PUBLICIDADE
Topo

Oscar 2020: Democracia em Vertigem é indicado a melhor documentário

Reprodução/Netflix
Imagem: Reprodução/Netflix

Do UOL, em São Paulo

13/01/2020 10h31

Democracia em Vertigem, dirigido por Petra Costa e distribuído pela Netflix, foi indicado ao Oscar 2020 de melhor documentário. O filme concorre com Indústria Americana (produzido pelo casal Barack e Michelle Obama), The Cave, For Sama e Honeyland. O anúncio das indicações foi feito na manhã dessa segunda-feira (13), veja a lista completa.

Em Democracia em Vertigem, Costa faz um retrato do processo que tirou Dilma da presidência do Brasil, em 2016, a partir de um ponto de vista pessoal, misturando sua história familiar com a trajetória política do país. A história começa a ser contada a partir do primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003, e segue analisando a posterior crise política no Brasil.

Em entrevista ao UOL, por telefone, Petra disse que não esperava a indicação, e comemorou a surpresa. A diretora mineira ainda se diz honrada por concorrer em uma categoria que traz mais diretoras mulheres (dos cinco títulos indicados, quatro são dirigidos ou codirigidos por mulheres e quatro são de fora dos Estados Unidos) e mais diversa.

"A categoria de documentários está representando o feminino de uma forma impressionante e também representando o cinema estrangeiro. Isso reflete um passo muito importante que a Academia tem dado para incluir mais membros estrangeiros e mais mulheres entre os votantes", diz ela. "Estou feliz pelo Brasil e pela América Latina em um ano que não tem nenhum latino-americano indicado como melhor filme estrangeiro e nenhuma mulher indicada como melhor diretora. É muito importante estar representando nessa categoria", completa (leia a entrevista completa).

Crítico de cinema do UOL, Roberto Sadovski posiciona o filme como um dos momentos de brilho do cinema brasileiro em 2019. "Democracia em Vertigem surge mais como manifesto do que como documentário. O que é perfeito, já que a diretora, mais do que qualquer outro cineasta pátrio, traz as credenciais para fazer essa jornada no tempo e pelos bastidores do poder. Neta dos fundadores da empreiteira Andrade Gutiérrez, ela faz parte da mesma elite que dá as cartas na política nacional desde sempre - os "donos do Brasil", confortáveis em fortunas passadas de geração em geração, onipresentes no agronegócio, em construtoras, na estrutura financeira do país", conta ele, em sua crítica.

"Ao mesmo tempo, seus pais foram militantes da esquerda durante os Anos de Chumbo, vivendo uma década na clandestinidade, lutando contra a ditadura militar que esmagou a liberdade no país por vinte anos após o golpe de 1964", conta Sadovski. Já o colunista de TV Mauricio Stycer lembra que o filme ressoa entre os cidadãos americanos preocupados com o governo de Donald Trump, listando críticas positivas de jornais como o New York Times.

No agregador de críticas Rotten Tomatoes, Democracia em Vertigem tem 96% de aprovação entre os críticos mais influentes. O filme teve estreia no Festival de Sundance, em janeiro de 2019, e chamou atenção da crítica e imprensa especializada pelo circuito de festivais nos quais foi exibido. O documentário, lançado globalmente pela Netflix em junho do ano passado, já vinha surgindo como nome forte nas premiações. Ele foi indicado ao Critics' Choice Documentary Awards, ao Gotham Awards e ao IDA Documentary Awards.

Com a indicação ao Oscar, o filme entra para a seleta lista de brasileiros que conquistaram indicações à maior premiação do cinema, ao lado de produções como Cidade de Deus e Central do Brasil.

Assista ao trailer de Democracia em Vertigem

Polarização nas redes

A indicação de Democracia em Vertigem acirrou ainda mais a polarização política nas redes sociais. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva comemorou, em seu Twitter. "Parabéns, Petra Costa, pela seriedade com que narrou esse importante período de nossa história", escreveu, se referindo à diretora do longa. "Viva o cinema nacional! A verdade vencerá".

Manuela D'Ávila (PCdoB), ex-candidata à vice-presidência, lembrou que, em caso de vitória, Petra Costa pode se tornar a primeira diretora latino-americana a conquistar o prêmio.

Já o perfil do PSDB na mesma rede social chamou a produção de "ficção". O secretário Especial de Cultura do governo Federal, Roberto Alvim, ironizou a indicação de em entrevista à coluna de Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo: "Se fosse na categoria ficção, estaria correta a indicação", afirmou.

O Movimento Brasil Livre aproveitou para divulgar o filme feito por ele sobre o processo de impeachment. "O MBL fez seu próprio filme sobre o impeachment de Dilma, prestigiando você que foi às ruas para construir um Brasil melhor, e não quem estava roubando a nação nos Palácios em Brasília. Assista agora 'Não Vai ter Golpe' no iTunes, YouTube, Google Play, NET Now e Looke", disseram os membros, no Twitter.

Oscar