Topo

Leonardo ouve pergunta indiscreta no Faustão e fala sobre sexo depois do 50

O cantor sertanejo Leonardo participa do "Domingão do Faustão" - Reprodução/TV Globo
O cantor sertanejo Leonardo participa do "Domingão do Faustão" Imagem: Reprodução/TV Globo

Johnathan Pereira

Colaboração para o UOL

17/03/2019 18h59

Homenageado hoje no "Domingão do Faustão", o sertanejo Leonardo enfrentou uma pergunta indiscreta do auditório. As fãs perguntaram se na "hora H" ele bota uma música sua para tocar.

Aos 55 anos, o cantor não ficou tímido e respondeu na lata, revelando até um pouco mais. "Se boto uma música minha acho que a mulher vai brochar na hora e eu também. Na idade que a gente está, tem que se concentrar muito, não dá para pensar em música. Às vezes se estou em casa e a mulher quer, digo 'se estiver precisando, a gente vai', não vai ficar desgastando à toa", brincou.

Mas nem só as brincadeiras marcaram a passagem de Leonardo pelo palco de Fausto Silva. O cantor também falou sobre as tragédias que o Brasil e o mundo estão passando em 2019. Ele acredita que as pessoas precisam buscar apoio na fé para que tudo melhore.

"Preocupa demais. A gente fica pensando nos filhos que já são realidade, os netos que estão vindo e realmente o mundo está virado de cabeça para baixo. O povo tem que se apegar mais com Deus, rezar mais", acredita.

"O povo é enfiado dentro do celular, e celular traz coisas boas e ruins. Infelizmente as coisas ruins estão vencendo as coisas boas. A gente viu essas tragédias, é só pedir a proteção de Deus mesmo. Só Deus para dar jeito nesse mundão, que está meio sem porteira", continuou.

A violência contra a mulher também foi assunto. "A Justiça tem que ser mais enérgica, tem que apertar mais essas leis, estão muito brandas."

Música e carreira

Leonardo falou também sobre o espaço que o sertanejo conquistou. "Hoje se ouve música a qualquer momento. Com Milionário e José Rico as [rádios] FMs começaram a tocar sertanejo, depois Chitãozinho e Xororó, Zezé [Di Camargo] e Luciano, Leandro e Leonardo, Bruno e Marrone e agora os moleques do sertanejo universitário".

Faustão fez questão de frisar que o cantor já pisou no palco da atração 68 vezes. Ele então se disse grato à família. "Tudo o que sou hoje devo ao meu pai. Hoje com 55 anos de idade, repito todas as frases que ele falava antigamente, é um apoio moral que dou a eles".

Leandro, seu irmão e ex-parceiro de dupla, que morreu em 1998, não foi esquecido. "Com o Leandro era uma boa relação, a gente se respeitava muito, eu seguia muito o que ele falava e sigo até hoje. Era meu produtor, fazia tudo para mim dentro da música, eu só cantava. Recebemos um carinho do povo brasileiro, muita força, foi dali que a gente partiu para recomeçar a carreira".

E ainda sobrou espaço para uma novidade. O filme "Não Aprendi Dizer Adeus" vai finalmente sair do papel. "Está tudo resolvido, agora vai mesmo, com fé em Deus. Falta aprovar o roteiro, que é o mais difícil, dizem os diretores que em 60, 70 dias grava o filme. Tem muita coisa para contar, não sei se vai contar tudo, não", revelou o cantor.

Com direção de Mauro Lima, a previsão é que o filme saia ainda em 2019. O ator Bruno Gagliasso deve assumir o papel de Leonardo, como adiantou o colunista do UOL Flávio Ricco.

Mais Sertanejo