Entretenimento

Diretora de "Detroit" diz esperar que filme provoque diálogo sobre raça nos EUA

26/07/2017 16h59

Diretora vencedora do Oscar, Kathryn Bigelow levou seu retrato dos distúrbios de motivação racial ocorridos em Detroit em 1967 à própria cidade na estreia mundial de "Detroit", dizendo esperar que o filme estimule um diálogo nacional mais amplo.

"Detroit" recria os tumultos civis provocados por afro-americanos na cidade durante o verão de 50 anos atrás e os pouco conhecidos interrogatório e execução de três jovens negros no Algiers Motel.

O filme, que estreia nas maiores cidades dos Estados Unidos na sexta-feira, tem 100 por cento de avaliações positivas no site agregador de críticas Rotten Tomatoes, algo raro, e muitos críticos de cinema o classificaram como atemporal, mas doloroso de se assistir.

Bigelow, presente em Detroit para a premiere de terça-feira, observou que, embora os acontecimentos tenham ocorrido meio século atrás, homens negros desarmados continuam sendo baleados pela polícia nos EUA.

"Estes eventos continuam acontecendo. Quer dizer, vejam o quão atemporal e tópico é (o que aconteceu) com Michael Brown, Trayvon Martin, Laquan McDonald, Freddie Gray", disse Bigelow aos repórteres no tapete vermelho.

Brown, Martin, McDonald e Gray foram mortos em incidentes separados entre 2012 e 2015, desencadeando protestos e um debate sobre a percepção de um viés racial na polícia norte-americana. Martin foi morto por um voluntário de uma patrulha de bairro.

"Acho [que o filme é] uma oportunidade para incentivar ou convidar a um diálogo que este país precisa desesperadamente sobre acabar com uma divisão, em minha humilde opinião", acrescentou a diretora.

Bigelow, de 65 anos, foi a primeira mulher a conquistar um Oscar de direção por "Guerra ao Terror", produção de 2008 sobre a guerra do Iraque. Ela também dirigiu "A Hora Mais Escura", suspense de 2012 sobre a missão militar dos EUA que caçou o líder da Al Qaeda, Osama bin Laden.

Em "Detroit", o ator Will Poulter interpreta um policial branco e racista que mais tarde foi julgado e absolvido de todas as acusações relacionadas às mortes.

"Penso como muitas outras pessoas brancas, às vezes o tópico da raça muitas vezes é incômodo ou difícil. Estou torcendo para que um filme como este incentive as pessoas a conversarem sobre este tópico", disse Poulter.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo