Topo

Entretenimento

Museu de Berlim estuda sociedade que gerou Hitler

13/10/2010 18h05

Por Stephen Brown

BERLIM (Reuters) - As soqueiras de metal, os cassetetes e as botas típicas de cano alto que estão na primeira parte de uma nova exposição sobre "Hitler e os Alemães", em Berlim, dão o tom da mostra, um olhar franco sobre a maneira como a sociedade alemã aderiu ao regime nazista em toda sua brutalidade.

Com muitos objetos de época expostos, desde uniformes da SS e Gestapo até um aparador da sala de trabalho de Hitler, a exposição revela como todos os níveis da sociedade alemã -- a imprensa, a indústria, a igreja, as escolas -- reforçaram o culto a Hitler na década de 1930 e a mantiveram ao longo da 2a Guerra Mundial, até o momento em que a derrota se configurou iminente.

Alguns órgãos de mídia têm descrito a mostra, que será aberta na sexta-feira no Museu Histórico Alemão, como uma primeira exposição, quebradora de tabus, sobre o próprio Adolf Hitler. Mas os curadores fizeram questão de destacar que seu foco é sobre a sociedade que gerou o ditador.

"Não queremos focar Hitler, como personalidade", explicou Hans-Ulrich Thamer, curador da exposição cujo subtítulo é "Nação e Crime", na pré-abertura para a mídia nesta quarta-feira.

"Queremos nos aprofundar sobre a ascensão do regime, como ele operou no poder e como caiu, e o potencial destrutivo tremendo desencadeado pelo nacional-socialismo", disse.

A exposição foi montada em um anexo moderno atrás do museu na Unter den Linden -- a avenida cujas tílias, ou "linden", Hitler cortou --, sem anúncios, para obedecer a uma lei alemã que proíbe a exposição de símbolos nazistas.

Em seu interior, porém, o espectador é imerso em um mundo de propaganda política que abrange desde maços de cigarros com o símbolo da suástica, até cartões de uniformes que podiam ser colecionados, passando por um carrinho de mão no qual era vendido o jornal do partido nazista, o "Voelkischer Beobachter."

RETRATOS DE HITLER

Ao mesmo tempo em que documentam a construção do Estado nazista, com sua indústria, suas rodovias (autobahns) e as celebrações populares de Hitler, os objetos expostos também refletem o ódio e discriminação raciais crescentes.

Um pôster mostra um garoto deficiente mental ao lado de um musculoso atleta loiro e avisa sobre os perigos demográficos que adviriam "se retardados tivessem quatro filhos e os sãos de mente tivessem apenas dois."

Em seguida estão expostos as estrelas amarelas que os nazistas obrigaram os judeus a ostentar em suas roupas e os uniformes listrados dos campos de concentração trajados por alguns dos 6 milhões de judeus, além de outras vítimas do nazismo, massacrados no Holocausto. Entre eles está um pequeno uniforme infantil dos campos de concentração.

Depois de mostrar a queda de Hitler, a exposição trata da discussão do nazismo na sociedade alemã do pós-guerra, observando que a revista noticiosa de grandes vendas Der Spiegel colocou Hitler em sua capa nada menos de 46 vezes entre 1949 e 2010.

"Desde a década de 1990, nem um ano se passou sem um retrato de Hitler na capa da revista," disseram os curadores.

Os objetos finais mencionam o fascínio dos neonazistas com memorabília de Hitler, expondo logotipos antifascistas.

Thamer foi indagado sobre o perigo de que o museu possa atrair neonazistas ansiosos por olhar os objetos de memorabília de Hitler. Ele respondeu que esse tipo de pessoa não frequenta museus.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento