ausência de Abravanel], falava alto: 'Paguei a maior grana', não para me atingir, claro. Uma vez minha sogra quase discutiu com um cara da plateia que disse: 'Quem é esse bosta aí?'

    Danilo de Moura, substituto de Tiago Abravanel em "Tim Maia"

Apesar disso, segundo ela, no intervalo entre os atos, o discurso da plateia já mudava completamente. “As pessoas falavam nos banheiros: ‘Se essa é a substituta, imagina a protagonista! Ela é surpreendente’”, recorda. Ao longo das várias apresentações, sobretudo no período em que a atriz e cantora paulistana – que cortou os cabelos para viver Elis, enquanto Laila usava peruca – comandou o espetáculo sozinha, Lílian foi formando um público cativo, só seu. “Muitos eram meus fãs, outros da Laila, do musical, da Elis, tinha de tudo”, destaca a artista, que nas segundas sessões de cada dia ainda integrava o elenco feminino de apoio, no qual fazia o coro e coreografias.

“Não existia a preocupação em cantar igual à Elis, mas em entender qual era a forma dela, para tentar se aproximar. Não cantar de forma idêntica. A voz da Laila é bem diferente da minha, ela tem uma grande potência, já eu tenho mais brilho. E as pessoas diziam ‘Nossa, ouvi a Elis cantar!' Essa é mágica do teatro”, avalia Lílian, que diz ser prima em quinto grau do neto de Elis, Arthur Bôscoli --seu pai é primo do pai da apresentadora Eliana, que teve um filho com João Marcelo Bôscoli, filho de Elis. Apesar do parentesco, eles não mantêm contato.

Principal-cover-principal

Às vezes, o artista principal vira cover – como foi o caso da atriz Josi Lopes, que viveu a leoa Nala, no musical “O Rei Leão”, e agora sente na pele o que sua substituta passava. Em outros casos, o cover também se torna protagonista. Foi assim com o ator e cantor paulistano Danilo de Moura, 32 anos, que assumiu o lugar de Tiago Abravanel no fim de 2012, quando o neto de Silvio Santos saiu de “Tim Maia – Vale Tudo, o Musical” para interpretar o turco Demir na novela “Salve Jorge”, de Glória Perez.

“Foi meu primeiro grande musical como personagem principal. Assumi um ano depois que o Tiago já estava em cartaz, precisei engordar 30 kg. E a galera reclamava muito [da ausência de Abravanel], falava alto: ‘Paguei a maior grana’, não para me atingir, claro. Uma vez minha sogra quase discutiu com um cara da plateia que disse: ‘Quem é esse bosta aí?’”, lembra, aos risos.

Mas Danilo se mostrou confiante com seu trabalho e costumava dizer para si: “Calma, relaxa, me deem duas cenas para eu mostrar o que sei fazer”. “Eu só pensava que tinha que arrebentar, não em ficar famoso. Mas tinha que dar o meu melhor, porque já começava com -10, senão nego ia me crucificar”, analisa o ator, que já conhecia bem o repertório de Tim Maia, mas passou a ouvi-lo 24 horas e descobriu coisas novas. “Passado o susto, veio a parte boa, um trabalho que me deu uma grande projeção”, ressalta o ator, que ficou em cartaz por mais de um ano, em São Paulo e no Rio, e ainda excursionou pelo país.

Letícia

  • Instagram/Divulgação

    Estou bastante ansiosa, são mais de 1.500 pessoas te olhando, é uma pressão muito louca. Mas não torço para ninguém ficar doente, não. Já substituí a Karin em alguns ensaios, quando ela foi para Nova York conhecer a Whoopi Goldberg

    Letícia Soares, substituta de Karin Hils em "Mudança de Hábito"

Mesmo depois de meses no lugar de Abravanel, Danilo ainda era confundido com ele. “Uma vez, uma mina em Belém falou: ‘Eu sabia que você ia ser assim, é lindo, perfeito, você canta, atua, mudou a minha vida, muito obrigada! Ah, e eu adoro o Silvio Santos!' Eu respondi: ‘O meu avô também’. Não sei se ela entendeu, só me abraçou, me beijou”, lembra o ator, que já morou com Abravanel no Rio, em 2009, quando os dois fizeram juntos o musical "Hairspray".

