Entretenimento

Quinze anos depois da estreia no Festival de Curitiba, Guta Stresser volta a apresentar "O Casamento", com mesmo elenco

Divulgação
Guta Stresser (à esq.) na montagem de "O Casamento" de 2012, no Festival de Curitiba (30/3/12) Imagem: Divulgação

Rodrigo Monteiro

Do UOL, em Curitiba

31/03/2012 13h14

O Teatro Guaíra é chamado de Guairão por causa do tamanho. Lá dentro cabem 2.167 pessoas e ontem estava cheio. Era o público curitibano se preparando para assistir a “O Casamento”, peça que foi produzida especialmente para participar do 21º Festival de Curitiba. “Eles estrearam no Teatro Ópera de Arame em 1997. A Guta [Stresser ] e todos eles eram iniciantes, tinham medo do palco e do público. Foi quando eu conheci o Antônio Abujamra, que dirigiu a peça junto com o João Fonseca”, lembra Diva Labatut, mãe da atriz paranaense Guta Stresser (a Bebel, de “A Grande Família”).

Eram 21h25 quando a peça começou. Com três andares de plateias, pessoas de todas as idades procuravam os seus assentos no imenso teatro. “Eu vi o nome do grupo, 'Os Fodidos Privilegiados', no programa do Festival e me interessei,” conta a estudante de farmácia Cláudia Skowronski. No ano passado, o grupo completou 21 anos de união. A peça “Escravas do Amor”, que também participa dessa edição do festival, é deles.

“A gente viu ontem 'As Escravas do Amor' e voltamos hoje para ver 'O Casamento'. As duas são do Nelson Rodrigues,” informa o médico Rene Avelleda. As duas produções fazem parte das comemorações dos 100 anos de Nelson Rodrigues. “Tudo o que 'As Escravas' tem de comportado, 'O Casamento' tem de obsceno. 'O Casamento' talvez seja a história que mais concentra todos os ingredientes que tornaram a obra rodrigueana conhecida. É uma grande loucura e choca muito até hoje. Já 'As Escravas' é o oposto disso. O máximo que acontece é um beijo – e absolutamente romântico e bem comportado", adianta João Fonseca, diretor dos dois espetáculos.

O cenário de Nello Marrese parece deixar o palco do Guairão ainda maior. Um carpete vermelho cobre todo o chão e há apenas cadeiras brancas com estofamento vermelho. Na ribalta, há arranjos de flores com tule branco, bem como nas decorações de festas de casamento. Todos os atores vestem fraque com flor na lapela ou vestidos de noiva. A história é a seguinte: na véspera do casamento da filha Glorinha (Guta Stresser), o pai Sabino (João Fonseca) descobre que o seu futuro genro é gay. Indeciso sobre o que fazer, ele passa o dia sem trabalhar, só pensando. A situação é ponto de partida para várias questões que ainda hoje são discutidas: a homossexualidade, o incesto, o aborto, a infidelidade, entre outras. “O Casamento” foi o último romance escrito por Nelson Rodrigues (1912-1980) e foi publicado em 1966.

A montagem atual conserva quase o mesmo elenco da de 15 anos atrás. Nello Marrese interpretou o mesmo personagem que na primeira montagem: “Eu estava há 8 anos sem pisar no palco como ator. De repente, me vi beijando a Dani (Barros) e a Guta (Stresser) que hoje são duas grandes atrizes do teatro brasileiro. Foi muita emoção!”

  • Folhapress

    A atriz Guta Stresser (à dir.) durante apresentação da peça "O Casamento" dirigida por Antonio Abujamra e apresentada no teatro Ópera de Arame (24/3/97)

Na saída, a mãe de Guta espera a filha. “Hoje eles engoliram o palco, engoliram o público. Foi muito melhor do que na primeira vez, mas você viu como o público ainda se assusta?”, pergunta. “O fôlego não é o mais o mesmo, mas a amizade com esse grupo ainda é. Eu estreei nesse teatro, dançando balé quando ainda era menina. Estar aqui, nesse palco, nessa cidade é sempre muito forte pra mim. Mais ainda vivendo a Glorinha de novo. Foi por causa dela que várias pessoas importantes do teatro brasileiro me viram, e isso gerou outros convites importantes até chegar à 'Grande Família', que me projetou nacionalmente”, conta Guta, que se sente “em casa” com os Fodidos Privilegiados.

“Aqui é Nelson Rodrigues na elevada potência”, avalia João Fonseca, que ganhou Prêmio Shell por “O Casamento”, primeiro espetáculo que ele dirigiu. Vencedora do Prêmio Shell e do Prêmio APTR de melhor atriz de 2011, Dani Barros está no elenco. “Foi uma festa, um encontro. A gente era muito jovem quando fez da outra vez e isso me lembra uma frase do Nelson Rodrigues que diz assim: 'Jovens, envelheçam'”, comenta a atriz, que estará na próxima semana com o monólogo pelo qual foi premiada no último mês, “Estamira – a Beira do Mundo”.

No plateia, estava a atriz Zezé Polessa. “Quando a gente faz teatro, é difícil tirar um tempinho para ver o que os colegas fazem. Estou muito feliz. Às vezes, você vê uma peça que melhora o texto ou textos tão bons com montagens nem tanto. Aqui a gente vê um empate, uma montagem a altura do grande Nelson Rodrigues.”

De repente, vemos quatro garotas subindo no palco já vazio e pegando os buquês de flores jogados para o alto no fim da peça. “Ei, meninas! Amanhã tem outra apresentação da peça! Voltem e peguem os buquês amanhã!”, pede Zezé.

De fato, hoje é a última apresentação de “O Casamento” no 21º Festival de Curitiba. Não dá pra perder!


"O Casamento"
Comédia
30 e 31 de março às 21h
Local: Guairão
Preço: R$ 25 e R$ 50
Veja no site: http://www.festivaldecuritiba.com.br/

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo