Topo

Entretenimento


Morre o ator Lúcio Mauro aos 92 anos: "Ele merecia esse descanso", diz filho

O ator Lucio Mauro, então com 82 anos - Filipe Redondo / 01.04.2009 - Folhapress
O ator Lucio Mauro, então com 82 anos Imagem: Filipe Redondo / 01.04.2009 - Folhapress

Do UOL, em São Paulo

12/05/2019 05h22

O ator e comediante Lúcio Mauro morreu na noite de ontem, aos 92 anos, de falência múltipla orgânica. Ele estava internado havia quatro meses na clínica São Vicente, no Rio de Janeiro, com problemas respiratórios.

O velório será realizado amanhã, a partir das 9h, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, e será aberto ao público. A família não divulgou informações do enterro.

Lúcio Mauro Filho comunicou a morte do pai em seu perfil no Instagram. Ele contou que o comediante "lutou até suas últimas forças" e "merecia esse descanso". Filho estava trabalhando na peça "5X Comédia", em São Paulo, no instante em que o pai morreu.

"Por volta das 22 horas deste sábado, meu amado pai serenou. Ele merecia esse descanso. Lúcio Mauro teve uma vida linda, uma carreira vitoriosa, cinco filhos, cinco netos, dois casamentos, com Arlete e Lu, duas mulheres fantásticas que se tornaram amigas e mantiveram essa família unida. Papai foi um pioneiro, saiu do teatro de estudante lá no Pará, foi para o Recife, fez rádio, inaugurou a televisão no Nordeste e de lá, veio para o Rio de Janeiro para se tornar um dos maiores artistas deste país", escreveu Filho na rede social.

"Me influenciou em tudo. O homem que sou, o artista, o pai de família, o amigo. Eu nada seria sem seus ensinamentos. Tivemos o prazer de trabalhar juntos, na TV, no teatro, no cinema e na publicidade. Rodamos o Brasil colocando nossas vidas a serviço da arte, em 'Lucio 80-30', quando ele teve a chance de dividir o palco com os filhos. Não faltou nada", prosseguiu o filho de Lúcio Mauro, que detalhou o estado de saúde do pai e sua batalha pela vida.

"Há três anos ele sofreu um AVC. Foi forte e resistiu. Mas já não era a mesma coisa. Preso a uma HomeCare, ele lutou até suas últimas forças. Ainda teve a alegria de conhecer Liz, a neta inesperada que chegou para promover o ciclo da vida. Estava internado havia quase quatro meses. A esticada foi longa e sofrida. Agora só restava o descanso que ele tanto merece. Meus agradecimentos a todos os funcionários da clínica São Vicente, onde papai sempre foi cuidado com carinho e profissionalismo. À Rede Globo pela parceria e lealdade. Nós ficamos por aqui, celebrando sua existência e seguindo com seu legado. Vai com Deus meu velho. Vai se juntar a Chico [Anysio], Agildo [Ribeiro], [Paulo] Silvino, Rogério [Cardoso], Miele e tantos outros, para juntos fazerem cócegas nas estrelas. Obrigado por tudo! Viva, Lúcio Mauro!", concluiu.

Por volta das 22 horas deste sábado, meu amado pai serenou. Ele merecia esse descanso. Lucio Mauro teve uma vida linda, uma carreira vitoriosa, 5 filhos, 5 netos, dois casamentos, com Arlete e Lu, duas mulheres fantásticas que se tornaram amigas e mantiveram essa família unida. Papai foi um pioneiro, saiu do teatro de estudante lá no Pará, foi pro Recife, fez rádio, inaugurou a televisão no Nordeste e de lá, veio para o Rio de Janeiro pra se tornar um dos maiores artistas deste país. Me influenciou em tudo. O homem que sou, o artista, o pai de família, o amigo. Eu nada seria sem seus ensinamentos. Tivemos o prazer de trabalhar juntos, na TV, no Teatro, no Cinema e na Publicidade. Rodamos o Brasil colocando nossas vidas a serviço da arte, em "Lucio 80-30", quando ele teve a chance de dividir o palco com os filhos. Não faltou nada. Há três anos ele sofreu um AVC. Foi forte e resistiu. Mas já não era a mesma coisa. Preso a uma HomeCare, ele lutou até suas últimas forças. Ainda teve a alegria de conhecer Liz, a neta inesperada que chegou pra promover o ciclo da vida. Estava internado há quase quatro meses. A esticada foi longa e sofrida. Agora só restava o descanso que ele tanto merece. Meus agradecimentos á todos os funcionários da Clínica São Vicente, onde papai sempre foi cuidado com carinho e profissionalismo. Á Rede Globo pela parceria e lealdade. Nós ficamos por aqui, celebrando sua existência e seguindo com seu legado. Vai com Deus meu velho. Vai se juntar a Chico, Agildo, Silvino, Rogerio, Miele e tantos outros, para juntos fazerem cócegas nas estrelas. Obrigado por tudo! Viva Lucio Mauro! ?

