PUBLICIDADE
Topo

Chefe do Showtime diz que programa de Sacha Baron Cohen valeu o risco

Sacha Baron Cohen em cena de  "Who is America? - Reprodução
Sacha Baron Cohen em cena de "Who is America? Imagem: Reprodução

Jill Serjeant

Em Los Angeles

07/08/2018 12h02

O chefe do canal a cabo Showtime cobriu o comediante britânico Sacha Baron Cohen de elogios, dizendo que o risco de transmitir sua nova série satírica foi recompensado e que espera que o programa continue.

David Nevins, presidente da Showtime, disse que o canal deu uma "demonstração de fé" com o seriado "Who is America?", no qual Baron Cohen adota várias personalidades e induz políticos e representantes da cultura pop norte-americanos a dizerem coisas revoltantes."Ele criou muita polêmica e muitas assinaturas novas. É um risco que estou contente de termos corrido", disse Nevins à Associação de Críticos de Televisão, na segunda-feira (6), ao lançar a nova grade da Showtime, uma unidade da rede CBS.

Nevins disse que a audiência da série de sete episódios "cresceu dramaticamente" durante o primeiro mês, mas não deu detalhes."Acho que Sacha é um dos grandes comediantes de nossa época. Acho que ele é o Daniel Day-Lewis da comédia", disse Nevins, referindo-se ao astro britânico de "Lincoln" e vencedor de três Oscars.

A série, na qual Cohen entrevista disfarçado pessoas que não percebem estar atuando com um comediante, mostrou um congressista apoiando a ideia de armar crianças de 3 anos para impedir ataques a tiros em escolas e o ex-vice-presidente Dick Cheney assinando um jarro descrito como "kit de simulação de afogamento".

No mês passado, o parlamentar Jason Spencer, do Estado da Geórgia, renunciou por ser visto gritando ofensas raciais e abaixando as calças no programa depois de ouvir de um dos personagens de Cohen que isso intimidaria terroristas.

Embora a atração tenha causado mais controvérsia por causa dos episódios com políticos conservadores e figuras públicas, Baron Cohen também atacou o pensamento politicamente correto e o culto às celebridades."Não sei o que ele está dizendo sobre a América. Está claro que estamos vivendo em uma época de extremos, não há dúvida disso", afirmou Nevins.