Topo

Entretenimento

"Cold War" conquista Festival de Cannes com história de amor condenado

11/05/2018 11h33

FILME-CANNES-COLDWAR:"Cold War" conquista Festival de Cannes com história de amor condenado

Por Robin Pomeroy

CANNES, França (Reuters) - O cineasta Pawel Pawlikowski nega ser nostálgico com relação à Guerra Fria, mas considera que as tensões geopolíticas e a ausência de distrações tecnológicas modernas fazem dela a era perfeita para situar uma história de amor sem futuro, disse ele nesta sexta-feira.

Pawlikowski, que ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro em 2015 com "Ida", também transcorrido nos tempos do comunismo, concorre à Palma de Ouro no Festival Internacional de Cinema de Cannes com "Cold War", romance que vai das fazendas de camponeses da Polônia aos clubes de jazz de Paris entre os anos 1940 e 1960.

Zula é uma mulher linda e rígida que conquista uma vaga em uma escola tradicional de atores instituída para promover uma imagem nacionalista benéfica da Polônia do pós-guerra, na qual o belo Wiktor é diretor musical.

Logo no início de seu caso clandestino, ela admite que o espiona para as autoridades, o primeiro e talvez o menor de muitos problemas que o clima político cria no relacionamento.

Em sua resenha de cinco estrelas, Peter Bradshaw, do jornal Guardian, qualificou "Cold War" como um "filme misterioso, musicalmente glorioso e visualmente arrebatador", e "requintadamente arrepiante".

Indagado por que a Guerra Fria oferece um bom pano de fundo para um drama romântico, Pawlikowski respondeu: "Havia muitos obstáculos na época, e o amor é, em grande parte, uma questão de superar obstáculos".

O filme também se inspira na experiência pessoal. Pawlikowski, hoje com 60 anos, foi para o exílio aos 14 anos, quando sua mãe bailarina fugiu com ele para o Ocidente. Os protagonistas de "Cold War" foram batizados em homenagem aos seus falecidos pais.

"Há muitas coisas em comum entre este casal e meus pais. Eles foram um casal um tanto desastroso que se apaixonou, se separou, se apaixonou novamente, se casou com outras pessoas, se juntou novamente, mudou de país, rompeu, se juntou novamente e assim por diante".

"Não é seu retrato, mas há mecânicas bastante semelhantes em seu relacionamento".

Os críticos elogiaram a fotografia em preto e branco, a trilha sonora e o senso de humor, e a IndieWire comparou a atuação de Joanna Kulig como Zula à de uma jovem Jeanne Moreau: "Uma alcoólatra endiabrada que se lança nos braços de outros homens literalmente, entregando-se a um capricho na pista de dança de um clube de rock'n'roll".

O Festival de Cannes vai de 8 a 19 de maio.

Mais Entretenimento