PUBLICIDADE
Topo

Atriz que participou de Capitão América é acusada de matar a mãe nos EUA

Mollie Fitzgerald - Polícia do condado de Johnson
Mollie Fitzgerald Imagem: Polícia do condado de Johnson

Colaboração para o UOL, em São Paulo

01/01/2020 16h44

A atriz e cineasta Mollie Fitzgerald, de 38 anos, que participou de Capitão América: O Primeiro Vingador (2011), foi acusada de matar a própria mãe em uma história ainda nebulosa que aconteceu em Kansas City, nos Estados Unidos.

De acordo com vários veículos locais, ela foi presa ontem em Olathe, que fica no condado de Johnson, no Kansas. Segundo o site USA Today, Mollie teria esfaqueado Patricia Fitzgerald dentro da casa da família, que fica no subúrbio de Kansas City.

Após ser detida, ela foi acusada pela delegacia local de assassinato de segundo grau, e mantida encarcerada sob fiança de US$ 500 mil (cerca de R$ 2 milhões). Não houve informações de que algum advogado contratado por ela pudesse falar em seu nome, apesar dos pedidos da imprensa local. Um porta-voz da polícia de Olathe foi contatado para falar sobre o assunto, mas não atendeu as ligações.

Mollie, que teve um pequeno papel em Capitão América: O Primeiro Vingador, tem trabalhado mais como produtora e diretora nos últimos anos, segundo mostra a seu perfil no IMDB. Ela tem se dedicado a filmes de baixo orçamento, como o curta The Creeps, de 2017, que produziu e dirigiu.

No filme da Marvel, além de ter atuado, ela também trabalhou como assistente do diretor Joe Johnson. "Fazer parte desta produção foi uma das melhores experiências da minha vida", disse ela em uma entrevista de 2011, época do lançamento do filme.

O caso ainda é um mistério para a família de Mollie. Segundo Gary Hunziker, irmão da vítima, Patrícia estava voltando para Kansas City após um longo período vivendo em Houston, no Texas, onde seu marido tinha um escritório de advocacia. Ele disse ao Kansas City Star ter poucas informações sobre a morte de sua irmã.

"Ficamos chocados", disse Gary, ressaltando: "Não importa as circunstâncias, a perda de uma irmã é o que importa".