PUBLICIDADE
Topo

Dalvan: Ídolo de Lula, sertanejo contra ditadura diz confiar em Bolsonaro

O cantor sertanejo Dalvan ao lado do locutor de rodeios Cuiabano Lima e do presidente Jair Bolsonaro - Reprodução/TV Brasil
O cantor sertanejo Dalvan ao lado do locutor de rodeios Cuiabano Lima e do presidente Jair Bolsonaro Imagem: Reprodução/TV Brasil

Paulo Pacheco

Do UOL, em São Paulo

15/02/2020 04h00

Resumo da notícia

  • O sertanejo Dalvan participou da solenidade com Jair Bolsonaro, há duas semanas
  • O cantor, que protestou contra a ditadura militar, diz confiar no presidente, defensor do golpe de 1964
  • O ex-presidente Lula é um dos fãs de Dalvan e usou a música "Massa Falida" em uma campanha eleitoral

A música sertaneja já foi politizada no Brasil. Nos anos 80, Duduca e Dalvan peitaram a ditadura militar com músicas como "Massa Falida" ("O próprio regime nos leva ao abismo"), cantada até por Luiz Inácio Lula da Silva, fã declarado da dupla. Por isso, chamou a atenção a presença deles na solenidade com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), defensor ferrenho do golpe de 1964, há duas semanas.

Apesar das divergências de opinião quanto à ditadura militar, Dalvan diz confiar no governo Bolsonaro, justificando sua participação no evento, em que também foi discutida a meia-entrada. Em entrevista ao UOL, o remanescente da dupla original (o primeiro Duduca morreu vítima de infarto, em 1986) afirmou ter esperança no governo atual.

"Temos que dar um voto de confiança ao Bolsonaro. Vimos tantas pessoas que, como deu na Lava Jato, ficaram expostas como más profissionais na política, que o nosso objetivo foi ter alguém em quem pudéssemos confiar pelo menos um pouco. Claro que o pessoal da oposição quer ver o homem cair. Ninguém quer ver as coisas darem certo. Acredito que temos que esperar. Por enquanto, ninguém deve condenar ninguém. Certas pessoas que querem condenar o Bolsonaro, problema de cada um", analisa.

O cantor sertanejo Dalvan - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
O cantor sertanejo Dalvan
Imagem: Reprodução/Instagram
Dalvan, que agora canta com o sobrinho, compôs a maioria das canções de sucesso, incluindo as politizadas, como "Espinheira" (Seria um Deus nos acuda um monte de Judas querendo perdão, com tanta gente graúda implorando ajuda com a Bíblia na mão") e "Massa Falida" ("Eu confesso, já estou cansado de ser enganado com tanto cinismo, não sou parte integrante do crime e o próprio regime nos leva ao abismo").

"Cursei direito, mas já era cantor e tinha a ideia de gravar protestos, mesmo como compositor, porque antes trabalhei com banda, trabalhei nas polícias militar e civil e também fiz Exército. Gostava desse tipo de canto, tanto que regravei a música do Geraldo Vandré, 'Pra Não Dizer que Não Falei das Flores'", afirma Dalvan, citando a música que se tornou hino contra a ditadura militar.

Lula

O ex-presidente Lula usou "Massa Falida" na campanha para deputado constituinte, em 1986, e foi eleito com 650 mil votos, recorde na época. "Chegava às 5 horas da manhã na porta de fábrica e colocava esta música para tocar e o povo parava para ouvir porque é uma música bonita, a letra é bonita, tem um conteúdo político importante", elogiou no programa "Café com o Presidente" de 29 de dezembro de 2003.

Dalvan ao lado de Lula durante campanha do então presidente à reeleição, em 2006 - Reprodução/YouTube - Reprodução/YouTube
Dalvan ao lado de Lula durante campanha do então presidente à reeleição, em 2006
Imagem: Reprodução/YouTube
Quando deixou a cela da Polícia Federal, em Curitiba, Lula também citou "Massa Falida" no primeiro discurso fora da prisão. Dalvan e o ex-presidente se encontraram durante a campanha de Lula à reeleição presidencial, em 2006. A Operação Lava Jato abalou a confiança do sertanejo, mas ele isenta o líder petista dos crimes cometidos durante o governo.

"Lula era diferente, e o povo estava tão desesperado que tudo que aparece como tábua de salvação a gente agarra. O problema não é Lula, mas quem estava do lado dele. Ele disse para mim pessoalmente: Dalvan, eu tenho cinco dedos na mão, é como se eu tivesse uma família com cinco filhos. Às vezes controlo um filho, controlo dois, mas não controlo os cinco. É muito ministro, muita gente em quem tem que confiar", relembra o sertanejo.

A dupla sertaneja Duduca & Dalvan canta na gravação do DVD "O Regresso" - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
A dupla sertaneja Duduca & Dalvan canta na gravação do DVD "O Regresso"
Imagem: Reprodução/Instagram
Em nova fase, Dalvan e o sobrinho se preparam para lançar um álbum comemorativo, com regravações de sucessos e sete músicas inéditas. O DVD "O Regresso", gravado em dezembro de 2017, ficou emperrado durante dois anos, mas a dupla conseguiu uma gravadora para dar sequência ao projeto.

"Gravamos com participações de Bruno & Marrone, Rionegro & Solimões, Trio Parada Dura, Gusttavo Lima, Naiara Azevedo, Di Paullo & Paulino. Demoramos uns quatro meses para editar, mas tivemos uns problemas com a liberação e o DVD ficou parado. Só lançamos a música 'Não Volto de Pirraça', com Naiara Azevedo, que tem mais de 1 milhão de acessos", diz o cantor.