Para ganhar tanto peso, Danilo teve de pisar no acelerador e abandonar totalmente o controle da alimentação. “Comi freneticamente, era lasanha, cerveja, McDonald's, prato de arroz e feijão antes de dormir, parei de fazer exercícios. Antes estava todo fitness, com 90 kg, e cheguei aos 120 kg, em 1,75 m de altura", conta o ator, que já perdeu peso e hoje está com 107 kg. Além de musicais, que Danilo faz há dez anos, ele trabalha com música desde os 17 – canta na banda de soul Cia 1111, além de atuar na gravadora Casa 11 Records – e atualmente tem feito série de TV e cinema (gravou o longa “Fica Mais Escuro Antes de Amanhecer", do roteirista e diretor Thiago Luciano, que ainda não estreou; e neste mês começa a rodar a comédia “É Carnaval”, de Paulo Fontenelle).

O artista paulistano, que certa vez torceu o pé na coxia logo antes de uma apresentação de "Tim Maia" e não tinha ninguém para entrar em seu lugar, também critica o modo como os brasileiros ainda encaram o teatro. “A gente tem uma cultura no Brasil de só ver o que está bombando, o neto do Silvio Santos, o cara da novela. É normal pensar que, entre ver o Tiago Abravanel e um cara que eu não conheço, claro que vou escolher o Tiago. Mas uma hora isso vai mudar, espero que a galera vá pela peça, não só pelo elenco. Ator famoso dá bilheteria, mas tem tanta gente tão boa, tão preparada”, diz Danilo. E compara: “Na Broadway, é normal cada personagem ter três, quatro covers. Se o primeiro pega uma faringite, já não vai”.

Cover da cover

No caso do “Mudança de Hábito”, existe ainda uma “terceira goleira”, a atriz fluminense Letícia Soares, 32 anos, que ainda não estreou oficialmente na pele da protagonista Deloris Van Cartier, mas já sabe de cor todas as falas e marcações da personagem. “Estou bastante ansiosa, são mais de 1.500 pessoas te olhando, é uma pressão muito louca. Mas não torço para ninguém ficar doente, não. Já substituí a Karin em alguns ensaios, quando ela foi para Nova York conhecer a Whoopi Goldberg. E já foi bem assim: 'Uou', pois ela canta e fica no palco em 90% do tempo”, afirma Letícia, cujo estresse nos últimos meses também aumentou por conta de seu casamento, marcado para esta terça-feira (21) em sua cidade natal, Magé (RJ).

Além de ter a função de cover da protagonista, a atriz e a colega Josi Lopes assumem outras funções na peça. Josi faz parte do coro de freiras e ainda interpreta uma amiga de Deloris, chamada Michelle. Letícia, por sua vez, também integra o coro e está apta a interpretar Michelle quando Josi virar Deloris ou estiver ocupada fazendo “tracking” – seguir cada passo de Karin nas apresentações (a partir da coxia ou da plateia), como forma de preparação.

Aliás, todos os personagens do musical têm seus substitutos, e duas das atrizes – Giovanna Moreira e Raquel Paulin – ainda funcionam como “swing”, ou seja, são capazes de cobrir qualquer personagem feminino de “Mudança de Hábito”, com exceção da protagonista, que é negra (as duas são brancas). Isso significa que elas precisam ter na ponta da língua todos os diálogos, canções e coreografias do musical, que tem duas horas de duração. Letícia mesmo já atuou como "swing", mas em “O Rei Leão”.

Josi Lopes

  • Instagram/Divulgação

    Quando teve o áudio avisando [a troca], o público fez: 'Aaaaaaaaaaah'. Aí pensei: 'Ih, rapaz, e agora?' Mas fiz com todo o amor e, no final do segundo ato, todo o mundo bateu palma e saiu falando bem

    Josi Lopes, substituta de Karin Hils em "Mudança de Hábito"

“As pessoas podem até fazer ‘ah!’ no começo, porque foram para ver a Karin, mas no final o ‘ah!’ é de admiração, ninguém fica devendo, e cada uma faz a sua própria Deloris. Esse, aliás, foi um pedido da própria Whoopi, de ninguém imitar ninguém. E isso até seria impossível, porque somos três mulheres diferentes fisicamente – eu sou mais baixa e tenho bundão, a Josi é alta e magra, a Karin é mais malhada – e também vocalmente”, diz Letícia. Segundo ela, desde o primeiro ensaio, a diretora Fernanda Chamma já deixou claro que não queria duas cópias de Karin Hils, mas três Deloris, com suas marcas próprias e jeitos de falar (Karin é carioca, Josi é mineira, e Letícia, do interior do Rio).

