Topo

Coluna

Adriana de Barros


Em clipe, rapper Majda Asad ironiza pressão que mulheres sofrem para casar

Majda Asad, Viic Oliveira e Amnah Asad - Divulgação
Majda Asad, Viic Oliveira e Amnah Asad Imagem: Divulgação
Adriana de Barros

Adriana trabalha no UOL desde 2000, passou pelas rádios Mix FM, 97Rock e pela gravadora Sony Music.

25/12/2018 17h36

Casamento forçado e ideia de que as mulheres estão em busca de um relacionamento sério dão tom a "Desesperadas", música da rapper Majda Asad. No clipe, com direção e produção da Gang Prod - empresa composta só por mulheres-, ela conta com a participação de sua irmã Amnah Asad e da cantora Viic Oliveira

O filme traz a atuação de uma equipe composta por atrizes cis e trans, que interagem de uma sala a outra apresentando a narrativa.   

Filha de Palestino, a MC traz em sua história a opressão que as mulheres no Oriente Médio vivem e não vê muita diferença entre o Brasil e a terra natal do pai. 

"'Desesperadas' é uma reflexão sobre a simbologia histórica do matrimônio e suas consequências atuais", explica. 

Na música, são citadas a escritora nordestina Nísia, que foi obrigada a casar com 13 anos em 1830 e a musicista europeia Nannerl, irmã de Mozart, que tinha habilidades musicais tão excepcionais quanto seu irmão, mas em 1780 foi impedida de seguir a carreira, pois seu corpo já demonstrava a moça que era e, na época, a sociedade pressionou que a família a tirasse dos palcos e a colocasse em um lar como esposa e dona de casa. 

A história de Mariama Bah, uma mulher africana que fugiu para o Brasil para não ser obrigada a casar com um familiar, também tem destaque. 

"Como brasileira e filha de árabe quis trazer na música um olhar que mostrasse que, seja no Ocidente ou no Oriente, as histórias se repetem e são apoiadas por diferentes religiões e leis", diz Majda Asad.