Livros e HQs

"Queria saber as razões pelas quais me escolheram", diz Nobel de Literatura

Da AFP, em Paris

09/10/2014 12h29

O romancista francês Patrick Modiano declarou nesta quinta-feira (9) que parecia "um pouco irreal" ter recebido o Nobel de Literatura. Ele disse que gostaria de saber as razões pelas quais recebeu o prêmio e o dedicou ao seu pequeno neto sueco. 

"Parece-me um pouco irreal estar diante de gente que admirei", disse Modiano, em referência a outros grandes escritores franceses que já receberam o prêmio, como Albert Camus. "Foi como uma espécie de desdobramento com alguém que tinha o mesmo nome que eu. Tudo isso foi um pouco abstrato", comentou o premiado, falando à imprensa com o estilo hesitante que o caracteriza na expressão oral.

"Vi que estava [na lista de candidatos], mas não esperava", disse. "Gostaria de saber como explicaram essa escolha. Queria saber quais são as razões pelas quais me escolheram", comentou o escritor de 69 anos, autor de mais de 30 romances cheios de mistério e melancolia. "Meu neto é sueco, dedico a ele este prêmio porque é seu país", acrescentou após o anúncio do Nobel em Estocolmo.

Mais cedo, a editora do escritor afirmou que ele havia se declarado muito feliz com a distinção. "Telefonei para Modiano. Eu o parabenizei e ele, com sua habitual modéstia, disse: 'É estranho'. Mas estava muito feliz", contou Antoine Gallimard, presidente da editora Gallimard. "Para nós, é uma profunda surpresa e um dia maravilhoso", acrescentou ela.

O presidente francês François Hollande também felicitou Modiano através do Twitter. "Felicitações a Patrick Modiano. Este prêmio Nobel consagra uma obra que explora as sutilezas da memória e a complexidade da identidade", afirmou o chefe de Estado.

Razões da premiação

Modiano é autor de romances que se concentram em temas como a culpa, a memória e o sofrimento de um país sob a ocupação nazista. O prêmio foi concedido ao autor "pela arte da memória com a qual evocou os destinos humanos mais inatingíveis e revelou o mundo da ocupação" nazista da França (1940-1944), anunciou a Academia Sueca em um comunicado.

Ele situou toda a sua obra na Paris da Segunda Guerra Mundial, descrevendo os acontecimentos daquela época através de personagens comuns. Seu estilo sóbrio e claro fez dele um escritor acessível apreciado pelo grande.

O autor teve alguns de seus livros publicados no Brasil, entre eles "Dora Bruder", "Uma Rua de Roma", "Ronda da Noite", "Vila Triste", "Meninos Valentes", "Filomena Firmeza" e "Do Mais Longe ao Esquecimento".

Modiano francês não figurava nas listas de apostas de críticos para o Prêmio, que até então mantinha o queniano Ngugi wa Thiong'o, o japonês Haruki Murakami e a bielorrussa Svetlana Aleksijevitj entre os favoritos.

Além do título, ele  ganha também 8 milhões de coroas suecas (US$ 1,1 milhão). Neste ano, a lista contou com 210 indicados, sendo 36 estreantes.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Da Redação
Página Cinco
EFE
do UOL
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Da Redação
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
UOL Jogos
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
UOL Jogos
Da Redação
do UOL
Página Cinco
UOL Entretenimento - Imagens
Página Cinco
EFE
Página Cinco
Blog do Barcinski
Página Cinco
UOL Jogos
Página Cinco
do UOL
Página Cinco
do UOL
Da Redação
Página Cinco
AFP
do UOL
Página Cinco
Da Redação
EFE
Página Cinco
Da Redação
Blog do Barcinski
Página Cinco
Reuters
Da Redação
BBC
Página Cinco
Topo