Topo

Star Wars


Star Wars 9: Abrams diz que trailers só "arranharam a superfície" da trama

Do UOL, em São Paulo

19/11/2019 11h33

Resumo da notícia

  • J.J. Abrams promete que trailers de Star Wars: A Ascensão Skywalker não entregaram demais
  • Para Oscar Isaac (Poe), filme é mais próximo do espírito da trilogia original
  • Daisy Ridley diz que mistério dos pais de Rey ainda não foi totalmente resolvido
  • Abrams sobre participação de Leia: "É Carrie Fisher em tela, e não um truque digital"
  • Estreia de Star Wars: A Ascensão Skywalker acontece no dia 19 de dezembro

J.J. Abrams tem palavras tranquilizadoras para os fãs de Star Wars que estão preocupados com o excesso de revelações nos trailers de A Ascensão Skywalker, nono capítulo da franquia, que chega aos cinemas em 19 de dezembro.

"Os trailers só arranharam a superfície do filme", comentou ele em entrevista para a Entertainment Weekly. Abrams também falou sobre a agenda corrida do longa, revelando que teve três meses a menos para finalizá-lo do que usou para acabar Star Wars: O Despertar da Força (2015).

"No entanto, nós tivemos que fazer mais refilmagens em O Despertar da Força, mais ajustes na história. Nós não sabíamos se os personagens iam funcionar, se os atores seriam capazes de carregar um filme de Star Wars", relembrou.

"Desta vez, sabíamos quem e o quê funcionava para os fãs, e todo mundo está fazendo o melhor trabalho que eu já vi. Por outro lado, a ambição [de A Ascensão Skywalker] e muito maior. O que tentamos fazer aqui é mais desafiador. Tudo ficou maior", comentou ainda.

Poe, Rey e Finn

Segundo Oscar Isaac, que retorna para interpretar o piloto rebelde Poe Dameron, A Ascensão Skywalker tem mais do espírito da trilogia original. Buscando realismo na relação de Poe, Rey (Daisy Ridley) e Finn (John Boyega), que partem em missão conjunta pela primeira vez, Abrams incentivou os atores a improvisarem diálogos.

"Além disso, temos o fato que Rey tem...", começou o ator, se contendo para não soltar um spoiler. "Rey está conduzindo a sua própria história. Ela não está mais fazendo algo que os outros estão mandando".

Ridley é igualmente vaga sobre os poderes da personagem. "Eu tenho mais habilidades neste novo filme, mas eu não descreveria Rey como 'confiante'. Ela está mais no controle de tudo, e tem algumas coisas que ela aprendeu a fazer, mas continua sendo vulnerável e insegura", contou.

Além disso, a protagonista passa por provações emocionais. "É uma história pesada. Tive dias nas filmagens em que eu pensava: 'Não consigo fazer isso. Estou tão cansada. Não consigo acessar essa emoção mais uma vez'", disse.

Parte desse "peso" está, conforme adiantou Ridley, em novas revelações sobre os pais de Rey. Em Star Wars: Os Últimos Jedi, o vilão Kylo Ren (Adam Driver) disse para a protagonista que seus pais eram "zé ninguéns bêbados que a venderam por dinheiro", mas Ridley adianta que há mais do que isso na história.

"Toda a questão dos pais dela não foi resolvida — nem para ela, nem para o público. Isso é algo que ela ainda está tentando descobrir. Ela quer saber de onde veio", contou a atriz.

Kylo e Leia

Do outro lado da moeda, o vilão Kylo Ren "deixou de ser um moleque mimado", segundo o intérprete Adam Driver, quando o reencontramos em A Ascensão Skywalker. Matar o Supremo Líder Snoke em Os Últimos Jedi foi "como um renascimento para ele", relatou o ator.

Ele também rejeitou rótulos quanto a relação de Kylo com Rey. "Eu não acho que seja só uma coisa. Parte da diversão de interpretar esses personagens é que a relação deles continua mudando. Às vezes é mais íntima, e às vezes menos. Às vezes é co-dependente, e às vezes é de rivalidade", disse.

Outro aspecto importante do filme é o retorno de Carrie Fisher como a General Leia. Embora a atriz tenha morrido em dezembro de 2016, Abrams e sua equipe recuperaram cenas deletadas de Os Últimos Jedi para aproveitar em A Ascensão Skywalker.

"Para mim, dizer que Leia tinha morrido, ou que estava em algum outro canto da galáxia, seria trapacear", definiu o diretor. "Então eu me lembrei das cenas que não usamos em Os Últimos Jedi, e foi como encontrar uma resposta impossível para uma pergunta impossível".

"De repente, tínhamos momentos incríveis de Carrie em cena. Quando você assistir ao filme, é ela que está lá. Não é algum tipo de truque digital. É simplesmente ela", completou.

Star Wars