PUBLICIDADE
Topo

Liniker supera problemas de 2018 e vai à forra no Lollapalooza: "Estamos aqui pra resistir"

Leonardo Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

06/04/2019 14h07

A cantora Liniker passou por uma experiência traumática na última edição do Lollapalooza, quando um problema técnico a obrigou a deixar o festival após 20 minutos de apresentação. O choro da artista repercutiu e, mesmo com a posterior participação no show do grupo Francisco, el Hombre, a necessidade de um acerto de contas com a produção do evento ficou no ar, e ele aconteceu no início da tarde de hoje, no palco Onix do Lollapalooza, em um show que acabou com olhos marejados, as palavras "Ele Não" no telão e gritos contra Bolsonaro na plateia.

Adivinhem quem a plateia xingou?

O esperado discurso político, uma tônica do festival, aconteceu ao fim do show, após a plateia gritar "Ei, Bolsonaro, vai tomar no c." "É pra isso que estamos aqui, pra resistir", resumiu Liniker no palco. "Muito gostoso olhar para essa plateia e me ver mais nas pessoas", continuou. "Escolhi falar de afeto porque é o que me deixa viva, me legitima, me dá esperança."

Hoje, sim!

Logo no início do show, os problemas de 2019 foram lembrados. "É uma prazer voltar nesse dia tão especial. Voltar e terminar esse show, sim", disse Liniker, para o delírio do público, em ótimo número para o horário das 13h15. "Quem tem axé tem tudo. Somos Liniker e os Caramelows e voces vão adentrar nessa magia."

"Fabulous"

Retornar ao Lolla não foi tarefa fácil para Liniker. Com sol forte e calor de 33 graus na latrina, ela subiu ao palco com vestido roxo e peruca, arrancada por ela já na primeira faixa, como quem quer se libertar do preconceito e das amarras sociais. Suando, manteve a pose e o estilo, assim como o restante da competente banda Caramelows, todos em tons de roxo, rosa, vermelho e vinho.

Balanço

Aos gritos de linda e maravilhosa, a cantora apresentou um bom "esquenta" para o público repleto de sudorese. Músicas como "Beau" e "Boca" prestaram tributo aos tempos de baile black, com reverência ao afrobeat e à música pop retrô. Liniker dança como uma pluma no palco, com tempero psicodélico e algum romantismo. É um show retrô.

Público diverso

Apesar de Liniker ostentar a bandeira LGBT, o público de seu show é diverso. Há gays, sozinhos ou em casal, homens e mulheres, mas ela também atrai muitos héteros, que eram maioria no palco Onix, principalmente nos locais mais distantes do palco. No fim, a mensagem de respeito diversidade prevaleceu, no palco e no público. Bom para todo mundo.