Entretenimento

Família judaica reivindica restituição de "Friso de Beethoven", de Klimt

Heinz-Peter Bader/Reuters
Visitantes observam o "Friso de Bethoven", de Klimt, em Viena Imagem: Heinz-Peter Bader/Reuters

16/10/2013 11h31

Os herdeiros de uma família judaica saqueada pelos nazistas na Áustria reivindicam ao Ministério de Cultura a restituição do famoso "Friso de Beethoven", de Gustav Klimt, ao considerar que, após sua devolução em 1973, o Estado adquiriu de novo a obra por um preço abaixo do marcado e sob fortes pressões.

A solicitação da restituição foi entregue nesta terça-feira (15) ao Ministério de Cultura da Áustria, informou nesta quarta à Agência Efe Marc Weber, o advogado suíço que representa uma parte dos herdeiros da família Lederer.

O "Friso de Beethoven", exposto na Secession de Viena, foi desapropriado da família judaica em 1938, após a anexação da Áustria pela Alemanha nazista.

Após a Segunda Guerra Mundial, o Estado austríaco devolveu a obra a Erich Lederer, o herdeiro da família, mas proibiu o mesmo de tirá-la do país, assim como o restante das obras da coleção, se amparando na legislação da época.

No entanto, o governo austríaco permitiu a saída das obras, mas somente se Lederer vendesse o "Friso" a um preço de US$ 750 mil, um valor muito abaixo do mercado.

"O Estado lhe obrigou a vender a obra por um preço muito baixo. Na ocasião, ele não tinha outra possibilidade", argumentou Weber, quem indicou que manobra do governo austríaco foi como uma espécie de extorsão.

O proprietário, que passava por sérios problemas financeiros, concordou com a venda, e o "Friso" acabou ficando na Áustria, onde foi restaurado posteriormente.

Apesar de antiga, a disputa em questão veio à tona ainda em 2009, quando uma reforma legal abriu espaço para restituição de obras cuja aquisição pelo Estado esteve relacionada com a lei de veto à exportação.

"Antes não teria sido possível solicitar a devolução porque a lei foi modificada em 2009. Averiguamos durante anos essa questão, assim como a história da família. No final, concluímos que, com a nova legislação, a restituição do 'Friso de Beethoven' era viável", indicou o advogado.

Agora, uma comissão encarregada de analisar as solicitações de restituições das obras de arte terá que examinar o caso e formular uma recomendação ao Ministério de Cultura.

Segundo Weber, a família ainda não decidiu se, em caso de devolução, o "Friso" será novamente vendido à Áustria sob novas condições ou se será retirado do país.

Por sua parte, o Ministério de Cultura da Áustria indicou à Efe que ainda não tem formulado essa solicitação de restauração de maneira oficial e que só conhece o assunto através da imprensa local.

"Não recebemos nenhum escrito. Normalmente, os solicitantes (a família) têm que argumentar a solicitação", explicou Raimund Lang, porta-voz do Ministério.

Lang assegurou não poder facilitar mais informações por não conhecer os fundamentos da demanda reivindicação e explicou que o caso será estudado com normalidade pelo conselho responsável destes casos em sua próxima reunião.

Nesse sentido, o porta-voz negou que se trate de um caso especial, pelo fato da obra ser tão conhecida, e assegurou que todos os pedidos são tratados com o mesmo profissionalismo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo