Entretenimento

Com 175 galerias, feira de arte contemporânea em Londres olha para mestres do passado

Mike Collett-White

09/10/2012 13h36

O mais surpreendente sobre a edição deste ano da semana Frieze de arte, que coloca Londres na vanguarda do mundo da arte contemporânea todo mês de outubro, é que há bastante arte antiga em exibição.

A Feira de Arte Frieze ocorre como de costume em uma tenda gigante no Regent's Park, com 175 galerias cheias de compradores potenciais e milhares de amantes da arte contemporânea, dedicados a se atualizar com as últimas tendências em um mundo em rápida transformação.

E há também os eventos secundários ao redor da capital, projetados para atrair os compradores mais ricos do mundo – leilões, feiras rivais, festas, inaugurações de galerias, exposições e vernissages discretas, longe da algazarra. Mas ao contrário das edições anteriores, a feira que vai de 11 a 14 de outubro deste ano conta com um evento separado chamado Mestres Frieze, com 96 galerias que apresentam trabalhos feitos ao longo dos últimos 4 mil anos.

As razões para a mudança são comerciais e culturais. Organizadores e galerias expositoras estão esperando mais negócios cruzados entre colecionadores de arte contemporânea e aqueles mais interessados em trabalhos mais antigos.

Eles também querem explorar a relação da arte com o passado, o que representa uma aceitação de que o que veio antes deve ser apreciado, bem como desafiado por jovens artistas iconoclastas.

"Acho que o que o torna interessante é o que vai sair de conversas com artistas contemporâneos", disse Victoria Siddall, diretora da nova feira. "Torna-se evidente que muitos deles estão olhando para as obras que foram feitas há muito tempo."

"Todas as galerias estão interessadas em encontrar novos clientes", contou ela à Reuters. "Há galerias contemporâneas e de antigos mestres, e espero que haja um cruzamento. Seria ótimo para ampliar os horizontes das pessoas em termos de o que eles colecionam."

Compradores "Medici"
Esse cruzamento já está acontecendo. Entre os clientes mais cobiçados das casas de leilões e galerias, estão os chamados compradores estilo "Medici", que adquirem arte de diferentes períodos e gêneros.

A Sotheby's disse que 30% dos compradores em seus leilões de obras de mestres antigos também tinham comprado em leilões de arte contemporânea, em comparação com 7% em 2007.

Não é por acaso que a casa está exibindo a obra de 1519 de Rafael "Cabeça de um Apóstolo", que vale até US$ 24 milhões, ao lado de obras de Jackson Pollock, Francis Bacon e Gerhard Richter, em sua sede de Londres esta semana.

Artistas também estão abraçando o olhar para o passado da Frieze. A feira tem organizado uma série de conversas reunindo grandes artistas contemporâneos com curadores importantes.

Para Mateus Slotover, que junto com Amanda Sharp começou a Feira de Arte Frieze em 2003, e lançou uma edição em Nova York este ano, o novo formato visual foi uma maneira de manter o evento fresco.

"Nós pensamos que é sempre bom inovar e experimentar coisas novas, uma vez que isso mantém as pessoas interessadas e animadas, e nos mantém interessados e animados também", disse ele à Reuters.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo