Topo

Entretenimento

Murdoch chega a Londres no último dia do News of the World

10/07/2011 12h04

LONDRES (Reuters) - O magnata da mídia Rupert Murdoch chegou a Londres neste domingo para lidar com o escândalo das escutas telefônicas que envolve um de seus jornais, abalou os meios políticos britânicos e pode levá-lo a ter de firmar um acordo multibilionário.

O australiano Murdoch, de 80 anos, dirigiu-se à sede de seu império, no leste de Londres, de onde saiu a última edição do News of the World - o jornal mais vendido do país e que ele fechara horas antes, em uma tentativa de conter a crise. Não ficou claro de quais reuniões Murdoch iria tomar parte nas próximas horas.

Mais conhecido por suas chamadas de capa sensacionalistas que expunham a vida pessoal dos ricos, famosos e membros da família real britânica, o News of the World saiu na edição deste domingo com um simples "Obrigado & Adeus", estampado sobre uma montagem de algumas de suas mais famosas chamadas em 168 anos de vida.

Para os admiradores, o tabloide era parte do ócio dos domingos; para os críticos, havia se tornado um símbolo da baixeza irresponsável na mídia britânica.

"Toda a vida humana estava aqui", declarou o News of the World em um suplemento especial para marcar sua última edição.

Murdoch parecia estar a ponto de obter na semana passada a firme aprovação de um prêmio desejado: a compra da rede de TV britânica por satélite BSkyB. No entanto, as revelações de que escutas telefônicas realizadas a mando de jornalistas do News of The World tinham ido além da vida das celebridades e incluíram parentes de vítimas dos atentados de 2005 em Londres, e de soldados mortos em ação, causaram ampla irritação na opinião pública.

O editor Colin Myler disse a um grande número de repórteres concentrados diante da redação do jornal que ele lamentava profundamente seu fechamento.

"Isto não é onde nós queríamos estar e não é onde nós merecemos estar, mas como tributo final a 7,5 milhões de leitores, isto é para vocês e para a equipe, obrigado."

O escândalo levantou questões sobre as relações entre políticos, incluindo o primeiro-ministro David Cameron - que havia contratado um ex-editor do jornal como seu assessor e conselheiro -, e os barões da mídia, como Murdoch, que é o presidente e executivo-chefe da News Corp.

O caso também trouxe à tona acusações de que jornalistas do império de Murcoch e outras pessoas pagaram ilegalmente à polícia para obter informações. Um dirigente da polícia disse que a força policial de Londres tinha sido "muito afetada" por sua falha em não levar adiante uma investigação prévia sobre escutas telefônicas relacionadas ao News of the World.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento