Os superpoderes da CCXP

O maior evento geek do Brasil comemora 5 anos, espera 260 mil visitantes e se prepara para exportação

Osmar Portilho Do UOL, em São Paulo
Edson Lopes Jr./UOL
Mariana Pekin/UOL Mariana Pekin/UOL

A maior CCXP

Não é exagero comparar a CCXP (Comic Con Experience) com um festival de música grandioso como Rock in Rio, Lollapalooza ou Tomorrowland. Inclusive, a palavra festival é repetida frequentemente por Ivan Costa, um dos fundadores do evento, ao falar sobre a edição de 2018, que acontece entre os dias 6 e 9 de dezembro no São Paulo Expo (o antigo Centro de Exposições Imigrantes), e contará com convidados como Sandra Bullock, Michael B. Jordan e Brie Larson, entre outros.

"A gente nem se refere mais a CCXP como um evento, e sim um festival. É um festival de games, música, colecionáveis, quadrinhos, séries, filmes e por aí vai. É um formato bastante único", disse o sócio da CCXP ao UOL, por telefone.

"E é a edição de aniversário, né? Na cultura pop, os múltiplos de cinco são comemorados sempre. Teremos, nesse ano, tanta gente legal que é insano. O jogo virou para gente, virou para o fã".

Tim P. Whitby/Tim P. Whitby/Getty Images Tim P. Whitby/Tim P. Whitby/Getty Images

Super força do lineup e magnetismo de público

Quando dizemos que o lineup da CCXP 2018 é invejável é porque o evento conseguiu aumentar seu status de aprendiz para feiticeiro, para usarmos termos geek. Se na edição de estreia, em 2014, ficamos felizes ao ver Edgar Vivar, o seu Barriga de "Chaves", imagine qual é a reação do público com o anúncio das presenças de Brie Larson, Sandra Bullock, Michael B. Jordan, Sophie Turner, Andy Serkis e outros.

A força de uma programação intensa é proporcional ao crescimento da CCXP. Em 2014, o evento reuniu 97 mil pessoas. No ano seguinte, o público cresceu para 142 mil, e em 2016 bateu 180 mil. Após chegar na casa dos 227 mil em 2017 e se consagrar como maior evento geek do Ocidente, o plano é só crescer. A expectativa de público em 2018 é de 260 mil pessoas.

"A lista de artistas confirmados neste ano é uma coisa que vale a frase: 'Nunca antes neste país'", celebrou Ivan.

Estande do UOL tem programação especial na CCXP

O UOL terá um estande de 180m² com fliperamas, atividades e o estúdio da TV UOL, onde serão transmitidos programas ao vivo. 

Entre as atrações confirmadas*, Cauê Moura levará o seu programa de entrevistas "Poucas" para uma edição direto do festival para conversar com os integrantes do Choque de Cultura e outros.

Cid, do Não Salvo, levará ao estúdio convidados para relembrar memes esquecidos da internet, enquanto o blogueiro do UOL Roberto Sadovski promoverá debates entre as rixas mais clássicas do mundo geek, como DC vs. Marvel e Star Trek vs. Star Wars.

*grade sujeita a alterações

Poder desintegrador da carência geek

A CCXP, com essa cara de festival de geek e disposição de suprir as necessidades do maior número de nichos possíveis, ocupou uma lacuna importante para fãs de séries, games, cosplayers e cinéfilos. Dos cosplayers que andavam perdidos pela Brasil Game Show aos fãs de séries que perambulavam pela Anime Friends, o evento surgiu com a ideia de abraçar todos os públicos. E assim o fez.

"Lá em 2013, a gente queria trazer a experiência do que era participar de uma grande convenção. Até então a gente tinha vários eventos, mas eles não chegavam lá. Tinham várias coisas, mas não tinham tudo. Faltava empacotar tudo em um lugar só", explicou Ivan. 

Após quatro edições em São Paulo, é natural pensarmos que a CCXP é uma aposta que deu certo, mas sua evolução soa muito mais como passos cronometrados do que uma jogada qualquer. "Acreditávamos no potencial. Tanto que desde a primeira edição a gente se comprometeu a usar o pavilhão por quatro anos. Montamos a CCXP com informações de mercado mesmo. Isso nos deu uma base sólida para tomarmos decisões". 

Essa visão estratégica da curadoria vai até camadas mais profundas e detalhistas com expositores e na criação dos lineups. "Mesmo os convidados que os estúdios estão trazendo, é tudo muito conversado. 'O que acham de levar fulano? Vai ter boa repercussão? Fulano ou Beltrano?'. É curadoria. A gente não vende o chão e fala 'façam o que quiser'. Isso dá um trabalho louco o ano inteiro para discutir o que e como".

Mariana Pekin/UOL Mariana Pekin/UOL

Dúvidas frequentes

Retirada de credenciais - Se você selecionou a opção "retirada no evento" o seu pedido estará disponível para retirada a partir das 9h às 20h na CCXP. Para retirar, você precisa levar o número do pedido e o documento oficial com foto do comprador.