Uma publicação compartilhada por Lucio Mauro Filho (@luciomaurofilhooficial) em

Saúde fragilizada

A saúde de Lúcio Mauro estava frágil desde 2016, quando ele sofreu um derrame. Depois disso, passou por uma infecção urinária, gastroenterite e outros problemas de saúde.

Ele comemorou seu aniversário no último 14 de março, junto a netos e filhos. Lúcio Mauro Filho registrou o momento no Instagram:

Em março, sua filha Luly Barbalho compartilhou selfie com ele, já debilitado.

Trajetória

Um dos grandes nomes do humor brasileiro, Lúcio de Barros Barbalho nasceu em Belém (PA) em 14 de março de 1927. Ele iniciou sua carreira profissional em Recife (PE), na companhia teatral do ator Mário Salaberry, após anos atuando em produções estudantis. Após a morte de Salaberry, em um trágico acidente ocorrido quando os atores viajavam em direção ao Rio, Lúcio retornou ao Recife, onde conheceu o comediante Barreto Júnior, com quem trabalhou no teatro.

Sua estreia na TV veio em 1960, no humorístico "Beco sem Saída", da TV Rádio Clube de Pernambuco. Pouco depois, ele se mudou para o Rio de Janeiro e trabalhou na TV Rio e na TV Tupi, onde dirigiu a produção "A, E, I, O... Urca!" e estrelou, ao lado de sua então mulher Arlete Salles, o programa "I Love Lúcio".

Foi em 1966 que Lúcio Mauro migrou para a Globo. Seu primeiro trabalho na casa foi em "TV0-TV1", humorístico que fazia paródias da TV brasileira e contava com a presença de Jô Soares e Agildo Ribeiro. Seu primeiro maior sucesso na emissora, porém, veio dois anos depois, com o "Balança, Mas Não Cai", que ele criou e dirigiu. Foi no humorístico que surgiu o quadro "Ofélia e Fernandinho" --que mais tarde seria revivido em "Os Trapalhões" (1989) e no "Zorra Total" (1999).

Lúcio Mauro teve como grande amigo e parceiro na TV o também humorista Chico Anysio. Os dois se conheceram em Recife, na Rádio Clube de Pernambuco, e levaram adiante uma amizade "de irmãos". Eles atuaram juntos em vários programas, como "Chico City" (1973), "Chico Anysio Show" (1982), "Chico Total" (1996) e "A Escolinha do Professor Raimundo" (1990), na qual Lúcio Mauro fez sucesso no papel de Aldemar Vigário.

"Ficou essa coisa sublinhada, essa coisa marcante demais da minha convivência com o Chico, a convivência que passou a ser uma coisa quase familiar, de irmãos. Quando Chico se tornou comediante, tudo o que o Chico fazia era comigo. A minha amizade com o Chico foi uma coisa que veio da infância", disse Lúcio em entrevista à rádio Globo por ocasião da morte do amigo, em 2012.

A parceria de Lúcio e Chico foi repetida em 2015 pelos filhos dos atores, Lúcio Mauro Filho e Bruno Mazzeo, na nova versão da "Escolinha" - e foi justamente nela que Lúcio Mauro realizou seu último trabalho na TV, em uma participação mais do que especial. "Ele gravando com o Bruno foi um negócio mágico, emocionante, as pessoas subiram correndo para ver. Papai se emocionou muito, foi um negócio muito forte", contou Mauro Filho ao UOL na época.

Além da "Escolinha", Lúcio Mauro fez uma série de participações na Globo nos últimos anos, entre novelas como "Gabriela" (2012) e "A Favorita" (2008) e humorísticos como "A Grande Família" e "Zorra Total".

No cinema, não teve uma carreira tão prolífica quanto na TV: esteve em apenas 11 filmes, sendo o primeiro o drama "Terra Sem Deus" (1963). Seu último crédito foi outra parceria com Lúcio Mauro Filho: a comédia "Vai que Dá Certo 2", na qual interpretou Altamiro.

O ator voltou a contracenar com os filhos em 2014, no penúltimo episódio de "A Grande Família". Ele foi o pai e Luly, a irmã de Tuco, personagem de Lúcio Mauro Filho.

Em 2015, o ator fez uma participação especial da releitura da "Escolinha do Professor Raimundo", que foi exibida pela Globo e pelo canal pago Viva.

Fora das telas, Lúcio Mauro foi casado por 12 anos com Arlete Salles, até 1970. Com ela, teve dois filhos: Alexandre Barbalho e Gilberto Salles. Depois, ele se casou com Ray Luiza Barbalho, com quem estava até hoje. Juntos, eles tiveram Luciane Maria, Lúcio Mauro Filho e Luanna Barbalho.

Entretenimento