Entretenimento

Edward Snowden será tema de livros e pode ganhar cinebiografia

AFP
Edward Snowden em imagem de vídeo divulgado pelo Wikileaks em outubro Imagem: AFP

Mark Hosenball

De Washington (EUA)

17/12/2013 15h06

Uma história que não fica devendo nada a nenhum romance de espionagem vai ser contada por três escritores, que preparam livros possivelmente concorrentes sobre as revelações de Edward Snowden, ex-prestador de serviços da NSA (Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos).

Glenn Greenwald, ex-repórter do jornal britânico "The Guardian", deve lançar seu livro em março. O jornalista recebeu os documentos confidenciais de Snowden em encontros secretos em Hong Kong depois que o ex-prestador de serviços fugiu dos Estados Unidos.

O livro é "sobre o meu período com Snowden em Hong Kong e sobre as reportagens feitas, mas principalmente sobre a vigilância do Estado, com base nos documentos que eu tenho (e não o 'Guardian'), e os meus argumentos de por que essa vigilância é ameaçadora", disse o jornalista por e-mail.

A editora será a Metropolitan Books. Greenwald discute uma adaptação para o cinema.

O jornal "The New York Times" publicou em outubro que a 20th Century Fox, a Sony Pictures e a HBO haviam analisado a possibilidade de um projeto para as telas. No entanto, Greenwald afirmou que ainda não há nada acertado em relação a isso.

Possíveis livros rivais estão sendo escritos por Barton Gellman, blogueiro e ex-repórter do "Washington Post", e Luke Harding, jornalista do "Guardian".

Gellman, que escreveu as matérias sobre Snowden para o "Post", mas que não está mais no jornal, declarou que seu projeto é anterior às revelações do ex-prestador de serviços da NSA.

"Já tinha começado a trabalhar num livro sobre sociedade da vigilância quando Edward Snowden apareceu. Ele certamente enriqueceu as minhas reportagens, mas não estou apostando corrida contra ninguém. Minha narrativa cobre um tema amplo e tem vários personagens", afirmou Gellman por e-mail.

Nem Harding, também co-autor de um livro sobre o WikiLeaks, nem ninguém do "Guardian" quiseram comentar sobre o livro do jornalista, que será publicado pelo jornal em parceria com a britânica Faber and Faber.

Uma pessoas que conhece o projeto do jornal disse, sob anonimato, que quando Greenwald deixou o "Guardian" as duas partes concordaram que os livros seriam lançados de forma simultânea para que ninguém tivesse vantagem comercial.

Acredita-se que Snowden tenha baixado milhares de documentos confidenciais da NSA e do governo britânico, o que provocou um debate mundial sobre a vigilância eletrônica dos EUA.

Segundo os vazamentos feitos por Snowden, o Brasil foi alvo de espionagem da NSA, incluindo as comunicação da presidente Dilma Rousseff.

Nesta terça-feira (17), Snowden, que está asilado temporariamente na Rússia, disse em "Carta Aberta ao Povo do Brasil" que está disposto a ajudar nas investigações brasileiras sobre o monitoramento norte-americano no país, e sugeriu que pode pedir asilo ao Brasil.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Entretenimento

Topo