Filmes e séries

Voz do "Mr. Potato", comediante Don Rickles morre aos 90 anos nos EUA

Getty Images
O comediante americano Don Rickles Imagem: Getty Images

Steve Gorman*

De Los Angeles

06/04/2017 16h56

Don Rickles, comediante que era considerado um mestre do insulto e que fez rir com o deboche e o sarcasmo durante uma carreira de décadas que lhe rendeu o apelido irônico "Senhor Caloroso", morreu nesta quinta-feira (6) em sua casa de Los Angeles de insuficiência renal aos 90 anos de idade, disse seu empresário.

Rickles, que contou ter desenvolvido seu estilo de zombaria bem-humorada porque não sabia contar piadas tradicionais, havia cancelado algumas apresentações recentemente, incluindo uma que faria em maio em Tulsa, no Estado do Oklahoma, que havia sido adiada nesta semana para novembro.

Sua morte foi confirmada por seu porta-voz, Paul Shefrin, que disse que Rickles deixa sua esposa, Barbara, a filha, Mindy Mann, e dois netos. Ele completaria 91 anos no mês que vem.

Nascido em Nova York, Rickles tinha tiradas intensas, velozes e muitas vezes improvisadas e um sorriso amplo e endiabrado. Ele fazia a alegria das plateias de clubes noturnos, da realeza de Hollywood e de políticos ao lançar insultos, mas tudo com muito bom humor.

Ao se encontrar com Frank Sinatra pela primeira vez durante uma apresentação de stand-up em 1957, Rickles saudou o temperamental cantor, que chegava com uma comitiva de tipos durões, dizendo "sinta-se em casa, Frank ? bata em alguém".

Para sorte de Rickles a piada agradou Sinatra, que se tornou um de seus maiores admiradores e passou a chamar o comediante baixo e calvo de "Cabeça de Bala".

Apresentando-se décadas mais tarde no baile de gala da segunda posse do presidente norte-americano Ronald Reagan, Rickles não hesitou em cutucar o comandante em chefe, perguntando "está rápido demais para você, Ronnie?"

Mas os alvos mais frequentes do "Mercador de Venenos" eram os fãs que lotavam seus shows para ter uma chance de ser humilhados sendo chamados de "otário" ou pior. Celebridades compareciam com frequência só pela honra de ser ridicularizadas por Rickles, e nenhuma minoria ou grupo étnico escapava de sua língua ferina.

*com Jill Sergeant em Nova York e Piya Sinha-Roy em Los Angeles

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo