PUBLICIDADE
Topo

Amiga de Pabllo Vittar, Urias lança amanhã a música "Diaba", primeira do EP

Capa de "Diaba", primeira faixa do EP de estreia - Divulgação
Capa de "Diaba", primeira faixa do EP de estreia Imagem: Divulgação
Adriana de Barros

Colunista de Música do UOL, onde atuou 20 anos na área de Entretenimento, com coordenação de coberturas em grandes festivais e do Carnaval. É curadora do edital 2020 Natura Musical e integrou o Superjúri 2019 do Prêmio Multishow. Eleita uma das cinco melhores jornalistas musicais do Brasil pelo WME Awards by Music2. Apresentadora do podcast Fala Zé na rádio Energia 97 ao lado de Zé Antônio Constantino e Hélio Cosmo Leite.

19/08/2019 15h17

"Muito prazer, eu sou o oitavo pecado capital", diz o primeiro verso da faixa "Diaba", que a cantora Urias lança amanhã (20).

Composta pela cantora, em parceria com Hodari, Gorky, Maffalda e Zebu, a música é primeira faixa do EP que será lançado ainda este ano pelo selo Altafonte.

A mensagem é sobre medo do mundo e da violência que a mulher trans é exposta. Urias quis amedrontar de volta quem te fazia mal.

"Quis me empoderar do fato de que meu corpo é visto como a pior coisa que uma pessoa possa ser. Já que grande parte da sociedade me vê como uma coisa ruim, decidi ser a pior das coisas, a própria encarnação do mal com minha música", desabafa a cantora, que participou do mais recente álbum da amiga Pabllo Vittar na faixa "Ouro".

Junto com a canção chega o clipe dirigido por João Monteiro.

"Estou muito orgulhosa, e sinceramente até surpresa com o trabalho que desenvolvemos com esse primeiro single e com o EP inteiro. Deixando a modéstia de lado acredito que com esse primeiro álbum consigo mostrar uma pequena parcela do que sou capaz e de onde quero, posso e vou chegar", promete.

As referências da cantora estão principalmente no rap e no R&B, mas as divas pop também têm um grande impacto na musicalidade e na vida de Urias.

"Trago muito de Rihanna e Lady Gaga. Fui criada pelo Pop. Não posso, nem quero negar", finaliza.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL