Topo

Pop


Cleo faz parcerias internacionais e sonha cantar com Anitta: "Um norte"

Cleo, que tirou o "Pires" do nome artístico - Divulgação/Facebook
Cleo, que tirou o "Pires" do nome artístico Imagem: Divulgação/Facebook

Leonardo Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

03/11/2019 04h00

Depois de lançar dois EPs em 2018, que ganharam críticas e elogios, Cleo já traçou seus planos musicais para ano que vem: retornar com um novo disco, seu mais ambicioso até aqui, que trará compositores e produtores internacionais como Lindy Robbins (Demi Lovato), Bibi Bourelly (Rihanna) e José Luis Pagan (J-Lo).

Entre os "feats" do novo projeto haverá uma parceria com Pocah, revelação do pop/funk, que cantará na música Quem. O clipe será rodado neste mês de novembro. Em entrevista ao UOL, Cleo diz que sua expectativa é alta após voltar de uma temporada nos Estados Unidos, onde montou um "acampamento criativo" em que fez contatos, criou e começou a planejar as músicas do novo EP.

Lá, por meio do empresário, conheceu CeeLo Green, que veio a São Paulo na semana passada, à convite de Cleo, para participar de um jantar. As conversas já começaram, e a ideia é fechar parceria com o cantor de Crazy e Fuck You em breve, para futuros trabalhos. "Acho que, se a parceria sair, vai sair um som bem misturado. Ele ama funk e sons brasileiros", adianta ela.

UOL - Qual é a chance a parceria com CeeLo Green acontecer?

Cleo - É uma amizade ainda. Não acertamos nenhuma parceria profissional. Quando fizemos o acampamento nos EUA, ele recebeu a gente em um jantar. Apresentou a família dele. A mulher dele é o máximo. Então resolvemos retribuir isso aqui no Brasil. Cara, ele é louco pelos sons brasileiros. A gente tem falado em fazer coisas, mas queremos que aconteça de forma natural.

Você está entrando em um universo pop que é extremamente competitivo e difícil. Como lidar com essa pressão?

Sou muito autocrítica e às vezes eu tenho que ligar o foda-se. Vou fazer e pronto. Senão nunca lançarei nada. É difícil falar sobre isso. Acho que coloco bastante pressão em mim mesma. Mas tenho bastante consciência. Eu falo comigo mesma: "Foda-se, não vai ser perfeito. Vai ter coisa ruim. Mas é isso". A arte é um processo. Não é um resultado.

Cleo e CeeLo Green se encontram em SP - Francisco Cepeda/AgNews
Cleo e CeeLo Green se encontram em SP
Imagem: Francisco Cepeda/AgNews

Você é perseguida por haters há anos. Não dá vontade de simplesmente parar de usar internet?

Acho que ninguém gosta de ficar sendo julgado. Odiado. Ouvindo discurso de ódio sobre você o tempo inteiro. É obvio que cansa. Mas com o tempo você passa a se distanciar daquilo. Percebe que aquela pessoa não tem ideia do que está falando. Ela está falando sobre ela, não está falando sobre você.

Acha que o momento político polarizado está contribuindo para isso?

Acho que sim. Mas não leio comentário de outras páginas. Só os da minha. Porque sei que virá marretada. Mas, quando dói, e às vezes dói, eu tenho o privilégio de ter onde cair. Minha família me dá muito apoio. Minhas irmãs, meu pai Orlando, meu pai Fábio. Todos. E também tenho uma equipe incrível, que é como se fosse uma segunda família pra mim.

Ser atriz ou cantora? Qual será a Cleo de 2020?

Hoje tenho duas carreiras em prioridade. Quando vejo que está mais suave de um lado, eu foco no outro. Tenho filmes rodados, e agora estou produzindo e prospectando bastante coisa na música. Comecei agora. Quero explorar todas as possibilidades. Eu me sinto muito pop, muito rock, muito samba, soul. Quero usar todas essas referências que me tocaram a vida toda e continuam me tocando.

Você vai cantar com Pocah. Já pensou em um feat "dos sonhos" com Anitta?

Quero fazer feat com todo mundo que eu gosto. Anitta é maravilhosa. Ela é um norte para todo mundo! Uma mulher brasileira, que veio do nada e ajudou a levar o funk para o mundo inteiro. Ela é o que ela quer. Na hora que ela quer. Acho isso de muito valor. Com certeza seria um feat dos sonhos.

Pop