Entretenimento

Marçal Aquino diz que segredo para vender livros é adaptar para o cinema

Patricia Stavis/Folha Imagem
O jornalista, escritor e roteirista Marçal Aquino Imagem: Patricia Stavis/Folha Imagem

Kirsti Knolle

De Frankfurt (Alemanha)

14/10/2013 17h35Atualizada em 14/10/2013 18h16

Em um país onde se lê em média apenas quatro livros por ano, o escritor brasileiro Marçal Aquino considera ter um atalho para difundir sua obra.

"Tenho um jeito especial. Meus livros são adaptados para o cinema. Isso é muito importante se você quer atingir as pessoas", disse Aquino à Reuters na Feira do Livro de Frankfurt, na Alemanha.

Seu romance mais recente, "Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios", recebeu excelente críticas e vendeu 25 mil exemplares desde o lançamento, um best-seller para os padrões brasileiros, embora seja um número pequeno para os padrões internacionais.

Já a adaptação cinematográfica homônima foi vista por milhões na TV.

É a terceira obra de Aquino adaptada para o cinema. Seus roteiros já lhe valeram vários prêmios no Brasil e no festival de Sundance, nos Estados Unidos. O autor também já publicou livros infantis e romances policiais.

"Não sei quem lê meus livros", disse ele. "Mas com a TV você pode dizer quantas pessoas assistiram e até quem assistiu. Esse é um grande desafio. Você precisa apanhar as pessoas."

"Eu Receberia as Piores Notícias..." se passa em Santarém, no Pará, descrevendo o relacionamento de um fotógrafo com uma ex-prostituta casada com um pastor evangélico. As tensões entre garimpeiros e mineradoras, a corrupção e a traição são temas subjacentes.

"Estive lá como jornalista na década de 1980 e vi a corrida do ouro, a prostituição, todas as realidades de uma cidade pequena", disse ele. "Ao escolher aquela locação para a minha história, eu podia falar sobre a violência de lá e como o amor pode se desenvolver em um ambiente desses."

Quando voltou ao interior do Pará para escolher as locações do filme, anos atrás, ele descobriu que "nada havia mudado". Até por isso, pouca gente deve ler o romance na região.

"Dá para pensar em alguém no Norte do Brasil lendo livros? Não dá para ler quando você precisa se preocupar com o que comer", disse ele.

Aquino, de 55 anos, fez carreira como jornalista, mas se lançou na literatura aos 26 anos, publicando por conta própria um volume de poesias.

Para o autor, a falta do hábito de leitura no país se deve a deficiências no sistema educacional. Ele mesmo nunca teve livros na casa onde foi criado com nove irmãos, em Amparo, a 120 quilômetros de São Paulo.

Ele disse que por muito tempo considerou que não haveria chance de mudança nas condições de vida no país, mas que depois dos protestos de junho surgiu um lampejo de esperança.

"Há muito mais para vir", disse Aquino. "Não dá para prever o que vai acontecer. Essa é a beleza da coisa. Mas pela primeira vez na minha vida espero pela grande mudança."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo