PUBLICIDADE
Topo

Ex-"The Voice" retoma carreira e diz que episódio entre Silvio e Claudia Leitte foi "divino"

O cantor Rafah no clipe de "Não Sou Mais Seu" - Divulgação
O cantor Rafah no clipe de "Não Sou Mais Seu" Imagem: Divulgação

Paulo Pacheco

Do UOL, em São Paulo

31/01/2019 19h34

Ex-participante dos realities "Ídolos" e "The Voice Brasil", Rafah preparava seu retorno à cena musical no fim de 2018, quando seu nome entrou no episódio entre Silvio Santos e Claudia Leitte no "Teleton". Após a cantora ter admitido constrangimento com o apresentador, um vídeo dela provocando o então candidato no reality da Globo, em 2016, voltou a repercutir.

A intenção de quem recuperou o trecho do "The Voice" era acusar Claudia Leitte de assediar Rafah, da mesma forma que Silvio fora chamado. Mas o cantor, em entrevista ao UOL, considera o caso como "algo divino", pois lhe trouxe a divulgação necessária para voltar à ativa.

Rafah com Claudia Leitte e Lulu Santos no "The Voice Brasil", em 2016 - Reprodução/Instagram/rafah - Reprodução/Instagram/rafah
Rafah com Claudia Leitte e Lulu Santos no "The Voice Brasil", em 2016
Imagem: Reprodução/Instagram/rafah
"Foi inesperado para todo mundo. Fiquei muito impressionado com o acontecimento. Chegaria a dizer que foi algo divino, porque aconteceu justamente no momento em que eu preparava meu retorno para ser lembrado e depois alcançar o público. Foi uma divulgação involuntária muito grande. Com certeza, para minha carreira, preciso assumir e admitir que foi muito bom, porque muita gente que achava que eu estava morto voltou a me acompanhar", avalia Rafah.

O cantor foi forçado por fãs para se posicionar sobre o caso e falar se foi ou não assediado por Claudia Leitte da mesma forma como ela foi por Silvio, segundo parte do público. Rafah admite que se incomodou com a pressão em cima dele nas redes sociais.

"Essa parte eu não gosto do envolvimento entre artista e fã. Artista tem que dar todo carinho pelos fãs, não existe sem eles, mas os fãs o obrigarem a entrar em um conflito, porque se posicionar é entrar em um conflito, não é saudável. Não acho interessante esconder o que sente e se reprimir por causa da fama. Mesmo assim, me pediram para me posicionar e fui bem neutro, porque minha visão foi de fatos, não de opiniões", afirma.

Retomada

Rafah retoma a carreira com ao reggaeton "Não Sou Mais Seu". Ele ainda terá mais duas músicas no primeiro semestre: "Ceder e Prosseguir" e "Nós Dois Contra o Mundo", esta em parceria com o ator e cantor Douglas Sampaio, vencedor do reality show "A Fazenda 8".

Em 2017, logo após participar do "The Voice", lançou duas músicas que tiveram relativo sucesso nas plataformas digitais --'Eu e você' e "Acho que Era Amor'--, mas não o fizeram "explodir" no cenário pop. Agora, ele tem a retaguarda de dois empresários experientes, incluindo Marcos José Menezes, ex-sócio de Naldo.

Rafah posa com os atores Paulinho Serra e Gabi Lopes nos bastidores do clipe "Não Sou Mais Seu" - Reprodução/Instagram/rafah - Reprodução/Instagram/rafah
Rafah com Paulinho Serra e Gabi Lopes nos bastidores do clipe "Não Sou Mais Seu"
Imagem: Reprodução/Instagram/rafah
"Não lancei nada em 2018, mas me aliei a empresários e investidores com muita força na música. Um dos empresários, Marcos José Menezes, levou Naldo ao estrelato. Após romper com ele, ficou um tempo sem artista e me escolheu para colocar nesta vaga do pop masculino. Acredito que 2019 será um ano sem igual. Também estou com o Claudio Loureiro, dono da estrutura do Barra Music, hoje Espaço Hall", revela.

Para Rafah, a música pop não está em baixa, mas falta um homem ocupar espaço semelhante ao de Anitta.

"Passei por uma fase independente, e a música pop não funciona assim porque o mercado é caro. Não acredito que esteja em baixa, mas é grandioso demais, e em plena crise as pessoas têm dificuldade de apostar nisso. Anitta apostou tudo que tinha, reinvestiu, rompeu fronteiras e se tornou mundial. Não temos um homem fazendo isso no Brasil. Tive três bons empresários, e todos estavam focados no funk, um ritmo mais barato de se trabalhar pela viabilidade dos bailes e das baladas", explica.