PUBLICIDADE
Topo

Led Zeppelin enfrentará novo julgamento sobre plágio em "Stairway to Heaven"

John Paul Jones, Robert Plant e Jimmy Page - Danny Martindale/Getty Images
John Paul Jones, Robert Plant e Jimmy Page Imagem: Danny Martindale/Getty Images

Jonathan Stempel

28/09/2018 18h40

O Led Zeppelin enfrentará um novo julgamento determinado por um tribunal de apelação nos Estados Unidos sobre o suposto plágio do riff de abertura da clássica "Stairway to Heaven", de 1971, que, segundo a acusação, pertenceria a uma música da banda Spirit.

Em uma decisão por 3 votos a 0 ocorrida nesta sexta (28), a 9ª Corte de Apelações de San Francisco descartou o veredito de junho de 2016, que era favorável à banda, citando uma série de erros cometidos pelo juiz. 

A decisão ressuscita um dos casos de direitos autorais mais polêmicos da indústria musical, expondo o vocalista Robert Plant e o guitarrista Jimmy Page à possibilidade de pagarem milhões de dólares em indenização.

Os advogados dos acusados não comentaram ainda não pronunciaram sobre o assunto.

Ouça e compare as duas músicas:

O caso

O processo foi aberto por Michael Skidmore, detentor dos direitos das canções de Randy Wolfe, guitarrista da banda Spirit. 

Skidmore acusa Plant, de 70 anos, e Page, de 74, de se apropriar da faixa "Taurus" na icônica abertura de "Stairway to Heaven". 

Ele afirma que as músicas tinham progressões de acordes semelhantes e que Page pode ter escrito "Stairway" depois de ouvir "Taurus", enquanto o Led Zeppelin e Spirit faziam turnê juntos. 

Wolfe, que tocava sob o pseudônimo de Randy California, reclamou em entrevistas sobre as similaridades nas músicas, mas não entrou com nenhum processo em vida. Ele morreu por afogamento em 1997. 

O júri havia determinado que embora Plant e Page, que depuseram no julgamento, tinham acesso a "Taurus", mas o riff da canção não era intrinsecamente semelhante à abertura de "Stairway to Heaven". 

Na decisão desta sexta (28), o juiz Richard Paez salientou que o juiz anterior errou ao não instruir o júri que o administrador dos direitos poderia prevalecer se Wolfe tivesse criado uma "combinação suficientemente original" de elementos musicais que poderia ter sido protegida.