PUBLICIDADE
Topo

Entretenimento

A brasileira apaixonada por quebra-cabeças que abriu uma categoria no Guinness

Luiza Figueiredo e sua coleção impressionante de quebra-cabeças - Reprodução/Arquivo Pessoal
Luiza Figueiredo e sua coleção impressionante de quebra-cabeças Imagem: Reprodução/Arquivo Pessoal

Rodolfo Vicentini

Do UOL, em São Paulo

17/12/2018 04h00

Você sabia que uma brasileira é a maior colecionadora de quebra-cabeças do mundo? O feito é de Luiza Figueiredo, que fez o Guinness World Records abrir uma categoria para ela em 2010 e pela qual ainda defende seu título, agora com 1200 quebra-cabeças montados. Apaixonada desde pequena pelos puzzles, ela também comanda um site para que os fanáticos pelos jogo possam encontrar de forma mais fácil as lojas do segmento.

Porém, tudo começou sem querer. A paulista começou a refletir sobre sua vida após, em questão de quatro meses, suas três filhas saírem de casa. "Me vi sozinha, e comecei a me questionar sobre tudo, inclusive sobre os quebra-cabeças, no sentido de por que ter tantos deles?", diz a colecionadora em entrevista ao UOL. A paixão por quebra-cabeças começou quando ela ainda era nova, e deixar de lado seu hobby não seria algo fácil.

Por curiosidade, ela entrou no site do Guinness para descobrir quem era o detentor do prêmio da maior coleção de quebra-cabeças, mas a categoria sequer existia. "Mandei um pedido, porque as pessoas falavam na brincadeira que eu ia aparecer lá. O Guinness me respondeu, dizendo que eles aceitariam o meu pedido, que eu estava abrindo uma categoria nova".

A fanática passou por uma burocracia gigantesca para entrar no popular registro anual, já que não conseguiria arcar com o custo de seis mil libras diárias para trazer um juiz do Guinness ao Brasil. O passo mais longo foi como comprovar a coleção, tirar foto das caixas, e ainda ver o fabricante e o ano em que cada objeto foi feito. Ela também organizou uma coletiva de imprensa e mandou todas as papeladas para o Guinness, em um processo que demorou ao todo seis meses. 

Quebra-cabeça montado por Luiza Figueiredo - Reprodução/Arquivo Pessoal - Reprodução/Arquivo Pessoal
Quebra-cabeça montado por Luiza Figueiredo
Imagem: Reprodução/Arquivo Pessoal

Em 2010, Luiza tornou-se pela primeira vez a recordista mundial de maior colecionadora de quebra-cabeças, na época com 238 objetos. Agora, ela já conta com 1200 quebra-cabeças montados e 1670 caixas do divertido passatempo. "Eu ganhei meu primeiro quebra-cabeça quando tinha sete anos de idade. Eu tenho ele até hoje, ele era pequeno, com cento e poucas peças, e de madeira, para você ver o quão antigo ele é. Ou eu que sou velha, não sei direito", brinca Luiza.

Rixas de quebra-cabeças

A brasileira ganhou o título em 2010, e após dois anos fez o mesmo procedimento para permanecer com o prêmio, mas problemas externos acabaram influenciando a decisão. "No meio do caminho, toda minha papelada foi perdida. Tudo o que eu mandei para eles se perdeu, e neste meio tempo uma filipina apareceu e bateu meu recorde".

Gina Gil Lacuna alcançou a marca de 1.028 quebra-cabeças na ocasião, levando o prêmio. "Essa senhora é muito rica, e ela tem uma equipe que monta os quebra-cabeças para ela. Os meus não, fui eu mesmo. Eu fiz as contas. Ela falou que em maio de 2010 tinha 300 montados. Em junho de 2012, ela apareceu com mais de mil."

"Deu 700 quebra-cabeças, se você dividir por número de dias, ou seja, dá mais de dois puzzles por dia, e ela tinha quebra-cabeças de 12 mil peças. Eu até mandei um e-mail mal educado [ao Guinness], dizendo que ela deveria entrar para o Super-Humanos do Stan Lee", lembra Luiza, aos risos.

Os certificados que Luiza Figueiredo ganhou do Guiness World Records - Reprodução/Arquivo Pessoal - Reprodução/Arquivo Pessoal
Os certificados que Luiza Figueiredo ganhou do Guiness World Records
Imagem: Reprodução/Arquivo Pessoal

A rixa acabou motivando a mãe de três filhas a retomar o recorde mundial. Foram cinco anos comprando e montando inúmeros quebra-cabeças, até que em 2017 ela voltou ao topo, com 1.047 peças montadas.

Curiosidades

Luiza é experiente dentro do universo fantástico dos quebra-cabeças, o que não poderia ser diferente. Ela conta que, sempre quando viaja, suas amigas entram direto nas lojas de roupa e de maquiagem, e ela vai sozinha até as lojas de brinquedos.

A brasileira também está acostumada a perder horas pesquisando novos exemplares, inclusive participando de leilões online na madrugada para tentar cavar um puzzle exclusivo por um preço mais camarada. E claro que algumas distrações acontecem entre tantas peças delicadas.

"Eu tenho um quebra-cabeça que brilha no escuro, e aí toda feliz montei o quebra-cabeça e chamei minha filha e meu genro para que eles pudessem ver o que eu tinha feito. Ele estava em cima da mesa, e no momento em que apaguei a luz, eu levantei só a cartolina e o quebra-cabeça caiu no chão e esparramou tudo. E o gozado é que eles falaram, 'Ué, não está brilhando'", se diverte Luiza.

Mercado de quebra-cabeças

Quando a colecionadora precisava mandar seu catálogo para a Guinness pela primeira vez, ela recorreu à GROW para que a ajudasse com tudo. A líder de mercado no Brasil abraçou a ideia da Luiza, que virou uma ajudante da empresa.

Quebra-cabeça montado por Luiza Figueiredo - Reprodução/Arquivo Pessoal - Reprodução/Arquivo Pessoal
Quebra-cabeça montado por Luiza Figueiredo
Imagem: Reprodução/Arquivo Pessoal

"A gente consulta ela também. Por exemplo, se a gente vai desenvolver um porta-puzzle, a gente pergunta a ela o que acha dos materiais, dos modelos. Ela fala do que gosta ou não, justamente por causa dessa paixão e desse conhecimento que ela tem", explica ao UOL Angelo Marin, gerente de produtos da marca.

Angelo explica que o segmento dos quebra-cabeças pode ser divido entre os voltados para as crianças e aqueles destinados aos adultos. Por ano, apenas no Brasil, mais de 120 mil unidades de quebra-cabeças com mais de 500 peças são vendidos pela GROW.

"A gente também envia qualquer peça de quebra-cabeça que falta, caso o consumidor tenha perdido, sem qualquer custo, porque sabemos o quão frustrante é quando isso acontece. No SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente) da GROW tem uma pessoa que faz esse levantamento da matriz, para saber qual é a peça. Você manda a foto ou explica qual é a coluna, e a gente envia".

Luiza analisa que muitas pessoas montam quebra-cabeças na internet, e que o hobby é muito popular. Porém, não coloca muita fé que serão suas filhas as representantes mais novas no universo dos puzzles. "Uma delas não consegue nem encaixar uma peça, não tem a menor habilidade. Uma outra monta, só uma delas mesmo que gosta. Tanto que eu falei para ela, 'Olha, é meu legado, hein?'", brinca a colecionadora.

Entretenimento