Coluna

Adriana de Barros

Andreas Kisser assume rótulo de "arroz de festa" e sonha tocar com o U2

Adriana de Barros

Adriana trabalha no UOL desde 2000, passou pelas rádios Mix FM, 97Rock e pela gravadora Sony Music.

20/10/2017 04h00

Domingo, seis da tarde, volta de feriado prolongado, e Andreas Kisser prepara para levar ao ar "Pegadas do Andreas Kisser”, programa que apresenta há cinco anos ao lado do filho meio, Yohan Kisser.

Andreas é o primeiro a chegar ao estúdio e se mostra orgulhoso com a própria disciplina, sua marca desde os tempos da primeira banda, Esfinge, formada nos idos dos anos 1980 no ABC paulista. O filho chega minutos antes de o programa começar. O pai guitarrista pede os cumprimentos do restante da equipe e convidados ao primogênito pelos 20 anos completados no último dia 12 de outubro.

A cumplicidade entre pai e filho dá o tom à atração que toca metal e recebe convidados envolvidos de alguma maneira sobre o tema.

Neste dia, o visitante foi Beto Peninha, radialista que comandou o programa "Sessão Rocambole", na extinta 97FM de Santo André, e foi o primeiro a tocar a fita demo do ensaio da Esfinge no rádio. Isso quando o guitarrista tinha apenas 16 anos.

Divulgação
Yohan e Andreas Kisser no programa da 89FM Imagem: Divulgação
Meia hora antes de entrar no ar com o programa ao vivo - os próximos serão gravados porque Andreas sai em turnê pela América Latina com o Sepultura -, ele fala com bom humor sobre o envolvimento nos mais variados projetos.

Além do programa e do Sepultura, o guitarrista divide seu tempo com o De La Tierra - grupo de metal formado com o baixista Harold Hopkins Miranda, pelo vocalista e guitarrista argentino Andrés Gimenez (do A.N.I.M.A.L.) e pelo baterista mexicano Alex González (do Maná) - e com o Kisser Clan, banda de cover que mantém com o filho Yohan. Para quem acha muito, o músico ainda atende pedidos para participações solos.

Me dê um motivo para dizer "não"

Andreas não vê problema nenhum em dizer "sim" aos mais diversos convites que recebe. E não se preocupa nem um pouco com a opinião alheia. "Ganhei até um prêmio de 'arroz de festa'. Sempre levei na maior positividade. O arroz é importante na culinária", fala, soltando uma gargalhada.

O fato é que muitas vezes, mesmo sem receber um centavo nas "sessions" ou sem qualquer estratégia de marketing envolvida, Andreas está onde se sente bem: no palco. Quem assistiu ao documentário "Sepultura Endurance", lançado este ano, sabe que ele não mede esforços para fazer seu som.

O "arroz de festa" coleciona participações com nomes que vão de Ian Gillan (Deep Purple), Motörhead e Alice Cooper a Chitãozinho & Xororó e Marcos & Belutti. No que depender de Andreas, a onipresença nos palcos não deve acabar tão cedo.

O U2 está no topo da lista de desejos do guitarrista. "Fizemos [com Sepultura] uma versão de "Bullet The Blue Sky". Poderia dar frutos diferentes, tanto para eles como pra gente. Lógico que o contato com os músicos do U2 é mais difícil. Sei que eles convidam artistas locais. Infelizmente não estarei no Brasil durante a passagem deles, mas se rolar, eu volto", diverte-se.

Para cumprir a extensa agenda, tudo é acertado previamente e muito bem pensado. Além da preparação física e mental, a organização é fundamental para que tudo dê certo.

Recentemente, Andreas participou da gravação do DVD de Dudu Braga numa segunda-feira e fez uma maratona para estar no palco da Casa Natura, em São Paulo. Ele se apresentou com a De La Tierra na noite do domingo. Imediatamente após o show, deixou a Cidade do México num voo às 2h, fez escala em Bogotá e foi direto para o palco encontrar o filho de Roberto Carlos. "Isso tudo não é um sofrimento. Faz parte da nossa carreira."

Aos 49 anos, casado há quase 25 com Patricia Kisser, Andreas credita à família e aos parceiros do Sepultura a chance de estar nos mais variados palcos do mundo. Só com o Sepultura foram mais de 76 países em 33 anos de banda.

O músico só lamenta inúmeros momentos perdidos em família, como as duas festas do primeiro ano dos filhos Giulia e Enzo, além de uma situação delicada com o filho Yohan, que passou por uma cirurgia enquanto ele estava em turnê pelo Japão.

Ainda assim, ele garante que essas oportunidades oferecidas pela arte são excelentes para manter a cabeça funcionando. "Agradeço muito as chances de trabalhar com gente diferente, de idades, classe social e culturas diferentes."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Adriana de Barros
Topo