Livros e HQs

Francês Patrick Modiano é o vencedor do Prêmio Nobel de Literatura

Jacques Sassier/Divulgação
O escritor francês Patrick Modiano, vencedor do Prêmio Nobel de Literatura 2014 Imagem: Jacques Sassier/Divulgação

Do UOL, em São Paulo*

09/10/2014 08h03

O escritor francês Patrick Modiano, 69 anos, é o vencedor do Prêmio Nobel de Literatura de 2014. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (9), em Estocolmo, às 8h (horário de Brasília). Além do título, o escritor ganha também 8 milhões de coroas suecas (US$ 1,1 milhão). Neste ano, a lista contou com 210 indicados, sendo 36 estreantes.

Modiano é considerado o principal escritor francês da atualidade. Paris é um tema recorrente em suas obras. Por ele refletir sobre ruas, pessoas e outros aspectos da capital francesa, críticos dizem que ele está para Paris como Woody Allen está para Nova York. O secretário-permanente da Academia Sueca, Peter Englund, indicou ante a televisão pública SVT que a instituição não conseguiu contactar o vencedor antes do anúncio.

O nobel foi concedido em face "da arte da memória com a qual ele tem evocado o mais insondável dos destinos humanos e revelou a vida-mundo (do período) da ocupação", disse a Academia. O último francês a ganhar o Nobel de Literatura foi Jean-Marie Gustave Le Clézio, em 2008.

Peter Englund, secretário permanente da Academia Sueca, afirmou que Modiano é um nome bem conhecido na França, mas não em todo lugar. Ele escreve livros infantis, roteiros de cinema, mas principalmente romances. Seus temas são memória, identidade e tempo.

O autor teve alguns de seus livros publicados no Brasil, entre eles "Dora Bruder", "Uma Rua de Roma", "Ronda da Noite", "Vila Triste", "Meninos Valentes", "Filomena Firmeza" e "Do Mais Longe ao Esquecimento".

Reflexão sobre a memória

Sua obra mais conhecida, "Uma Rua de Roma" ("Rue des Boutiques Obscures", no título original), vencedor do prêmio Goncourt em 1978, conta a história de um detetive que perdeu a memória e seu caso final é descobrir quem ele realmente é. "É um livro divertido, que brinca com o gênero policial, ao mesmo tempo que diz coisas fundamentais sobre a memória e o tempo. Como uma pessoa preocupada com a memória, o que todos nós somos, ele é tomado pelas tentativas de voltar no tempo, e você pode se identificar com isso, além de sua maneira muito original de fazer isso", disse Englund.

O escritor francês Patrick Modiano não figurava nas listas de apostas de críticos para o Prêmio, que até então mantinha o queniano Ngugi wa Thiong'o, o japonês Haruki Murakami e a bielorrussa Svetlana Aleksijevitj entre os favoritos.

Modiano nasceu um subúrbio a oeste de Paris, dois meses depois do fim da Segunda Guerra Mundial, em julho de 1945. Seu pai era de origem italiana judaica e conheceu sua mãe, uma atriz belga, durante a ocupação de Paris. Os efeitos da ocupação nazista na França também são tema frequente em suas obras.

Entre os candidatos frequentemente mencionados que ainda estão na espera, então o escritor tcheco Milan Kundrea, o escritor albaniano Ismail Kadare, o romancista argelino Assia Djebar e o poeta sul-coreano Ko Un. Outros críticos ainda sugeriram os israelenses Amos Oz e David Grossman, assim como os americano Richard Ford e Philip Roth. Em 2013, o Nobel premiou a escritora Alice Munro, que se concentra nas fraquezas da condição humana, também conhecida como a "Chekhov canadense".

O prêmio de Literatura foi o quarto Nobel a ser concedido este ano. A premiação recebe o nome do inventor da dinamite Alfred Nobel e é entregue desde 1901 por feitos em ciência, literatura e paz, de acordo com seu testamento.

Divulgação
Selo que a Academia Sueca criou para Patrick Modiano, vencedor do Prêmio Nobel de Literatura em 2014 Imagem: Divulgação
Abaixo, veja os vencedores do Nobel de Literatura dos últimos anos:

2013: Alice Munro (Canadá)
2012: Mo Yan (China)
2011: Tomas Tranströmer (Suécia)
2010: Mario Vargas Llosa (Peru)
2009: Herta Müller (Romênia)
2008: Jean-Marie Gustave Le Clézio (França)
2007: Doris Lessing (Reino Unido)
2006: Orhan Pamuk (Turquia)
2005: Harold Pinter (Reino Unido)
2004: Elfriede Jelinek (Áustria)
2003: John Coetzee (África do Sul) 

Com informações da Reuters*

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

AFP
Da Redação
Página Cinco
EFE
do UOL
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Da Redação
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
UOL Jogos
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
UOL Jogos
Da Redação
do UOL
Página Cinco
UOL Entretenimento - Imagens
Página Cinco
EFE
Página Cinco
Blog do Barcinski
Página Cinco
UOL Jogos
Página Cinco
do UOL
Página Cinco
do UOL
Da Redação
Página Cinco
AFP
do UOL
Página Cinco
Da Redação
EFE
Página Cinco
Da Redação
Blog do Barcinski
Página Cinco
Reuters
Da Redação
BBC
Topo