Topo

Entretenimento


"Atacada, sucateada, censurada", diz Alê Youssef sobre mudança na Cultura

Alê Youssef, secretário municipal de Cultura de São Paulo - Edson Lopes Jr/UOL
Alê Youssef, secretário municipal de Cultura de São Paulo Imagem: Edson Lopes Jr/UOL

Do UOL, em São Paulo

07/11/2019 11h54

O secretário de Cultura do município de São Paulo, Alexandre Youssef, usou suas redes sociais para criticar mudança promovida pelo governo federal na Secretaria da Cultura nesta quinta-feira. O órgão, que representa o extinto Ministério da Cultura, estava alocado na pasta da Cidadania desde o começo do ano e foi transferido para o Ministério do Turismo.

Decreto publicado hoje e assinado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) oficializa a transferência.

"Que absurdo a cultura do nosso país sendo tratada dessa forma. Atacada, sucateada, censurada. E agora, jogada como uma sub pasta de um ministério para outro", diz o secretário de São Paulo.

"A classe cultural precisa se levantar unida, para erguer a bandeira da nossa identidade nacional. É disso que se trata: cultura é identidade!"

Também foram transferidas para o Turismo atribuições como a proteção do patrimônio histórico, artístico e cultural, e regulação dos direitos autorais, segundo a Folha de S.Paulo.

O Ministério do Turismo é comandado por Marcelo Álvaro Antônio, denunciado pelo Ministério Público Federal por suspeita de envolvimento em esquema de candidaturas laranjas do PSL.

Frota ironiza transferência e faz piada com Bolsonaro

Em um post no Twitter, Alexandre Frota (PSDB) ironizou a transferência entre ministérios e fez piada com o presidente, citando o escândalo dos laranjas do PSL, partido de Bolsonaro.

"Com a ideia de Bolsonaro transferir a Secretaria de Cultura que estava na Cidadania para o Ministério do Turismo acho que o primeiro filme a ser realizado poderia ser o Meu Pé de 'LARANJA' Lima", postou o deputado. O romance original, Meu Pé de Laranja Lima, foi lançado em 1968 por José Mauro de Vasconcelos.

Ontem, o então secretário especial da Cultura, o economista Ricardo Braga, foi exonerado do cargo para assumir um novo posto no governo. Ele atuará no Ministério da Educação como secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior (Seres), no lugar de Ataide Alves. A mudança consta de decreto e portarias publicadas no Diário Oficial da União de ontem.

Frota vem se comportando em rota de colisão com a família Bolsonaro, após deixar o PSL e depor na CPI das fake news, acusando Olavo de Carvalho, deputados e o atual governante de atuarem em rede de veiculação de notícias falsas.

Entretenimento