Topo

Coluna

Adriana de Barros


"Menos like e mais abraço": Luan Santana quer resgatar afeto em próximo DVD

João Alvarez/UOL
Luan Santana canta no segundo dia do Festival Virada Salvador Imagem: João Alvarez/UOL
Adriana de Barros

Adriana trabalha no UOL desde 2000, passou pelas rádios Mix FM, 97Rock e pela gravadora Sony Music.

2018-12-30T07:00:00

30/12/2018 07h00

Durante sua passagem pelo Festival Virada Salvador neste sábado (29), o cantor Luan Santana anunciou a gravação de seu próximo DVD para maio de 2019.

O artista escolheu o Parque de Exposições, na capital baiana, para ser palco do sexto registro em vídeo da carreira.

O tema do trabalho será o resgate do afeto perdido para a tecnologia. Luan receberá no palco uma lista de convidados especiais, que já tem Alok como o primeiro nome confirmado.  

Com avô paterno baiano, o artista sempre fez questão de declarar seu amor à capital soteropolitana. Para ele, a cidade tem tudo a ver com a proposta do projeto de resgatar as raízes e a humanidade hoje sufocada por tanta tecnologia.

"A ideia é usar esse fator do afeto em queda e da tecnologia em alta para falar de amor", explica Luan.

Como de costume, o artista vai investir pesado na cenografia. Será um palco com 50 metros de largura que trará um fóssil mecânico em cena, com partes articuladas, que vão se desprender ao longo da apresentação.

Com expectativa de atrair 30 mil pessoas, Luan promete transportar a plateia, assim como o público que depois vier a assistir ao DVD, para uma outra realidade, pronta para refletir e sentir os efeitos do cyberpunk.

"Na era atual, a imagem de 'cada um com sua tela' só reforça a necessidade de se valorizar o sangue que corre em nossas veias, o calor humano perdido para tantas conexões virtuais e o amor presencial, muitas vezes diluído pelos 'likes' das redes sociais. Não que a tecnologia não seja bem-vinda. Ela tem se tornado munição no combate a vários males ao redor do mundo e fator essencial para a comunicação. Mas não se pode, por isso, abrir mão do abraço, do beijo, do afago latente que emana do calor de nossas mãos", diz.