Mais informação com menos tempo de leitura
Topo

Coluna

Adriana de Barros


Garotos Podres 'agradece' governo por resgatar anti-hit punk Vou Fazer Cocô

Com Mao nos vocais, Garotos Podres faz show no domingo em São Paulo - Raquel Camargo
Com Mao nos vocais, Garotos Podres faz show no domingo em São Paulo Imagem: Raquel Camargo
Adriana de Barros

Adriana trabalha no UOL desde 2000, passou pelas rádios Mix FM, 97Rock e pela gravadora Sony Music.

04/10/2019 07h00

Com Mao, no lugar de onde nunca deveria ter saído, o Garotos Podres se apresenta neste domingo (6) no Fabrique Club, em São Paulo. Na mesma noite ainda se apresentam Flicts e Faca Preta.

Pioneira do punk paulista, o Garotos Podres enfrentou na justiça briga pelo nome depois de um racha entre os integrantes por questões político-ideológicas.

Formada nos meados dos anos 1980, os veteranos alcançaram projeção nacional com o disco "Mais Podres do que Nunca" (1985), lançado em plena ditadura militar. Músicas como "Papai Noel, Velho Batuta", "Vou Fazer Cocô" e "Anarquia Oi" popularizaram a banda, que passou ser conhecida pelo Brasil. Em 1993, com o lançamento de "Canções para Ninar", eles realizaram shows na Europa e Estados Unidos.

A coluna procurou o vocalista Mao para falar sobre o álbum de estreia, lançado há mais de três décadas. Professor de história universitário, ele escolheu um som que representa o momento atual do país e explicou como está a questão judicial que envolve a banda. Leia abaixo.

Adriana de Barros: Trinta anos depois, esse disco dá impressão de que acabou de ser lançado. Na época em que foi produzido você imaginava que essas músicas teriam sentido até hoje?
Mao: Nós dos Garotos Podres surgimos em 1982 dentro do contexto da resistência contra a ditadura militar. Paradigmaticamente tivemos a nossa primeira apresentação pública num festival beneficente ao fundo de greve do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em 1983. Vivemos todo o período de ascensão dos movimentos sociais da década de 1980. Jamais acreditaríamos que passaríamos a viver o tamanho retrocesso político e social que estamos vivendo hoje.

Neste sentido, percebemos que não fomos superados. Infelizmente. Sentimos que as músicas que escrevemos há mais de 30 anos, continuam atuais. Infelizmente, repito.

Confessamos que muito gostaríamos de ter sido ultrapassados pela história. Sempre sonhamos com isso. Adoraríamos estar vivendo sob um regime de democracia plena, onde os direitos dos trabalhadores e das minorias fossem respeitados.

Onde não houvesse milhões de trabalhadores desempregados e outros tantos milhões padecendo na miséria da informalidade. Mas infelizmente a realidade não é assim.

Hoje novamente vivemos em uma ditadura, implementada pelos golpes de 2016 e 2018. Em 2016 deram um golpe de estado que derrubou um governo democraticamente eleito, e em 2018 prenderam o presidente Lula para garantir a vitória do ditador "Bozo".

Nesta atual ditadura os trabalhadores são novamente massacrados pela perda de direitos sociais, trabalhistas e previdenciários, e as riquezas do povo brasileiro são entregues ao imperialismo estadunidense por um ditador que não esconde o seu submisso papel, ao publicamente saudar a pestilenta bandeira dos EUA e ainda declamar todo o seu amor patriota ao declamar "i love you" ao bestial ditador do império.

Em outras palavras. Infelizmente nossas músicas continuam atuais. E esperemos que inspirem o sentimento que impulsiona a vontade de resistir contra a tirania que se abateu sobre o povo brasileiro.

Qual música do primeiro disco do Garotos, "Mais Podres do que Nunca" (1985), você acha que mais representa o momento político atual? Por que?
Fatos recentes transformaram uma de nossas músicas de nosso álbum "Mais Podres do que Nunca", lançado há mais de 34 anos atrás, numa espécie de "hit" do momento! ... o ditador Bozo, ao fazer inúmeras referências escatológicas, revelando todo o interior de sua alma e aquilo que ele tem em sua avantajada cabeça, ele resgatou uma de nossas mais antigas e inocentes musiquinhas! ... a famosa "Vou Fazer Cocô"... kkkkkkk

Dá pra adiantar algo do setlist do show do domingo?
Faremos um apanhado geral das principais músicas que marcaram os 37 anos de nossa carreira musical. Uma espécie de "os piores momentos" dos Garotos Podres. rs

Acabou definitivamente a briga pela marca Garotos Podres?
Infelizmente é muito comum as bandas mudarem de formação. No caso dos Garotos Podres, podemos até dizer que tivemos a sorte de termos uma certa estabilidade em termos de formação.

Entretanto, em 2012, ocorreu algo muito grave, e a banda "rachou em duas". Eu (Mao) e o guitarrista (Cacá Saffiotti) fomos para um lado, e o baixista e baterista para outro. Eu o o Cacá Saffiotti pretendíamos dar continuidade aos Garotos Podres. Isto nos parecia absolutamente legítimo, já que eu era o fundador da banda, além de autor e compositor da maioria das letras e músicas.

Entretanto, em 2013, os ex-baixista e ex-baterista, associados ao nosso antigo empresário, montaram uma banda e tentaram se apossar do nome Garotos Podres. Para evitar que houvesse duas bandas com o mesmo nome, criamos um nome provisório enquanto a situação não se resolvesse. Nascia assim "O Satânico Dr. Mao e os Espiões Secretos", a "identidade secreta" dos Garotos Podres.

Por trás deste "racha" estava a intenção destes ex-integrantes em dar uma "orientação" política diversa da que os Garotos Podres tinham desde a sua formação. Neste sentido é paradigmático o fato do ex-baixista - Michel Stamatopoulos - ter lançado a sua candidatura a vereador pelo PEN em 2016. Vale destacar que o PEN é um partido de direita, na época ligado ao Jair Bolsonaro, e que acabou lançado a candidatura do Cabo Daciolo em 2018.

Seja como for, o importante é que o "projeto" musical deles não teve continuidade, como prevíamos. Ainda em 2014, eles encerraram as suas atividades.

A partir de 2016 fomos retomando, aos poucos, o nome Garotos Podres. E em 2017 todos os serviços de inteligência do ocidente capitalista ficaram perplexos quando descobriram que, o "Mao", do "O Satânico Dr. Mao e os Espiões Secretos" era o mesmo "Mao" dos "Garotos Podres". É realmente incrível como conseguimos enganar a todos eles! ... eles nem desconfiavam que aquele pacato grupo de inofensivos terroristas nucleares comunistas norte-coreanos - O Satânico Dr. Mao e os Espiões Secretos - eram na verdade os temíveis, pavorosos e malignos "Garotos Podres" ... kkkkkkk

Brincadeira a parte, o importante é salientar que até hoje, os antigos baixista e baterista brigam na justiça para se apossar do nome "Garotos Podres", mesmo depois deles terem encerrado as suas atividades há mais de cinco anos.

Pretendem lançar algum trabalho inédito?
Em breve estaremos lançaremos alguns singles para distribuição gratuita nas plataformas digitais! ... aguardem ... surpresas em breve!!

Mais Adriana de Barros