Topo

Rock


As minas vão salvar o rock brasileiro? As bandas que estão reconstruindo o gênero

Instagram/Reprodução
Ale, do The Mönic, Karen, do Violet Soda, Deb, do Deb and the Mentals, e Carox, do Miami Tiger Imagem: Instagram/Reprodução

Osmar Portilho

Do UOL, em São Paulo

30/11/2018 04h00

"Tira a camiseta", "dança pra gente", "pra quem você deu pra estar tocando aí", "e não é que você sabe tocar mesmo?" e "foi muito bom o show, não esperava" são algumas frases que algumas mulheres ainda ouvem simplesmente por estarem no centro de um palco com sua guitarra. Em uma época onde o rock se afastou do mainstream e se reconstrói nas profundezas do underground -- de onde sempre ressurgiu com boas novidades --, é da voz delas que surge um novo e interessante cenário liderado por mulheres ocupando espaço contra o machismo estabelecido há décadas no gênero.

Alessandra Labelle, integrante do The Mönic, aprendeu a tocar piano aos 6 anos de idade e formou o grupo só com garotas: Dani Buarque (guitarrista e vocalista), Joan Bedin (baixista) e Daniely Simões (baterista). Para ela, que também é integrante da banda O Trago, a sororidade é importante para a cena. "As mulheres se ajudam demais. Abrem portas, dão espaço e voz para as outras. Além da força moral, rola até uma ajuda técnica para quem precisa", disse ao UOL

No mesmo passo que o cenário independente desenvolveu rivalidades e um espírito de competição entre as bandas, sempre houve também o espaço para companheirismo e camaradagem para quem queria fortalecer a cena, mas claro, só para os homens. Se existe pouca novidade de grupos surgindo, perceba que entre as garotas há uma efervescência amparada por esse espírito coletivo.

"Faço parte de um grupo no WhatsApp com várias mulheres que mostram seu trabalho por lá. Tenho várias amigas com banda, sempre procuro fazer shows com elas, divulgar o som, procuro conhecer banda nova com mina. Nem todas as pessoas agirão da mesma forma, mas o respeito e a empatia existe em 99% delas", disse Karen Dió, vocalista da banda Violet Soda. 

A visão de Carolina Gonçalves, a Carox, do grupo Miami Tiger, pode ser um pouco mais pessimista, mas é bastante consciente de como o cenário pode ser nocivo. "Muitos amigos de banda me apoiaram muito, me chamaram pra cantar, compuseram comigo, etc. Mas hoje em dia eu analiso que é muito raro isso acontecer, a maioria das pessoas só trabalha a base de troca de interesses ou só ajuda quem é da própria 'panela'. Por ter essa visão, o Miami Tiger fica fora de quase tudo. Tudo o que fazemos é com muito corre ou porque alguém gostou de verdade da banda", contou a vocalista, que reconhece a melhora da cena musical, mas crê que haja espaço para mais desenvolvimento.

"O rock é bem machista e o hardcore que deveria ser libertário também é muito. As coisas estão melhorando, não posso negar. Antigamente ouvia coisas do tipo "pra quem você deu pra tá tocando aí?" e coisas do gênero. O que melhorou, mas ainda acontece muito é a galera de organização/segurança achar que sou namorada de alguém. Isso ainda acontece direto".

Deborah Babilônia, da banda Deb and the Mentals, também reforça essa necessidade por um ativismo e uma troca mais ativa. "Tenho sentido uma mudança positiva em relação a isso. Temos aí selos bem legais de meninas, bandas novas surgindo, apoiando e encorajando umas às outras. Compartilhando experiências. Em alguns casos há sororidade virtual e não na prática. O que é preciso mudar".

"Você é namorada de alguém?"

Quando a questão é em relação ao machismo, os relatos se repetem, como as aspas que abrem este artigo. Pior do que as provocações, o sexismo pode afetar inclusive o desempenho da banda no palco. "Uma vez um técnico de som estragou o nosso show só porque a guitarrista/vocalista Dani Buarque fez uma brincadeira com ele depois que ele tentou humilhar ela, falando como se ela não soubesse lidar com seu equipamento", contou Ale, do The Mönic. "E sempre tem aqueles comentários desnecessários, que os homens acham que é elogio, do tipo 'e não é que você sabe tocar mesmo?' ou 'foi muito bom o show, não esperava'"

A resposta por episódios como esse vem na sequência da própria cantora.

A gente transforma a raiva e frustração em música, o medo em atitude. Alessandra Labelle, integrante do The Mönic

O rock será salvo ou ocupado?

"Eu, pessoalmente, não quero salvar nada. O que eu quero, como mulher, é ocupar um espaço que também é meu. Espero de verdade que um dia as coisas sejam realmente inclusivas para nós, que desde cedo a gente seja incentivada a tocar como os meninos são, que nós não precisemos ser 5 vezes melhores que um menino pra ser 'boa', que tenham mais mulheres tocando, assistindo, trabalhando na parte técnica", disse Carox.

Há a possibilidade de que o rock, de volta ao underground, tenha aberto um canal mais acessível e que traga identificação para as mulheres dispostas a levantar sua voz e ocupar um lugar que já devia ser seu há décadas. O fato é que elas agarraram essa oportunidade e se organizam em um movimento que há tempos não movimenta o cenário.

"Acho que depois de anos de luta finalmente estamos conseguindo um pouco mais espaço e respeito pra mostrar nosso trabalho e isso tem ajudado a diversificar a cena. No fim das contas isso é o mínimo e nada além do nosso direito enquanto profissionais", completou Karen Dió. "Isso me fortalece e me faz lutar todo dia por nossa igualdade como mulher".

Mais Rock