PUBLICIDADE
Topo

Chico César está em nova música do grupo Höröyá

Höröyá lança música com Chico César e Clarianas - Divulgação
Höröyá lança música com Chico César e Clarianas Imagem: Divulgação
Adriana de Barros

Colunista de Música do UOL, onde atuou 20 anos na área de Entretenimento, com coordenação de coberturas em grandes festivais e do Carnaval. É curadora do edital 2020 Natura Musical e integrou o Superjúri 2019 do Prêmio Multishow. Eleita uma das cinco melhores jornalistas musicais do Brasil pelo WME Awards by Music2. Apresentadora do podcast Fala Zé na rádio Energia 97 ao lado de Zé Antônio Constantino e Hélio Cosmo Leite.

25/04/2019 18h15

Grupo de música instrumental Höröyá lança amanhã a música "Todo Lugar é Sertão", com participações de Chico César e do coro das Clarianas, grupo musical formado por três mulheres.

Gravado entre São Paulo (Brasil) e Bamako (Mali), o single conversa com o conceito dos dois discos anteriores do Höröyá, "Pan Bras'Afree'ke", em que o grupo reúne artistas do Brasil e do Pedro africano como: Guiné, Mali, Senegal e Burkina Fasso.

"Grande honra a participação do Chico César nesse projeto, que é um artista que admiramos de longa data, tanto musicalmente, sempre buscando diálogos com musicalidade africana, quanto politicamente por seu posicionamento político. E juntamente com as Clarianas, mais perfeito ainda. Um grupo de cantadeiras, de um talento incrível, e também com um trabalho de forte engajamento sociocultural e político", diz o criado da banda André Piruka.


Fundado em 2015, o Höröyá reúne 13 integrantes, entre brasileiros e senegaleses, que têm como influências as culturas tradicionais de países do oeste africano como Guiné, Mali e Senegal e diversas vertentes afro-brasileiras, como o samba e toques de candomblé, o afrobeat da Nigéria e de Gana e a musicalidade afro norte-americana, como o funk e o jazz.

Eles têm lançados Höröyá (2016) e Pan Bras'Afree'Ke - Vol. 1 (2017). Para este ano preparam o lançamento de "Pan Bras'Afree'Ke - Vol.2"

Höröyá é uma palavra de origem Mandeng, cultura do oeste da África, que significa "liberdade", "autonomia", "dignidade" e foi o termo usado durante a luta anti-colonialista na Guiné para a afirmação de seus caminhos e ideais.

Adriana de Barros