Topo

Drake ou Kendrick? Por quem você entraria no cheque especial?

Prince Williams/Wireimage / C Flanigan/FilmMagic
Imagem: Prince Williams/Wireimage / C Flanigan/FilmMagic

Ronald Rios

Especial para o UOL

2019-02-09T04:00:00

09/02/2019 04h00

Salve NAÇÃO RAP CRU!

Tá bão? Tá boa?

Hoje em dia festivais são superfaturados como temakis. Quando eu era adolescente, eu adorava ir neles, pois era a chance de ver por um preço moderado um show gringo que caso viesse sozinho pro Brasil, seria um preço absurdo. Então você topava ver 3 shows que não queria ver pra assistir o que você de fato passava meses decorando todas as letras. Era o equivalente artístico de pegar um Uber Pool: vai passar por um monte de lugar que você não gosta pra chegar onde você quer, mas pelo menos sai barato porque todo mundo tá dividindo a conta.

Hoje festivais estão caros como se fossem shows solo. Com a diferença de que você continua tendo que ver 3 shows que não quer ver para aí sim poder assistir o que você realmente deseja. Deixou de fazer sentido. É como pedir um Uber Black, ele vir com passageiro até no porta-mala e ainda ter que parar na casa do motorista porque ele tem que almoçar e fazer a digestão assistindo "Vale a Pena Ver de Novo".

No que vem a notícia da semana: Drake confirmou presença no Rock in Rio. Levando em conta que muito do público é jovem e não tá fácil pra ninguém, muita gente vai ter que se decidir entre ver o canadense no Rio de Janeiro ou o bom garoto da cidade má de Compton, Kendrick Lamar; no paulista Loolapalloza.


Tendo isso em vista, vamos ver por quem vale a pena fazer você vender seus bonés da New Era novinhos ou sua coleção de cards de Pokémon:
Drake é o maior rap star do mundo. Rei das playlists de streaming, o canadense é o hitmaker mais consistente desde Lulu Santos. Pró: é uma festa bem do moleque piranha. Você vai curtir porque o show é uma celebração da "vida rápida", um brinde dos vencedores. Contra: esse dancehall jamaicano pirata do Drake é reemulado na música há anos e sei lá, o cheiro de música genérica me perturba. Chega a um ponto que você não sabe quem é quem, já que as batidas e flow são todos parecidos. Eu gosto (muito) do Drake de "Thank Me Later" mas ele mesmo já entendeu que o Drake de "Hotline Bling" vende muito mais. Para hedonistas, eu sugiro o Drake. Especialmente por ser no Rio de Janeiro, após o show você vai poder esperar o sol nascer na praia durante a manhã seguinte - antes do ônibus da sua excursão de 10 sair fora da cidade.

Kendrick Lamar é um dos salvadores da rima. O cara que rouba todo features é há anos tido como o melhor rapper da "nova geração". As aspas são porque o bicho já lançou 4 discos. Mas realmente não surgiu ninguém com melhor compreensão e capacidade musical e lírica desde que "K. Dot" estacionou seu carro no parquinho do rap. Introspectivo, cheio de responsabilidade social e tratando das relações espirituais e raciais com louváveis cuidado e carinho; é um show para catarse. Não o site de financiamento coletivo, mas aquele estado de espírito de WOW HÁ ESPERANÇA ATRÁS DA DOR. HÁ CONHECIMENTO! Prós: Kendrick, ya bish. Contra: São Paulo é uma cidade que só dá pra aproveitar por osmose e insistência, não numa madrugada esperando o sol nascer. Depois do show eu recomendo, um... hm... calma... ah, vejamos... já sei! Um PF no Estadão - a lanchonete, não o site concorrente. Sei lá, na idade que eu tô acho que dá pra colocar isso como um pró também. Eu sou um carioca que gosta muito de São Paulo.

Mas para os amantes do "rap de verdade" seja lá que diabos isso signifique a essa altura do campeonato, definitivamente Kendrick é o investimento correto para ser feito. Vale a pena receber ligação do banco todo dia te cobrando dinheiro pela iluminação de Kendrick, o prometido.
 

#Free21. Eu posso usar só uma hashtag, não sei se isso ajuda em algo mas pelo menos o Jay-Z já botou os advogados dele no caso - isso sim tira alguém da cadeia. É uma covardia o que fizeram com o 21 Savage, prender um cara não violento por uma burocracia de papelada de visto. É só a tentativa de deixar constrangido um homem que uma semana antes estava rimando sobre as atrocidades com imigrantes que um palhaço feito de presidente fascinado em levantar um muro fez no último ano. Isso não é aplicar justiça; é intimidação imoral.
 

Vem novamente de Minas Gerais um lançamento que eu gamei. Abu e Cizco vieram com CRU VOL 2. Ouve aí que tá mó bom véi!
 

Semana que vem eu volto numa melhor. 
Beijo, bença
Ronald Rios aka seu xapa!
 

Mais Rap nacional