Acessos do ingresso - Todos os ingressos dão direito a acessar a área do evento no dia específico definido e dentro do horário de funcionamento, bem como a participar das atrações (como exibições de filmes e trailers, painéis, sorteios etc.), observando-se a limitação de espaço ou de vagas estabelecidas para cada atração, seja pela organização do evento ou pelo expositor responsável pela atividade.

Transferência de credencial - As credenciais transferidas deverão ser retiradas obrigatoriamente no festival. Você poderá transferir a titularidade da sua credencial pagando uma taxa de R$ 25. No link https://ingressos.ccxp.com.br/transferencias, faça a compra da taxa de transferência no mesmo login em que está a credencial que será transferida.
 
Acesso ao Auditório Cinemark - É onde recebe os principais painéis e pré-estreias da CCXP e é um dos espaços mais disputados pelos fãs. A recomendação é que, quem queira acompanhar a programação, chegue cedo para garantir lugar na fila, que costuma ser montada já pela madrugada. Importante: o local não é esvaziado após cada atividade. Apenas fãs com a credencial Full Experience têm cadeira reservada no Auditório Cinemark e podem acessar o espaço a qualquer momento, sem filas.
 
Pode entrar com alimentos? - Pode, desde que estejam em suas embalagens originais lacradas ou, caso seja um alimento não industrializado, esteja em uma embalagem de plástico fechada. Como todo grande evento, não é permitida a entrada de objetos que ofereçam risco à segurança, como garrafas de vidro, latas e bebidas alcoólicas.

Mariana Pekin/UOL Mariana Pekin/UOL

Super visão de detalhes

"Experiência" é uma promessa da CCXP que começa já na própria sigla. Desde os nomes nomes badalados que virão ao evento este ano aos números superlativos, Ivan Costa se mostra até mais orgulhoso ao comentar os detalhes resolvidos para quem estará no evento, tanto visitantes, como expositores e cosplayers.

"Antes de fazer a primeira edição, conversamos com os cosplayers e perguntamos o que eles gostariam de encontrar dentro do evento. A resposta deles dá uma real dimensão de como tinha como crescer no Brasil. Eles pediram um banheiro para ter onde se trocar", explicou. "A gente tem um camarim e o prêmio do nosso concurso é um carro zero. Os cosplayers não são público, são atração. Cabe a nós criar uma condição para que eles sejam valorizados e tenham conforto dentro do evento". 

Entre os detalhes, ele lembra da presença de uma pessoa responsável no camarim pronta para auxiliar os cosplayers com suas roupas ou o fato de haverem tomadas nas mesas dos quadrinistas do Artist's Alley. "Eles desenham, a mesa precisa ser firme, não pode ser vidro porque é ruim. Ele fica ali dez horas, o celular descarrega, a maquininha descarrega. Parece bobagem, mas é um negócio especial para o artista".

Se antes a CCXP olhava para eventos consolidados do exterior como referência, hoje já olha para tópicos onde os eventos americanos deixa a desejar.

"O evento não muda muito [da Comic Con de San Diego]. É o jeitão americano de que 'se não está quebrado, não mexa'. É um formato. Se funciona, vai mantendo pra sempre. Aqui a gente muda muita coisa", afirmou. "Criamos a CCXP pra gente mesmo. A gente via eventos lá fora e pensávamos 'não tem nada disso no Brasil'. Nos juntamos e agora temos um evento que não tem lá fora. Chegamos ao ponto de termos sido praticamente convidados para levar o evento pra Alemanha".

"Aqui, a chance de você ver um artista que você gosta com os próprios olhos é muito maior. A proximidade é muito maior, é outra experiência. É uma outra relação. Até o ano passado, os painéis de San Diego eram em um auditório com aquela mesa enorme sem graça".

Mariana Pekin/UOL Mariana Pekin/UOL

Serviço

Horários

Quinta-feira (06/12) - 12h às 21h
Sexta-feira (07/12) - 12h às 21h
Sábado (08/12) - 11h às 21h
Domingo (09/12) - 11h às 20h

Onde 

São Paulo Expo - Rodovia dos Imigrantes, Km 1,5.

Ingressos 

https://ingressos.ccxp.com.br/ingressos

Teletransporte para Alemanha

No Brasil, a CCXP se estabeleceu definitivamente em São Paulo, fez seu primeiro passeio fora de casa em Olinda, em Pernambuco, e agora prepara-se para atravessar o oceano. Entre 27 e 30 de junho de 2019 será realizada a CCXP Cologne, na Alemanha.

"São outros interesses, outras necessidades. Os quadrinhos que eles leem são diferentes, as séries são outras. Tem um trabalho de entender esse mercado. Essas pessoas virão pra cá, participarão da operação do evento pra ver como as coisas funcionam. A ideia é levar a CCXP pra lá. Não a marca, a experiência. Tudo isso faz parte do DNA do festival", explicou Ivan.

"Tem coisas que são muito nossas. O auditório Cinemark é construído e operado como um palco de show, como se fosse um Rock in Rio ou o Tomorrowland. Ele é cheio de LEDs, coisas acontecendo e surpresas. É uma coisa muito nossa que criamos e reproduzir um evento na Alemanha significa levar tudo isso pra lá. Não queremos só levar uma Comic Con, e sim a CCXP. O XP do 'experience' é muito forte". 

Curtiu? Compartilhe.

Topo