O desafio delas, porém, é manter sempre o padrão de qualidade da Broadway. "O nosso elenco á praticamente todo de covers. E a qualidade não muda, independentemente da pessoa que estiver fazendo. A gente está trabalhando para entregar uma coisa bem feita, com harmonia", afirma Josi. Inspirada numa frase que ouviu certa vez, Letícia completa: "Espero que a plateia se apaixone pela gente, seja na primeira cena ou só no final, mas em algum momento a nossa arte vai tocar o público".

Formada em assistência social, a atriz fluminense teve uma guinada na carreira em “O Rei Leão”, após ter sido aprovada em seu quarto teste de elenco para o musical. Além disso, ela se dedica à música, em estilos como choro, samba e jazz. A colega Josi Lopes também canta, e planeja para junho o lançamento de seu primeiro EP, "Espelho", com quatro canções. Sua praia são os estilos MPB, música contemporânea e afropop. E, em cena, ela tem cantado cada vez mais: “A Nala entrava no segundo ato e tinha apenas dois solos. Agora são 11 músicas, aumentou muito a minha disponibilidade de palco e voz”, compara.

As duas covers de Karin ainda ensaiam em casa, estudam bastante o texto e as movimentações. Tanta dedicação e tensão com a estreia no papel principal deixaram Josi “só o pó” após as cinco apresentações, na segunda-feira, 13 de abril. “Quando relaxei, vi o tanto que o meu corpo estava dolorido”, conta. Mas valeu a pena, segundo a atriz escreveu em sua conta no Instagram, no dia 10: “Ainda estou em êxtase!!!! Foi um dia de muitas emoções. Este mês todo, inclusive. GRATIDÃO!!! (…) Substituir Karin Hills em um espetáculo nunca passou por minha cabeça, fazer a Whoopi Golberg, menos ainda... Tô feliz!!!! Muita responsa”.

Além disso, Josi ressalta a importância dos protagonistas negros em musicais. "A gente sabe da responsabilidade que é, mais ainda aqui no Brasil. Isso já começou com 'O Rei Leão', que tinha todo o elenco negro, com bons profissionais", destaca.

Serviço:
Musical "Mudança de Hábito"

Quando: Quintas e sextas, às 21h, sábados, às 17h e 21h, e domingos, às 16h e 20h
Onde: Teatro Renault (Av. Brigadeiro Luís Antônio, 411 – Bela Vista, São Paulo)
Quanto: De R$ 25 (meia) a R$ 260 (inteira)

Quintas, às 21h
Plateia Premium: R$ 240 (inteira) e R$ 120 (meia)
Camarote: R$ 200 (inteira) e R$ 100 (meia)
Visão Parcial Balcão B: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia)
Camarote / ZZ: R$ 200 (inteira) e R$ 100 (meia)
Plateia A: R$ 200 (inteira) e R$ 100 (meia)
Plateia B: R$ 170 (inteira) e R$ 85 (meia)
Balcão A: R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia)
Balcão B: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia)

Sextas às 21h / Sábados às 17h e 21h / Domingos às 16h e 20h
Setor Premium: R$ 260 (inteira) e R$ 130 (meia)
Camarote: 220 (inteira) e R$ 110 (meia)
Visão Parcial Balcão B: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia)
Camarote / ZZ: R$ 220 (inteira) e R$ 110 (meia)
Plateia A:  R$ 220 (inteira) e R$ 110 (meia)
Plateia B:  R$ 190 (inteira) e R$ 95 (meia)
Balcão A: R$ 110 (inteira) e R$ 55 (meia)
Balcão B: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia)

Pontos de venda:
- Bilheteria oficial (sem taxa): Diariamente, 12h às 20h (em dias de espetáculo, a bilheteria funciona até o início da apresentação)
- Internet: www.ticketsforfun.com.br
- Call-center: 4003 5588
Pontos de venda neste link
Capacidade: 1.530 lugares
Assentos: O teatro conta com 16 assentos para deficientes físicos e 11 para pessoas obesas
Classificação etária indicativa: Livre. Menores de 12 anos: permitida a entrada (acompanhados dos pais ou responsáveis legais)
Estacionamento: O teatro não possui estacionamento próprio

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo