Entretenimento

Ausência de Alice Munro e homenagem a Mandela marcam entrega do Nobel

Frank Augstein/AP Photo
Jenny Munro, filha da escritora canadense Alice Munro, recebe em nome da mãe o Prêmio Nobel de Literatura 2013, das mãos do rei Carl Gustaf 16º da Suécia Imagem: Frank Augstein/AP Photo

Carmen Rodríguez.

De Estocolmo (Suécia)

10/12/2013 18h03Atualizada em 10/12/2013 19h39

A cerimônia de entrega dos Prêmios Nobel reconheceu nesta terça-feira (10) a canadense Alice Munro, ganhadora do prêmio de Literatura, com o aplauso mais caloroso, e lembrou a figura de Nelson Mandela em um evento presidido pelo rei Carl Gustav 16º e pela rainha Silvia da Suécia.

No começo da cerimônia, o presidente da Fundação Nobel, Carl-Henrik Heldin, enviou uma "calorosa saudação" a Munro, que não viajou para Estocolmo por motivos de saúde e cujo prêmio foi recebido por uma de suas filhas, Jenny.

Da mesma forma, Mandela, ganhador do Nobel da Paz em 1993, também foi lembrado por sua luta pela liberdade, a democracia e o humanismo.

As lembranças aos ausentes deram calor a uma cerimônia que teve seu momento mais emotivo quando Jenny Munro recebeu o prêmio das mãos do rei, que a cumprimentou durante mais tempo que a qualquer outro premiado.

Mas, antes da entrega dos prêmios, Heldin fez um discurso no qual lançou uma mensagem em favor da pesquisa e cooperação internacional para solucionar os "grandes desafios" da humanidade.

A princesa herdeira Vitória não participou da cerimônia, já que estava em Johannesburgo no funeral de Mandela. Contudo, estiveram presentes os príncipes Daniel, marido de Vitória, e Carlos Filipe, assim como 1.570 convidados.

Heldin lembrou que ainda há pessoas que morrem de fome, que o aquecimento global é "preocupante" e que há "consideráveis turbulências" nos mercados econômicos, cuja solução requer "uma melhor organização e governança da sociedade" e uma distribuição "mais justa" dos recursos da Terra, mas onde a pesquisa é também "de suma importância".

Além disso, os desafios globais são melhor encarados "através da cooperação internacional", e lembrou que a ciência e os cientistas "não conhecem fronteiras nacionais"; por isso, Alfred Nobel decidiu que os prêmios que levam seu nome fossem concedidos a quem o merecesse "sem levar em conta sua nacionalidade".

"Esta não foi uma escolha fácil no final do século 19, o qual, como em nosso tempo, esteve caracterizado pelo nacionalismo e pela xenofobia".

Mas os grandes protagonistas da cerimônia foram os agraciados, especialmente Alice Munro, que com seus relatos esteve perto de solucionar "o maior mistério" de nossa existência material: "O coração humano e seus caprichos", disse o secretário permanente da Academia Sueca, Peter Englund.

"Mestra do conto curto contemporâneo", Munro é capaz de dizer "em 30 páginas mais que um romancista normal em 300", com um estilo "claro, transparente, delicado e surpreendentemente preciso".

Outros premiados

Os demais premiados estiveram no palco e receberam das mãos do monarca o prêmio, após o que, como manda o protocolo, fizeram uma reverência ao rei, outra aos acadêmicos e outra ao público.

O prêmio consiste em uma medalha, um diploma e 8 milhões de coroas suecas (cerca de R$ 3 milhões, distribuídos entre os agraciados de uma mesma categoria).

Os primeiros agraciados foram os físicos Peter Higgs e François Englert - este ano também Prêmio Príncipe de Astúrias - por terem teorizado sobre a existência do Bóson de Higgs, "um fantástico triunfo para a ciência".

O presidente do Comitê Nobel para Física, Lars Brink, lembrou ainda a morte de Robert Brout, que trabalho com Englert, e o Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN), que demonstrou a existência do bóson em julho de 2012.

Martin Karplus, Michael Levitt e Arieh Warshel receberam o prêmio de Química pelo "desenvolvimento de modelos multiescala para sistemas químicos complexos revolucionado muitos ramos da química".

A Medicina premiou James E. Rothman, Randy Schekman e Thomas Südhof por "ter resolvido um dos grandes mistérios da fisiologia celular": a maquinaria que regula o tráfego vesicular, que um sistema de transporte essência em nossas células.

Eugene Fama, Lars Peter Hansen e Robert Shiller receberam o Nobel de Economia por suas "análises empíricas dos preços dos ativos", sem as quais "seria impossível avaliar os mercados financeiros de maneira científica".

A cerimônia contou com interlúdios musicais de Mozart, Jean Sibelius, Frederick Loewe e Benjamin Britten. O hino nacional sueco marcou o final do ato.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Entretenimento

Topo