Topo

Música


BNegão diz que teve show censurado: "Estão tentando transformar em um Estado policial"

O cantor BNegão - Mariana Pekin/UOL
O cantor BNegão
Imagem: Mariana Pekin/UOL

Rodolfo Vicentini

Do UOL, em São Paulo

31/07/2019 19h54

O cantor BNegão falou pela primeira vez sobre o seu show que foi interrompido durante o Festival de Inverno de Bonito (MS) pela Polícia Militar. Segundo o artista, o caso demonstra censura e é mais um exemplo de que os governantes "estão tentando transformar [o Brasil] em um Estado policial".

"Não só acabaram com o show, como expulsaram a galera empurrando, com cassetete, mostrando arma e jogando gás de pimenta", contou BNegão em entrevista por telefone ao UOL.

A apresentação de BNegão e Seletores de Frequência aconteceu no último sábado (27), logo após o show de Gal Costa, que dançou em cima do palco enquanto o público xingava o presidente Jair Bolsonaro.

O estopim

Segundo o cantor, o estopim da situação foi quando ele disse no palco que produtores do evento haviam sido agredidos por policiais, dois dias antes. "Eu falei [sobre] isso no meio do show. Deu duas músicas e a apresentação foi interrompida. Foi uma censura, não tem como. Os caras estão nesta onda", acrescenta. "O prefeito falou depois que não é para fazer manifestação política. Então é censura total."

A Prefeitura Municipal de Bonito divulgou uma nota de repúdio pelas "manifestações políticas desrespeitosas" que aconteceram durante o festival.

"Antes de tudo, é importante destacar que o evento é promovido pelo Estado de Mato Grosso do Sul e não tem viés político, sendo um festival cultural. A Prefeitura de Bonito entende que todos têm direito a expressão, mas não concorda com manifestações explícitas de lados políticos, ou mesmo desrespeito aos atuais governantes durante o evento, seja por artistas contratados e pagos com recursos públicos federais, estaduais e municipais, ou por parte do público presente", diz o texto.

BNegão & Seletores de Frequência se apresentam no Festival de Inverno de Bonito (MS) - Daniel Reino/Divulgação
BNegão & Seletores de Frequência se apresentam no Festival de Inverno de Bonito (MS)
Imagem: Daniel Reino/Divulgação

"Temos um presidente que é psicopata"

Mesmo à frente do Planet Hemp, BNegão garantiu que nunca passou por situação semelhante: "Já houve tentativas e shows cancelados, mas nunca durante uma apresentação".

Para ele, os políticos que integram o governo estão apoiando cada vez o aparato policial e a violência por parte do Estado. "Estão tentando transformar [o Brasil] em um Estado policial. Bolsonaro é o mais alto mandatário do país e o cara que passa essa permissão e incentivo diário".

O cantor opina ainda que um órgão internacional é necessário para cuidar do Brasil, já que "não tem autoridade aqui para isso".

"Independente de ser esquerda, direita ou centro, quem tem a ideia mínima de civilização tem que pedir um basta nisso. Temos um presidente que é um psicopata, que nem deveria estar lá. Ele não pode ser não nem síndico de condomínio, não tem condições, cognição, nada".

Posicionamento da organização do festival

Após a publicação da matéria, a assessoria de imprensa da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, responsável pela realização do festival, enviou nota para o UOL por e-mail. Veja o texto na íntegra:

A Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, instituição responsável pela realização da 20ª edição do Festival de Inverno de Bonito, vem a público esclarecer alguns pontos relativos à apresentação do cantor BNegão e a banda Seletores de Frequência, que ocorreu no dia 27 de julho, no palco do CMU.

A Polícia Militar solicitou o encerramento do show pouco depois das 3h da manhã, por conta do vencimento do alvará que liberava a realização do espetáculo. A Fundação de Cultura apenas cumpriu a lei e nega veementemente qualquer tentativa de censura ou autoritarismo.

Realizamos um Festival plural, democrático, onde mais de 40 mil pessoas participaram de 111 atividades nas áreas do cinema, música, artes visuais, circo, dança, gastronomia e teatro, entre outras manifestações culturais.

Temos a missão de desenvolver e fomentar a arte, os costumes, as tradições, a cultura e o patrimônio de Mato Grosso do Sul, e não compactuamos com nenhum tipo de mordaça. Se houve eventuais excessos, de qualquer natureza, a Fundação de Cultura se exime de qualquer responsabilidade.
O próprio cantor BNegão, em suas redes sociais, admitiu que o Festival de Inverno de Bonito "não tem culpa no cartório".

Prosseguimos com o nosso trabalho que é promover o acesso à arte, cultura e conhecimento, desenvolvendo todos os anos festivais em Bonito que proporcionem momentos de entretenimento e aprendizado a moradores do Estado e turistas, e também colaborem impulsionando a economia do município e de todo o Mato Grosso do Sul.

Música