PUBLICIDADE
Topo

Pop


Camila Cabello se abre sobre luta contra o TOC e faz live intimista; veja

Do UOL, em São Paulo

28/05/2020 13h21

Camila Cabello deu um presente para os fãs na noite de ontem, realizando a primeira de uma série de transmissões ao vivo intimistas, em que mostra versões acústicas de suas músicas ao violão. A cantora aprendeu a tocar o instrumento na quarentena, com aulas do namorado Shawn Mendes.

Esta primeira live trouxe seis músicas: "Never Be the Same", "Shameless", "Living Proof", "Dream of You", "Should've Said It" e o hit "Havana". Camila surpreendeu ao criar "medleys" entre algumas das canções, misturando os ritmos e melodias.

Desabafo

Ao mesmo tempo, a cubana assinou um artigo para a WSJ Magazine, se abrindo sobre sua luta contra transtornos psicológicos, especialmente o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). Ela contrastou sua vida real com a imagem que passa nas redes sociais.

"Eis o que as fotos do ano passado não mostram: eu chorando no meu carro enquanto falo com a minha mãe sobre os sintomas de TOC e ansiedade que estava sentindo; minha mãe e eu em um quarto de hotel lendo livros sobre TOC, porque eu estava desesperada por algum tipo de alívio; eu experimentando o que parecia ser constante, inclemente ansiedade, o que dificultou muito o meu dia a dia", escreveu Camila.

Por muito tempo, segundo a cantora, ela escondeu os seus problemas do público. "Eu não queria que as pessoas que achavam que eu era forte, capaz e confiante — as pessoas que acreditavam em mim — descobrissem que eu me sentia fraca", admitiu.

"Havia uma pequena voz na minha cabeça dizendo que, se eu dissesse a verdade sobre a minha saúde mental e as minhas batalhas internas (enfim, se eu me mostrasse humana), as pessoas pensariam que havia algo errado comigo, que eu não era forte, que eu não sabia lidar com as coisas", continuou.

Vida com TOC

Camila detalhou sua vida com o transtorno obsessivo-compulsivo, que para ela se manifestou na forma de "pensamentos e comportamentos incontroláveis", que fizeram com que ela se sentisse como se "a sua mente estivesse pregando uma peça nela". Fisicamente, ela sofreu de insônia, dores de cabeça e um persistente nó na garganta.

A ex-Fifth Harmony disse ainda que contou com a ajuda de terapia cognitiva comportamental, meditação e exercícios de respiração para aliviar os sintomas. "Hoje, eu me sinto o mais saudável e mais conectada a mim mesma que eu já estive", garantiu.

Nós vivemos em uma cultura que persegue uma perfeição impossível. As redes sociais podem nos fazer sentir como se precisássemos ser perfeitas, já que todo mundo parece ser. Longe de ser um sinal de fraqueza, reconhecer os nossos problemas e caminhar em direção à cura é poderoso"